domingo, 27 de maio de 2012

Medo de Amar 15

Medo de Amar 15

Edward estava arrasado e consumido por um ódio o deixava completamente sem lucidez. A única coisa em que pensava era vingança. Ele queria fazer o duque pagar pela humilhação e dor que havia sofrido. Lágrimas escorriam pelo seu rosto, enquanto praguejava em seus aposentos. Seu valete, mesmo a contra gosto, o limpou e depois partiu ao ver o seu estado de loucura. Já era difícil demais ter passado por tudo aquilo e precisar da ajuda de outras pessoas só fazia a humilhação consumir cada órgão do seu corpo.



Andou de um lado para o outro no quarto, quebrou coisas, chorou, gritou e depois ficou caindo inerte, em estado fetal, chorando, praguejando e tentando traçar um plano de vingança. Aquilo era a única coisa que queria naquele momento. Gostaria de uma bebida, mas sua situação financeira estava em calamidade e nem comprar bebidas ele podia mais. Socava o chão com raiva e chorava; Gostaria de ao mesmo se embebedar para suportar a dor e a humilhação.

Depois de algum tempo Edward adormeceu. Mas teve pesadelos horríveis, acordando várias vezes gritando, clamando por clemência e chorando. Ele ainda podia sentir a brutalidade dos movimentos em seu corpo. Foi nesse estado de desespero que Edward ouviu as risadas. Eram muitas e pareciam vindas de outro cômodo. Elas foram intercaladas com aplausos, que ficavam cada vez mais forte. Ele gritava, pedindo para pararem... Gritava. Gritava, mas as risadas e palmas continuavam.

- PAREM, POR FAVOR! EU ORDENO QUE PAREM! EU ORDENO!

As risadas e as palmas intensificaram. Edward correu até a cama e se cobriu com o lençol de seda, ainda chorando.

- Eu sou o marquês de Colchester. – Dizia com a voz fraca

- Eu sou o marquês!

De repente tudo ficou em silêncio e Edward agradeceu. Queria um pouco de paz. Precisava disso.

- Bonjour, mon cher!  - Edward ouviu a voz feminina com sotaque francês.

- Não! Não! Você, não!

- Oui, ma chère!- A voz continuou a atormentá-lo. Ele não sabia se era a sua imaginação, devido ao estado de transtorno que passava. Mas podia jurar que a voz vinha de outro cômodo. Edward se levantou e correu até a porta de ligação entre os quartos e a abriu. Olhou ao redor e não viu ninguém. Um pouco mais distante, podia jurar ouvir uma sonora gargalhada feminina e o som “inesquecível” do chicote. - Oui, oui, viens à moi! Le jeu va commencer.

- Para, por favor! Para! – Ele correu de volta até a sua cama e se escondeu de baixo dos lençóis. Tentou dormir novamente, mas as risadas, chicotadas e risos da mulher falando em francês continuaram. Ele sabia que estava ficando louco e a culpa era do duque. Apenas queria vingança. Ele acharia Renesmee e acabaria com ela. Depois teria o maior prazer em jogar os restos na porta do duque. Ele pagaria pela humilhação. Edward estava disposto a matar e a morrer por isso.

[...]

No dia seguinte Jacob estava em seu gabinete relembrando cada acontecimento da noite anterior. Ele ainda não estava satisfeito, apesar de todo sofrimento e humilhação de seu inimigo. Para ele, que presenciou todo o sofrimento de Nessie, aquilo era muito pouco. Estava obcecado por vingança e veria Colchester destruído a qualquer custo.

Seu valete havia saído a poucos minutos, depois de informar que os criados de Colchester estavam cumprindo a parte no plano. Ele ficou satisfeito em saber que os próprios criados ajudariam a deixar o homem louco. As recomendações foram simples e deveriam ser seguidas a risca. Eles deveriam fazer barulhos durante a noite e durante o dia fazer coisas para que Edward achasse que estava enlouquecendo, como entrar com o chá duas vezes, fazê-lo pensar que esqueceu objetos em outros cômodos, fazê-lo repetir as mesmas conversas e dizer que ele não havia dito nada. Com o tempo Edward começaria a desconfiar de sua sanidade mental. Aquele era apenas um primeiro passo, antes de lhe enviar para a prisão dos devedores e deixá-lo apodrecendo lá por anos.

Algum tempo depois seus amigos Langlay e Brand chegaram ao seu gabinete, para saber como Jacob se sentia após a vitória contra Colchester.

- Já conseguiu o que queria e  destruiu Colchester, o que mais está faltando? – Inquiriu Alex.

- Eu ainda nem cheguei perto de destruí-lo, meu caro amigo. – Jacob respondeu enquanto fumava um charuto.

- Você acabará louco por causa dessa obsessão, meu amigo. – Disse-lhe Derick.

- Não é uma obsessão. Apenas justiça! Quero que Edward Wood pague por tudo o que fez e não descansarei enquanto não estiver totalmente arruinado, humilhado, pobre e louco. Ele amaldiçoará o dia em que se tornou Marquês de Colchester. Já tenho provas de que matou o tio para ficar com o título. Mas não quero entregá-lo a justiça agora. Eu serei a mão da lei contra ele. – Ele respondeu com sorriso irônico. -  É muito simples o meu ponto de vista.

- Você deveria aproveitar essa folga na câmara dos Lordies para ficar com sua jovem e adorável Bela Adormecida. Não gastando energias com Colchester. – Advertiu Derick.

- Eu tenho coisas a fazer e não posso ficar com Nessie agora. Em breve estaremos casados e ela ficará aqui comigo em Londres. – Jacob deu uma tragada. – Mas foi justamente por isso que os chamei aqui. Tenho uma missão para vocês. – Os dois se olharam de forma inquisitiva. Sabiam que Jacob estava planejando algo e como as coisas estavam ocorrendo, seriam metidos novamente em encrencas por causa deles.

- O que quer dessa vez, Excelência? – Alex perguntou de forma irônica.

- Nada demais! Nessie faz 21 anos na próxima semana e como será aberta nova sessão na câmara dos Lordies, não poderei ir até ela. Sei que ficará decepcionada com isso, mas tenho questões importantes a resolver em Londres. Por isso preciso que alguém leve para ela um presente muito especial.

- Você não a verá em seu aniversário? – Derick questionou.

- Se eu for lá na próxima semana, sabes bem que não voltarei a tempo para a votação. Minha presença aqui nesse momento é necessária. Vou enviar uma jóia de família e não quero confiá-la a empregados. Por isso preciso que um de vocês vá até a minha propriedade em Excer e leve a jóia junto com a missiva.

- Ela achará isso frio da sua parte, Jacob. – Respondeu Alex. – Sabes bem, Excelência, que as mulheres gostam de ser cortejadas. Receber uma jóia e uma mensagem a deixará decepcionada. – Avisou o amigo.

- Eu bem sei disso, mas... – Jacob engoliu em seco.

- Mas o quê? – Inquiriu Derick.

- Nada! – Ele não queria dizer aos amigos que era difícil sair de baixo dos lençóis da jovem. Aquilo não era apropriado. Ela não era uma das suas amantes. Era a futura esposa e merecia o respeito e consideração. Estava com o coração apertado de tanta saudade e não via a hora de marcar o casamento.  – Nada que seja da conta dos dois. Apenas preciso que alguém de minha confiança leve o presente de minha noiva. Apenas isso. – O desejo o consumia todos os dias. Queria tê-la nos braços e fazer amor dias e noites sem parar. Ficaria louco junto a sua graciosa e por isso tinha que evitar a viagem.

- Se ela fará 21 anos, segundo o testamento do pai, nada impede o casamento de vocês. – Alex o lembrou.

- Realmente não, mas quero fazer um acordo com o advogado dela e garantir o seu futuro. Sabes bem que se eu morrer sem deixar herdeiros toda a fortuna vai para as mãos do meu primo. Então preciso fazer um documento, deixando acertado que tudo que ela herdar permanecerá em seu nome mesmo após o casamento, e principalmente em caso de falecimento sem herdeiros. Não quero deixá-la desamparada. Já convoquei o advogado que cuidou dos interesses do pai dela e marquei uma reunião para essa semana. Assim que ele redigir os termos do acordo e levar para a minha noiva assinar, entro com o pedido de licença especial de casamento na igreja. Sei que terei que ir direito ao cardeal, mas não tenho alternativas. Edward não pode nem sonhar que vamos nos casar e um processo normal demoraria mais de um mês.

- Nunca o vi tão cauteloso, Jacob. – Observou Alex. – Essa jovem realmente mudou você. Antes você teria metido os pés pelas mãos.

- Eu a amo ardentemente e quero que tudo saia bem. Se eu morrer não deixarei minha graciosa na miséria. Nem darei a Colchester a chance de uma revanche. Quando ele perceber,  Nessie já será a duquesa de Telford e não poderá nem chegar perto dela.

- Tudo bem! Já que é para um bem maior – Disse Alex. – Vou até Excer e entrego o presente a futura duquesa de Telford. Ficará me devendo uma. Sabes bem que minha esposa me leva com rédeas curtas e terei que ficar ao menos um dois fora de casa.

- Quem diria que uma mulher o “domaria” Brandt? – Jacob disse rindo.

- Um dia você passará pelo mesmo. Nesse dia veremos quem ri melhor, Excelência. – O outro debochou

- Quais são seus planos para Colchester? – Derick o inquiriu.

- O próximo passo é deixá-lo louco. Seus criados estão trabalhando para mim e isso não levará mais que quinze dias. Enquanto eles o atormentam, em sua própria casa, resolvo os pormenores do casamento. – Respondeu.

- Onde pretendes realizar a cerimônia? – Alex questionou.

- Vocês dois têm me saído ótimas mexeriqueiras. Será que ficarei assim depois do casamento? Deus me salve disso.  – Ergueu as mãos para o céu.

- Só estamos curiosos. Não é todo o dia que um homem com sua “notória” reputação se casa, meu caro. – Derick rebateu.

- A cerimônia ocorrerá na propriedade de Excer. Não quero correr o risco de trazer Nessie a Londres sem ter o “direito” sobre ela. Se desse o azar de Colchester encontrá-la, ele a levaria e eu não teria como fazer nada. Quero que ela venha como minha duquesa e seja apresentada para a sociedade com toda a honra que merece. Quero ver a cara daquele patife quando isso ocorrer. – Jacob disse rindo.

- Você já o humilhou demais e essa coisa de deixá-lo louco pode se virar contra você. – Alex retrucou.

- Nada de mal poderá ocorrer. Minha esposa estará protegida, meu caro. – Jacob respondeu cheio de presunção.

- Você conta mesmo com isso, Excelência?- Derick disse. – Um home louco e sedento de vingança é capaz de tudo. Então acho melhor não abusar.

- Tomarei minhas providências! – Jacob respondeu preocupado com o que o amigo disse. Realmente Colchester poderia fazer algo louco e se vingar de Nessie. Aquele pensamento o angustiou. Precisava tomar as providências para que estivesse bem protegida.

- Quanto a sua mãe? – Alex perguntou. Sabia que o relacionamento dos dois não era bom, mas a duquesa não perdoaria se o filho lhe deixasse de fora do casamento.

- Eu a convidarei apenas um dia antes e não direi do que se trata. Ela só saberá do casamento quando chegar a Excer. Não quero que tenha tempo para maquinar nada contra minha noiva. Enfrentar minha mãe já é suficientemente ruim. Agora enfrentá-la como nora não será um trabalho nada agradável. Eu já alertei minha graciosa sobre isso, mas ela disse que isso não será nada pior do que os anos que viveu com sua tia Cordélia.

 - Espero que saiba o que está fazendo. – Derick retrucou. – Sua mãe é uma pessoa muito difícil. Ela não aceitou Caroline, que era sua pupila, imagina uma jovem com a reputação “manchada” por ter fugido duas vezes da família? Filha de marquês ou não, sua mãe não a aceitará esse casamento. Seja bem cauteloso com ela, meu amigo.

-  Você acha que não sei disso? Ela é minha mãe! Pode ser uma raposa velha, mas eu sei lidar com ela. E logo Nessie também saberá. É só uma questão de tempo.

Os três continuaram bebendo e falando sobre os planos de casamento, também de vingança contra Edward. Depois foram para o White’s jogar e saber quais eram as últimas notícias, após a trágica iniciação de Colchester.

[...]

Semanas haviam se passado após a partida de Jacob e Nessie ainda estava magoada e aborrecida por ele não tê-la visitado em seu aniversário. Ele sabia que aquela era uma ocasião importante para ela, mesmo assim enviou o presente e uma missiva pelo amigo. Aquilo a deixou com o coração partido. Seu corpo clamava por ele dias e noites solitárias. Já havia se acostumado com o seu calor, os seus beijos, os galanteios e as noites ardentes que viveram juntos. Não era justo ter que esperar até o casamento para ter sua companhia novamente.

Mesmo tendo passado as semanas ocupada com a modelista e as costureiras, Nessie não conseguia parar de pensar em outra coisa que não fosse o “seu duque”. Ele consumia todos os seus pensamentos e seus dias sem ele eram vazios.

Depois de quatro semanas na propriedade de Excer, recebeu a missiva que a deixou radiante de felicidade. Nela Jacob dizia que chegaria em três dias com sua mãe, dois casais de amigos e um padre para a cerimônia de casamento. Deixou recomendações para que tudo estivesse a contento e que Nessie se preparasse para a cerimônia. Também fez declarações de amor, deixando claro que estava morrendo de saudade e não agüentava mais a sua ausência, e que se ficou distante tanto tempo foi por um bem maior. Nessie sabia bem qual era o bem maior... Edward.

Seu amigo não deixou escapar muito coisa, na breve visita que lhe fez, na ocasião de seu aniversário, ficou claro que Jacob não descansaria enquanto Edward não estivesse completamente arruinado. Ela temia que aquilo pudesse acabar muito mal. Conhecendo bem o primo, sabia que ele não se renderia assim tão facilmente. Uma das coisas que a deixou ciente, e ao mesmo tempo preocupada, foram às revelações do advogado. O homem passou dois dias em Excer, para que ela assinasse o acordo pré-nupcial e ficasse a par da situação financeira. Pelo que havia entendido, Edward havia vendido vários objetos de valor de suas propriedades e também algumas jóias que foram de sua mãe. Jacob, por sua vez, solicitou a ele que entrasse com o processo judicial por roubo, em nome dela. E segundo suas fontes, havia comprado todas as promissórias de dívidas publicas. Se Edward não pagasse, em poucos dias estaria atrás das grades. Também corriam “rumores” sobre a vida sexual do marquês e as pessoas estavam reticentes em convidá-los para as festas. Nessie estava preocupada com o rumo que aquilo tomaria, apesar de confiar em seu duque.

Ela tinha muita coisa para conversar com ele. Já estava temendo uma retaliação e o fato de Jacob estar subestimando o primo a preocupava. Além disso, suas regras estavam atrasadas e desconfiava que esperava um filho. Aquilo a deixava inquieta e nervosa. Precisava compartilhar com ele antes que soubesse pelos empregados. Ela sabia bem como eles poderiam ser inconvenientes e inclusive foi sua aia quem percebeu o seu atraso. Deveriam se casar antes que os mexericos se espalhassem e todos soubessem de sua situação.

Nessie passou os dois dias arrumando tudo para a hospedagem dos visitantes, dando ordens aos empregados sobre os afazeres de casa, coisa que normalmente não fazia, e cuidando pessoalmente do cardápio para aquela semana. Precisava que tudo estivesse impecável quando chegassem para o casamento. Estava eufórica com tanta novidade. Assim os dias foram passando rapidamente e em uma manhã de quarta feira a primeira carruagem chegou.

Ela e os empregados os esperavam na porta da casa, com toda pompa que a circunstância exigia e ficou paralisada ao ver a duquesa mãe descer da carruagem acompanhada de Jacob.

Os empregados fizeram reverência aos seus senhores, que se dirigiam a ela lentamente de braços dados. Quando a duquesa chegou mais perto, ergueu uma das sobrancelhas e depois com olhar gélido a fitou dos pés até o último fio de cabeça.

- Então é aqui que a senhorita se esconde? Isso aqui é uma armadilha, Telford? Eu exijo saber o que está ocorrendo aqui! – Nessie sentiu o corpo estremecer e por pouco não desmaiou. Sentiu um medo tão grande daquela mulher, que nem conseguiu falar.

- Excelência, eu vos disse que era uma ocasião especial. – Ele disse com cerimônia. – Amanhã a noite será realizada a minha cerimônia de casamento com Lady Wood. 

- Isso só pode ser uma brincadeira, Telford! -  Ela o olhou de forma dura e depois para mim. – Essa jovem fugiu do primo, deixando um rastro de escândalo para trás. A família está mal falada na sociedade. A tia não tem postura e as primas flertam com todos os homens. Como podes querer fazer dela uma duquesa? O que os nossos amigos dirão? Você está louco e não permitirei esse casamento. – Ela voltou o seu olhar para Nessie. Seus olhos encheram de lágrimas, mas ela fez de tudo para não chorar. Não queria se humilhar diante da duquesa. Jacob havia avisado para não demonstrar fraqueza diante de sua mãe.

- Vossa Graça não entendeu! Eu não estou pedindo autorização para me casar. Estou lhe comunicando e a convidando por consideração, que aliás, nem merece. Se não desejar assistir a cerimônia, pode voltar daqui mesmo. – Ele veio até mim, fez uma mesura, pegou a minha mão e a beijou com delicadeza. – Não precisa se assustar, graciosa. Ela não morde!- Nessie apenas assentiu com  a cabeça e segurou as lágrimas o máximo que pode. Os empregados observavam a cena com curiosidade, quando Jacob resolveu acabar com tudo aquilo. – Levem as coisas da duquesa para o quarto de hóspedes. – Ordenou e o mordomo assentiu.

- Espera um momento? Quanto de hóspedes? Desde quando uma duquesa fica em um mero quarto de hospedes? – Jacob se virou e a mãe o desafiou com o olhar.

- Desde o momento em que a próxima duquesa já está ocupando os aposentos. Se preferir podes voltar para Londres, Excelência. – Ele deu o braço a Nessie e a conduziu para dentro da casa, dando as coisas para a mãe. Os empregados assistiam tudo àquilo com curiosidade.

- Ela já é a sua amante e ocupa o quarto da dona casa. – Disse a duquesa, enquanto andava atrás dos dois.

- Mais uma indelicadeza com minha noiva e voltará a pé para Londres, mamãe! – O corpo de Nessie tremia e Jacob percebendo o seu nervosismo a conduziu para a sala onde gostava de ler e repousar.

- Ela não gosta de mim... – Ela sussurrou para Jacob.

- Ela não goste de ninguém, amor. Nem mesmo de mim. Fica tranqüila, pois não lhe fará mal. Ela sabe das conseqüências de me desafiar. – Ele virou-se de frente para ela e a beijou na testa. As lágrimas rolaram em seu rosto e Jacob começou beijá-las uma a uma com ternura.

Escutamos um pigarro e Jacob parou os carinhos que fazia, observando a mãe na porta da sala.

- Não deveria entrar sem ser anunciada. Sabes que é falta de educação, Excelência.  – Ele a repreendeu.

- Quero deixar claro que não concordo com esse casamento. Será um escândalo para a família. – Ela continuou com a pose altiva, observando o casal praticamente abraçado e as demonstrações de afeto dele.

- Não solicitei sua opinião quanto a isso e não vejo no que ela pode me afetar. Se nos der licença, estou conversando com minha noiva. – A duquesa saiu da sala batendo os pés e Jacob abraçou Nessie mais forte, aconchegando a cabeça dela  em seu peito. – O que importa é que eu te amo. Não abaixe a cabeça para mima mãe. Com ela é preciso tratar com altivez e arrogância. Se der a menor oportunidade ela passará por cima de você. Pode ser corajosa por mim? Só terá que aturá-la um pouco. Depois do casamento eu a despacho para Londres.


- Como sua mãe pode ser tão fria com você? Ela é sua mãe! – Nessie disse ressentida.

- Se eu não tivesse um gênio como o dela, duvidaria disso, minha graciosa. Já estou acostumado com minha mãe e sei lidar com os rompantes dela. Agora você terá que aprender e quanto antes melhor. Agora é a dona da casa e precisa se impor. – Ele disse com carinho, enquanto fazia caricias em seu rosto.

- Eu tentarei, amor! Eu tentarei, mas confesso que estou com medo. – Ela admitiu. – Tenho mais medo dela do que da minha tia.

- Não tem nada a temer. Amanhã a essa hora estaremos casados. Serás minha para sempre, amor. – E a beijou com ternura, aproveitando cada toque de seus lábios. Intensificou o beijo, serpenteando suas línguas de forma suave. Nessie depois de um tempo o interrompeu.

- Preciso dizer uma coisa, antes que saiba pelos empregados. – Nessie disse constrangida. Com a duquesa na casa a coisa só iria complicar e precisava do apoio de Jacob. Ela estava com mau pressentimento em relação à mulher.

- O que tem de tão importante para me dizer, amor. – Ele pegou sua mão e beijou seus dedos delicados, enquanto a ficava nos olhos.

- Eu acho que carrego um filho em meu ventre. Estou atrasada e minha aia tem a certeza que estou grávida, Jacob. – Ele se ajoelhou diante dela e começou a distribuir beijos pelo ventre. Estava muito feliz com a notícia e queria gritar sua felicidade ao mundo. – Precisamos ser discretos amor. Quero evitar mais mexericos sobre isso. Nosso casamento já será motivo de um escândalo, um filho só piorará a situação.

- Eu amo muito você e já amo esse filho. Quero muito fazer os dois felizes, minha preciosa. – Ele a pegou no colo e começou a girar pela sala.

- Jacob pare com isso, amor! Estou ficando tonta. – Ela disse sorrindo.

- Vou parar, mas tenho uma ideia melhor. Vamos para o nosso quarto antecipar a nossa lua de mel. – Jacob disse com enorme sorriso sem vergonha no rosto. Nessie sabia bem o que ele queria e ela, bem lá no fundo também queria muito, mas precisavam esperar. Não faria nada com a duquesa na casa.

- Não é prudente com sua mãe na casa, amor. Ela já não gosta de mim.  – Ela respondeu para ele. Não queria dar motivos para a duquesa falar de sua postura. A situação já era bem difícil sem dar motivos para reclamar.

- Eu não ligo a mínima para minha mãe, se é que não percebeu. – Ele respondeu, distribuindo beijos pelo pescoço dela, que dava risadinhas.

- Mas eu ligo. – Nessie o beijou, enquanto ele a segurava nos braços como se fosse uma criança. Estava feliz por finalmente ter o seu duque junto a si. Queria que aquele momento parasse, para que pudesse contemplar aquele enorme sorriso.

[...]

No gabinete da casa a mulher andava furiosa de um lado para o outro. Não podia permitir que aquela catástrofe acontecesse. A honra da família ficaria manchada para sempre por causa do nome Wood. Sentou-se na cadeira, pegou o tinteiro, uma pena e a molhou. Depois pegou uma folha de papel e começou a escrever. Tinha que retardar o casamento ou na pior das hipóteses fazer algo para eliminar sua nora. Não permitiria que o filho a levasse a Londres como sua duquesa. Antes disso pretendia acabar com a vida daquela desavergonhada.

Prezado Lord Colchester,

Ela começou a redigir uma missiva, onde deixava claro a sua indignação e lhe pedia ajuda para tirar a jovem do caminho. Mesmo que o filho chegasse a se casar, aquela situação não duraria muito tempo. Preferia vê-lo viúvo a passar por aquele constrangimento.

Depois que terminou a carta, pediu ao mordomo que a despachasse o mais rápido possível para Londres, e pediu para que a deixasse a sós. Precisava de uma estratégia naquele momento, algo que retardasse o casamento. Tinha que pensar... Precisava de um bom plano.

A duquesa bateu com seu leque na mesa, consumida pela fúria e depois de tempo sabia o que fazer. Precisaria de ajuda dos empregados, mas o filho não se casaria com aquela jovem. Ela tinha a certeza disso. Gargalhou com satisfação por sua Inteligência e partiu para por seu plano em pratica. Se conseguisse retardar o casamento, Colchester levaria a pupila embora e estaria livre o inconveniente.


Medo de Amar14
Medo de Amar16

 Amorecos do meu core, não fiz o lesco lesco deles nesse cap porque to sem inspiração. Passei dois dias de cama muito mal e a única coisa que fiz foi ler. Fiquei um pouco surtada com o livro e não conseguia tirá-lo da cabeça. Quase nem fiz esse cap hoje. Espero que esteja bom.
Os próximos caps serão decisivos. A duquesa mãe vai armar para Nessie e a coisa vai esquentar. Acho... Acho... Que se conseguir fazer tudo em um cap, será o final. Mas acredito que ainda demore uns dois (ou três) caps para acabar

Espero que estejam gostando!

Continuem divulgando Para sempre! Preciso muito de vocês? Quem quiser comprar o livro comigo me mande uma mensagem. Eu já tenho 7 pedidos. Estou so esperando para ver o preço que a editora vai colocar. Provavelmente eu venderei a 30 reais já com o frete.

Obrigada pelos comentários maravilhosos!!

Uma perguntinha... como querem que Edward termine? HUM? Preso, morto, ou louco? Vc decide! Eu tenho uma ideia deliciosa, mas depende de vcs.

Bjs no core

5 comentários:

Deia disse...

Adorei, a gente vai ter a chance de dar nossa opinião de como o Edward terminara, quero que ele fique bem louco, não acho que depois de tudo que ele fez ser preso seria um bom final, ele merece mais.
To com medo pela Nessie, o que será que a mae, se é que se pode chama-la assim, de Jacob ira fazer, não quero nem pensar o que acontecera se Edward colocara as mão nela.
Fiquei tão feliz com a notivia de que eles terao um filho, e o Jacob ficou muito feliz a noticia o agradou muito, agora sim ele tera mais motivou ainda para se vingar se algo acontecer com Nessie.
Adorando a fic, pena que vai acabar.
Tomara que logo tenha outra chegando.
Torcendo por vc, tomara que de tudo certo com relação ao livro.
Bjos

hilsiane disse...

Omg amei o cap, principalmente pela gravidez da nessie ,tomara que seja mais de um bb,se for menino se pareça com pai lindo como meu jake.agora eu fiquei preocupada com o que a naja da mãe do jake vai fazer contra a nessie eo bebe pq se o edward consegui coloca as mãos na nessie ele vai acaba com ela e com bb depois de muita dor e sofrimento ,ele n pode chega perto da nessie principalmente agora com ela gravida essa mãe do jake é uma cobra tomara que ela n consiga fazer mal a nessie.o final do edward tem que ser o pior possível, louco ou preso se for preso tem que ser numa cadeia com outros preso fazedor ele de mulherzinha, já a mãe do jake devia amolecer com o netinho que vai chega ,tomara que ninguém atrapalhe o casamento dos dois que de td certo eles merece depois de td que passaram principalmente a nessie que já sofreu muito desde que o pai morreu ela merece ser muito feliz ao lado do amor da vida dela e do bebezinho dela.n gostei do jake ter faltado ao aniversario dela afinal era o primeiro aniversario dela que eles passariam juntos ,mais o presente mais importante ele já deu a ela o bb.nem acredito que finalmente to conseguindo comenta desde ontem eu tentava pelo celular mais n dava quase uma hora tentado e n consegui só to conseguido do pc mais vc merece pq a fic e mara como tds que vc escreve do nosso lindo casal que pena que tá acabado ja to com saudade dessa fic mara mais que venha outras tão incrível como essa.glaucia saúde p/vc que vc fique boa logo e sucesso com o livro.bj;anne

luciene disse...

Uau mal cheguei no blog e ja to amando essa fic é perfeita e espero que vc poste logo o proximo capitulo fiquei hiper ansiosa por ela.
bjks

Daniela ♥ disse...

Glau quero-lhe pedir perdão pelo atraso, mas os meus comentários podem vir tarde, mas nunca falham e de um momento para o outro elee estão aqui =)

Ai o Edward está louco.....ai o Jake está mesmo empenhado em vingar-se dele.......quero só ver onde isso vai levar....eu quero o Edward bem na lama....a morte nao é a solução certa...ele tem que sofrer o triplo ou mais do que fez á nessie......ele tem que ficar destruido, louco, doente...tudo e mais alguma coisa...nem que fique de cama ou cadeira de rodas ele tem que sofrer (OMG a minha mente está diabólica, nem queira saber o que estou a pensar, mas pronto).

E essa mae do Jacob...OMG ela é uma autentica bruxa...a mulher não tem amor proprio e quer ver os outros infelizes....minha nossa o Jake tem que fazer alguma coisa com essa mulher....ela vai arruinar o casamento dele e porque?? Com uma mae dessas quem precisa de inimigos???

Ohh que lindo...adorei a reação do Jake quando soube que a nessie estava grávida =D

Glau como sempre ficou perfeito =D

Mais uma vez quero-lhe pedir desculpa...espero que me perdoee este atraso...mas cá está !!!

Beijos garndes linda,
Daniela Cristóvão

Bruna disse...

Tadinha da Nessie...Essa mãe do jake é louca

Postar um comentário