segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Infiltrada



A infiltrada
Natalia Marques

Gente, primeiramente tenho que dizer que apesar de ter passado quatro dias tentando encontrar um sinônimo para esse livro, ainda continuo sem saber ao certo o nome que daria para ele, devido a todos os sentimentos que causou em mim. Eu sempre procuro algo para denominar o que leio, mas com esse livro foi diferente.

Quando alguém me indica uma leitura, dizendo que é maravilhosa, não leio a sinopse, não vejo preço ou dificuldades para adquirir. Simplesmente me viro e compro. E foi assim que aconteceu com esse livro. Foi mais uma indicação da minha amiga Patty, do Mix literário, e não pestanejei quando ela disse que era fantástica a fic e que estava louca para ler o livro. Mais uma vez a indicação me surpreendeu e não me arrependi. Esse livro é o que posso chamar de “The Best em seu gênero.

Ao começar a ler, eu me deparei com um tipo de leitura diferente. Veja bem, esse não é o tipo de romance de mulherzinha, meloso, hot, cheio de coisas engraçadas e que deixa o leitor suspirando. Muito pelo contrario! Esse á um tipo de romance carregado de emoções. As personagens são fortes, cabeças dura, arrogantes, determinadas, orgulhosas de si, cheias de prepotência e altivez, não dão o braço a torcer. A expressão de um sentimento, por mais que seja um mero sorriso, é algo complicado para eles. E é justamente isso que torna a estória tão interessante. É uma relação de amor e ódio, muito mais ódio do que amor de início, conturbada, cheia de desafio e soberba. Acho que é isso que torna esse livro tão interessante e instigante, fazendo o leitor “devorar” cada capitulo com avidez desesperada.

Além da trama super atraente e por vezes divertida, ela é muito bem escrita, rica em detalhes que abrangem todos os sentidos. A autora consegue transmitir com exatidão os ambientes, os sentimentos e as falas são inteligentes. Dá para sentir por ai que não é um livro comum, e me espanta muito que tenha sido uma fanfic, escrita por alguém tão jovem, mas cheia de sagacidade. Eu sinceramente tenho que dar a mão a palmatória e parabenizar a Natalia. Ela conseguiu fazer um magnífico trabalho como autora.

Agora vamos falar das nossas personagens, afinal são eles quem nos interessam, não é?

Claire Evans é uma mafiosa americana, filha de traidores do FBI, criada por uma das maiores máfias da atualidade, Padova, e após ter um de seus trabalhos sabotados, vê-se jogada de lado e espera por uma única oportunidade. Essa vem quando ela é designada para realizar uma missão praticamente impossível. A nossa mocinha, que não é de abaixar a cabeça ou demonstrar suas fraquezas, agarra sua chance e vai com  toda a sua coragem para essa missão. Assim é enviada para os EUA e é infiltrada na NSA, uma agência super conceituada, responsável pela segurança de informações do país.

Na NSA, como Haily Dawson, já no primeiro dia Claire desafia o generalíssimo Alan Becker e passa a ser perseguida, avaliada, testada, humilhada e levada ao extremo de suas forças. O Generalíssimo é um homem rude, temido, genioso, prepotente e cheio de si. O tipo de pessoa que se acha o dono do mundo por causa da sua patente. Ele não mede esforços para provocar sua “novata” como ele se refere à Claire, sempre usando adjetivos masculinos.

A nossa mocinha, ainda mais teimosa e orgulhosa, faz de tudo para se manter firme diante do generalíssimo e o provoca. Ela se torna, praticamente, a única pessoa a provocá-lo se sofrer, ‘muito”, as conseqüências. Eu devo dizer que ri várias vezes com as artimanhas de Claire e de como ela consegue ser terrivelmente irritante quando tem seu orgulho é ferido. As cenas são deliciosas, carregadas de puro magnetismo e os dois só faltam se explodir... Gente, eu gargalhei algumas vezes. Como gargalhei com a Claire. Vocês acreditam que ela resolve provocá-lo, fingindo que foi atacada por um homem, rasga a sua própria roupa, se escabela e depois deixa o homem desesperado para saber o que aconteceu? Ele perde a cabeça, só falta bater na bichinha, mas como ele ordenou que não falasse, ela o sacaneia muito e não fala. Eu ri, gente! Qualquer dia farei isso com meu marido.

Eu, como leitora, torcia ardentemente para que os dois percebessem a paixão. Mas ambos são duros na queda e mesmo com todos os sinais a mostra, não admitem o que sentem. Em nenhum momento há uma troca de carinho ou olhares melosos. È literalmente uma trama de amor e ódio, regada com muitas cenas divertidas e outras melancólicas que fazem o leitor quase chorar.

O primeiro beijo, como não poderia ser diferente, é pura adrenalina e ocorre, literalmente, entre uma tempestade, raios e trovões. Mas não é um simples beijo, delicado, cheio de afeto e ternura. Ele é carregado de raiva, rancor, paixão e puro tesão. Ninguém quer admitir o que a paixão, a atração é insuportável e o destino sempre dá um jeitinho de mantê-los bem perto. Além disso, essa estória é carregada de ciúmes... Sim! Nenhum dos dois aceita o fato, mas Alan não suporta ver ninguém olhando ou chegando perto de sua “novata” e Claire praticamente morde quando avançam sobre ele. Agora me digam, é ou não é uma estória para lá de boa?

Além dos confrontos super engraçado dos dois, ainda temos outras personagens bem carismáticas, como a enfermeira Nora, o amigo Luck, o coronel McCarthy. Você se diverte com as palhaçadas de Luck e toda a sua falta de noção, torce para que as coisas aconteçam entre ele e Nora e fica duvidosa sobre o coronel.

Em resumi, Claire tem duas missões super perigosas e entre uma delas é matar o irritante generalíssimo cheio de si, mas no fim se ver atordoada com os novos sentimentos e cumplicidade que começa a sentir entre os dois. Alan mostra sinais de estar envolvido, mas não se dá por vencido mesmo nos piores e mais dramáticos dos momentos. E o final dessa estória é simplesmente surpreendente... Uma estória de amor completamente diferente de tudo o que já li. Tenho certeza que vão amar.

Comprem o livro! Vale a pena investir nele, gente. Quem não quiser comprar, peça de amigo oculto. É uma ótima hora para isso.

Como disse no início, não consegui, ainda, encontrar um sinônimo perfeito para ele, que é pura nitro glicerina.

Espero que gostem!

Bjus no core





2 comentários:

Nanda disse...

Uau, parece bem intrigante. Acho que não é o tipo de livro que eu gosto, mas a sua resenha me deixou curiosa. Ainda mais sobre esse final diferente q vc falou ^.^ Vou comprar pra ver. Ótima indicação =)

Natália disse...

Glaucia, muito, muito, obrigada pela resenha, amei!! Você escreve super bem, as palavras fluem e até eu fiquei com vontade de ler o livro de novo! Parabéns!

Se você puder colocar no link do skoob, eu agradeceria! Muito obrigada!

Bjs

Postar um comentário