sábado, 19 de maio de 2012

Medo de Amar13

Medo de Amar 13

Jacob acordou com os primeiros raios de sol adentrando pelas pequenas frestas contidas nas janelas do aposento. A claridade alaranjada indicava que um novo dia começava e precisava continuar com seus planos. A noite que passou com Nessie, que ainda permanecia aninhada em seus braços, fora a melhor da sua vida. Ele nunca se esqueceria dos toques, dos beijos, gemidos, mas sobre tudo do medo que viu em seus olhos. Estava, mais do que nunca, determinado a fazer Colchester pagar pelo que havia feito. A humilhação não seria suficiente para ele. Jacob se inquietava com isso. Já havia traçado alguns planos, mas ainda estavam muito vagos. Precisava colocar em ação.. Agora, ainda mais do que antes, era necessário fazer o homem que desonrara brutalmente aquela jovem pagar pelo seu feito.



Nessie se mexeu um pouco e ele passou os dedos, suavemente, em suas costas. Queria tanto poder provar um pouco mais daquela pele macia, cheirosa e com ar “virginal”. Ela parecia, de muitas formas, mesmo que não fosse, uma virgem. E ele tinha todo o cuidado para não assustá-la. Sabia que um passo em falso colocaria a perder toda a confiança que havia conseguido até aquele momento. O fato de ela estar em seus braços não significava que não tinha mais medo. Apenas que aprendeu a confiar nele.

Jacob percebeu quando a jovem dama despertara e com seus delicados dedos começou a traçar um caminho pelo seu abdômen, subindo lentamente até chegar ao peitoral. Eu sorri com aquela travessura. Certamente, ele imaginou que ela achasse que dormia. Se não fosse o caso, nunca teria a coragem de tal ousadia. Ele sorriu malicioso, e de súbito, pegando-a desprevenida, abraçou-a forte. – Como dormiu essa noite, milady? – Jacob perguntou, praticamente sussurrando em seu ouvido.

- Dormi muito bem, Vossa Graça. Mas creio que já saiba disso. Mesmo assim foi bondade em se preocupar com minha pessoa. – Nessie se aconchegou ainda mais em seus braços e ele gostou da intimidade. Não queria soltá-la jamais. Se pudesse pararia o tempo naquele momento. Os dois desfrutaram de paz e do conforto um do outro. Há muito Jacob não se sentia daquela forma, se é que algum dia se sentiu tão bem. Já tivera muitas amantes, mas nunca acordou assim tão disposto ao lado de nenhuma delas. Normalmente queria ir para casa logo e, na maioria das vezes, saia à surdina de madrugada e se quer dizia adeus. Ele era assim. Não se importava com nada e com ninguém... Não até aquele momento.

- O prazer em fazê-la feliz é todo, milady.  Também creio que já saiba disso. – Deu um sorriso brejeiro e beijou o topo de sua cabeça, sentindo o contato com os cabelos macios e cheirosos. Por um momento ficou daquele jeito. Apenas aproveitando o momento. Nada era mais perfeito que aquilo. Nessie se mexeu um pouco e a fricção entre os seus corpos despertaram os seus “sentidos”. Ele, que toda a noite se controlara para não avançar mais do que o necessário, para não assustá-la, agora sentia as necessidades do seu corpo. Precisava se controlar... Necessitava de um banho frio e uma boa cavalgada pela propriedade. Sim! Faria isso.

Quando Jacob fez menção em se afastar, Nessie o abraçou forte e protestou. – Humm... Ainda é tão cedo. – Ela resmungou.

- Para o nosso bem, minha preciosa, é melhor eu ir. Nada me daria mais prazer em ficar o resto dos meus dias nessa cama, com vossa senhoria. Mas creio que isso é perigoso para ambos. E também, sua criada deverá ter contigo em pouco tempo. Não quer que ela me encontre em vossa cama, ou quer? – Ele questionou e a viu menear a cabeça em sinal de negativo.

Nessie saiu de cima de seu corpo e deitou encolhida na cama. Jacob sentou-se e viu a expressão de tristeza que ela fez ao romperem o contato. Ele sabia que ela também queria mais. Contudo ainda sentia medo e insegurança. Ele, por sua vez, estava mais do que disposto a ajudá-la a superar toda a sua tragédia e fazer de cada momento inesquecível para os dois. Verdadeiramente a amava. Amava mais do que era capaz de compreender e suportar. Sua ausência lhe causava um sério transtorno. Ele já não sabia quanto tempo conseguiria suportar aquela situação. Não via a hora de torná-la sua duquesa e colocá-la no local de direito, ao seu lado.

- Nos veremos no café da manhã, meu amor. – Ele inclinou-se e beijou a ponta do nariz de Nessie e ela deu uma risadinha. Aquilo foi o suficiente para desmoronar todas as suas fortalezas e a vontade de partir. Voltou para a cama, deitou-se novamente ao seu lado, puxou o corpo dela para seus braços e ficaram assim. Apenas curtindo o amanhecer, abraçados. O que poderia ser mais perfeito do que aquilo?


Tempo depois, Nessie já havia voltado a dormir, Jacob encontrou forças para se levantar e partir.  Destrancou a porta principal do quarto, para não causar mexericos entre os empregados, e saiu pela porta de ligação. Asseou-se rapidamente, antes que algum empregado resolvesse aparecer para lhe servir, e saiu. Queria nadar um pouco no rio e cavalgar em seu garanhão negro. A friagem da manhã lhe ajudaria a esfriar os ânimos. Ele precisava muito daquilo. A vontade de fazer amor com Nessie estava deixando-o louco. Só os toques já não eram mais suficientes. Até que ela perdesse o medo, teria que se contentar com eles.

[...]

Nessie acordou muito tarde. Estava se sentindo cansada e sonolenta. Queria ficar mais tempo na cama com seu amor. Mas em determinado momento percebeu que Jacob havia partido. Ela sabia que ele só queria evitar comentários entre a criadagem, porém sua partida deixou um vazio imenso. Queria continuar mais tempo ao seu lado e aprender, ainda mais, as coisas que ele tinha a lhe ensinar. Jacob era um professor atencioso, generoso e muito paciente. Ela tinha a certeza de que ele sofria com a espera de sua decisão, mas que em nenhum momento reclamou sobre o fato. Aquilo só a deixava com mais certeza, apesar das lembranças do fatídico dia ainda lhe causarem medo.

Depois de muito tempo na cama, a aia já havia entrado e saído uma quatro vezes do quarto para ajudá-la, finalmente resolveu se levantar e começar o dia, apesar de seu corpo ainda se sentir torpe por causa da noite anterior. Lembranças daqueles momentos a deixavam com as bochechas ardendo de vergonha. Ainda bem que não havia ninguém para presenciar. Ela sabia que estava vermelha. Nem precisava se olhar no espelho.

Nessie se asseou e depois balançou a sineta para chamar a criada, que logo chegou e a ajudou a se preparar. Ela estava ansiosa por demais para estar novamente na presença de Jacob. Sentia tanto a sua falta que chegava a doer. Quando saiu dos aposentos, teve que se controlar para não correr. Ao chegar à sala de jantar, a mesma que usaram nas refeições do dia anterior, Jacob estava sentando em uma poltrona lendo o jornal. Ele tinha um sorriso magnífico no rosto, que chegou a deixar sem ar. Como ela o amava. Tinha plena certeza disso.

- Vossa Graça! – Nessie fez uma mesura, inclinando um pouco a cabeça e o corpo e ele sorriu.

- Pensei que já havíamos superado esse formalismo, Lady Renesmee. – Jacob disse e ela soube que estava apenas tratando-a daquela forma por causa do mordomo, que estava de pé na sala, impassível, aguardando uma ordem.

- Sei que Vossa Graça se incomoda, mas tenho que lhe prestar o respeito que o seu título lhe confere. – Nessie caminhou até ele, que se levantou imediatamente, colocando o jornal na poltrona. Ela estendeu a mão, que ele segurou de imediato com delicadeza e beijou com reverência. Os dois ficaram se olhando por um momento, apaixonados, encantados e tentando esconder o grau de intimidade que já tinham do mordomo. Impossível, eles sabiam.

- Em breve será minha duquesa, não há necessidade de me chamar de Vossa Graça. Se preferir, apenas quando estivermos em público, pode me chamar de Telford. – Ele replicou.

- Como quiser Lorde Telford. – Ela respondeu com um sorriso travesso.

- Aceita me acompanhar em um passeio ou tens outros planos para o dia, milady?- Ele perguntou.

- Adoraria milord!­ – Ela aceitou o braço, que ele havia oferecido.

- Não antes de vê-la alimentada, minha preciosa. – Ele a conduziu a até a mesa, que estava repleta de todas as qualidades de pães, bolos, frutas e deliciosas doces, feitos pela cozinheira da mansão.

- Se eu comer metade, apenas, de todas essas delícias meus vestidos novos não caberão mais em mim,Telford. – Ela respondeu enquanto ele puxava a cadeira, para que se sentasse.

- Apenas um pouco, querida! Quero vê-la bem disposta para o nosso passeio de hoje. Temos muitas coisas a compartilhar enquanto passeamos. – E deu um sorriso sugestivo, que Nessie entendeu perfeitamente. Ela aprenderia mais sobre os prazeres da carne com ele.

Nessie começou o mais de vagar possível, visto que estava louca para sair daqui com o duque e ficarem a sós. Queria apreciar mais de seus beijos e toques, mas na presença dos empregados era impossível. Ela sabia que precisava ser paciente e esperar por privacidade. Ele lhe observava com um olhar que fazia estremecer até sua alma, despindo-a completamente, enquanto fazia o desjejum. Em determinados momentos, ela chegou a ficar sem graça, ao perceber que o mordomo, assim como a governanta que a servia, percebeu também a luxúria do duque.

Terminado o desjejum, os dois saíram de braços dados e Jacob a guiou até os estábulos, para pegarem os cavalos. – Quero lhe mostrar a propriedade e o vilarejo. – Ele disse enquanto o cavalariço arrumava a sela em sua égua.

- Mas não é perigoso? – Ela perguntou.

- Estará a salvo comigo, minha preciosa. Não precisa temer nada. Nenhum dos moradores falarão algo sobre a Lady que está hospedada em minha propriedade. Garanto isso.

- É sempre tão confiante milord? – Ela perguntou.

- Normalmente sou mais, milady. – Respondeu com um pouco mais de arrogância, ela percebeu.

- E do que tens medo, afinal de contas? – Ela queria saber quais eram as fraquezas. Ele era um homem altivo, cheio de arrogância, quando queria; e ela já havia presenciado isso mais de uma vez. Todos pareciam temer o lendário duque sombrio. Mas, assim como qualquer ser humano, Jacob tinha alguma fraqueza.

- Minha fraqueza está mais próxima do que podes imaginar, preciosa...

Jacob a ajudou a montar na égua e depois montou o seu garanhão. Nessie ficou observando os seus gestos e movimentos. O homem era realmente impecável em tudo o que fazia. Seu corpo em si, já exalava superioridade. Era difícil não temer um homem como ele. Mas ainda estava curiosa sobre suas fraquezas.

Os dois cavalgaram por um bom tempo pela propriedade, ele lhe mostrou as plantações, o cemitério, a pequena paróquia e o vilarejo. Ela ficou encantada ao saber das melhorias que ele fez no lugar. Era realmente um bom homem, apesar de querer aparentar o contrário.

Voltaram para a propriedade e Jacob a levou para conhecer a cabana de caça. Ela ficou encantada com o local. Apesar de ter cavalgado muitas vezes, não se distanciava muito da e a cabana ficava embrenhada na mata, e poucas pessoas conheciam o caminho mais fácil, segundo ele. Era um ambiente bem simples, mas aconchegante o suficiente para relaxar um pouco, após uma longa caçada ou até mesmo dormir.  Ela percebeu que o local estava arrumado e ele lhe explicou que dera ordens no dia anterior aos criados. Por isso tudo estava limpo e até lençóis eram novos.

- Quer se banhar um pouco?- Ele inquiriu. – O córrego passa perto daqui e se estiver sentindo calor pode se banhar enquanto eu acendo a lareira.

- Gostaria muito, mas podemos fazer como ontem. Não deseja se banhar comigo? – Nessie perguntou, ainda que indecisa se deveria tê-lo feito. Lembranças da tarde anterior, quando os dois nadaram juntos e tiveram o primeiro momento real de intimidade a invadiram. Ela queria mais daquilo. Queria mais dele, para fazer a verdade.

- Adoraria! – Mas me deixa acender o fogo antes de irmos. Assim estará mais aconchegante quando voltarmos. – Jacob respondeu e ela assentiu.

Nessie ainda ficou o observando sua habilidade por algum tempo. O homem tinha muitas qualidades e ela nunca imaginou que um duque saberia acender uma lareira, mas ele o fez e sem muita dificuldade. Depois os dois foram para o córrego, alguns metros da cabana de caça e ela procurou uma moita para tirar o vestido. Ainda sentia-se envergonhada diante dele, mesmo depois da noite maravilhosa que tiveram, e da intimidade ocorrida entre seus corpos. Sentia-se corando pela vergonha. Assim que terminou, juntou-se ao duque, que já nadava alegremente.

A água estava por demais fria e ela sentiu todo o corpo se arrepiar com o contato. Mas ele, de imediato, veio até si e abraçou. Isso foi o suficiente para acender uma fogueira dentro dela. A forma como ele a tocava e a beijava só dava mais certeza que estava fazendo a coisa certa. Cada beijo era ainda mais especial do que o anterior, e os toques muito cuidadosos, como se ele tivesse medo de assustá-la. Ela sabia que ele apenas estava tentando deixá-la à vontade, mas se admirava ainda mais da sua generosidade.

Nessie deixou ser conduzida por ele até um patamar de emoções, que fizeram seu corpo inteiro vibrar de prazer. Ele tocava a sua sexualidade de forma gentil e ao mesmo tempo indecorosa. Ela tinha vergonha e ao mesmo tempo necessitava de mais. Era um grande paradoxo entre o querer e o não poder. No fim de tudo, as suas necessidades venceram. Nessie estava totalmente rendida e precisava de Jacob. Queria que ele apagasse toda a dor que já havia sentido. Só em seus braços se recuperaria daquele trauma.

- Quero ser sua... – Ela sussurrou em seu ouvido, após sentir, novamente, o seu corpo se abalado pelo clímax que a atingia. Ele continuava a tocá-la e estimulá-la. Nessie já não tinha mais forças para lutar contra aquilo. Amava-o, queria como nunca imaginou ser possível desejar alguém. – Leve-me para a cabana, por favor... – Ela implorou e não foi necessário outro pedido. Jacob também estava mais necessitado, talvez ainda mais do que ela. Até aquele momento, ele a satisfez e não teve nada em troca. Seu corpo deveria estar em brasa e ela compreendia que não daria para protelar mais aquela situação. Já estava arruinada mesmo. Que mal faria aproveitar com o duque.

Os dois saíram da água e ele ajudou a recolher e vestir as roupas. Depois, quando chegaram à cabana de caça, perderam-se nos braços um do outro e nos lençóis limpos colocados aquela manhã, deixaram seus corpos totalmente entregues um ao outro. Não era possível definir onde começava um e terminava outro. Apesar da ânsia e do desespero, Nessie percebia que ele buscava sempre lhe estimular o prazer e deixá-la à vontade com a situação. Ela já nem sabia mais o que temia. Só havia Jacob e seus braços lhe conduzindo ao ápice maravilhoso de orgasmos que faziam o seu corpo se convulsionar sobre a cama, pelos espasmos que a sacudiam. Ela chorava e ria, a cada sensação causada. Mas até ali, ele não havia concretizado a união que ambos tanto queriam... Nessie necessitava daquilo.

- Eu preciso... – Ela gemeu no ouvido dele.

- Do que precisa preciosa? – Ele sussurrou e lambeu o lóbulo de forma sensual. Ela estremeceu com aquele toque. Queria gritar para o mundo o quanto amava e desejava aquele homem.

- De você, Jacob... Necessito ser sua por inteira, apesar das minhas circunstâncias e de tudo que nos separa. Hoje tenho a certeza que só sobrevivi até hoje para viver esse momento com você. Estou preparada, meu amor. Faça-me sua agora.

- Você será minha hoje e sempre. Eu te amo e te farei minha mulher. Nada do que antecedeu antes desse momento me importa. Suas circunstâncias não significam nada para mim. Elas só me fazem desejá-la mais, por essa mulher corajosa que fostes. Amo-te! Amo-te demais, minha preciosa. – Jacob separou as pernas de Nessie com delicadeza e se encaixou entre elas. – Quero que me olhe. Quero ver o que está sentindo em seus olhos. – Nessie assentiu e esperou. Apenas esperou. Mas as lembranças ruins não vieram. Ali, entre as quatro paredes da cabana, só havia eles. As lembranças de Edward se perderam e agora só lhe restava o amor e desejo por Jacob.

No início ela ainda sentiu uma leve pontada de dor, mas aos poucos foi substituída pelo prazer que Jacob lhe proporcionava, ainda lhe estimulando a sexualidade durante o ato. Quando se deu conta, Jacob já estava unido a ela. Pode sentir todo o esplendor daquele momento. Eles eram um único ser naquele momento, tinha certeza disso.

- Estou o sentindo unido a mim... Somos somente um agora, meu amor... – Ela sussurrou, com as lágrimas de felicidades escorrendo em seu rosto. Jacob beijou uma a uma com suavidade. E depois de um tempo parado, esperando os corpos se adaptarem, ela sentiu o vai vem alucinado que produzia anda mais prazer ao seu corpo. Ele a conduzia a patamares ainda maiores de prazer enquanto a possuía e ela se permitiu liberar totalmente o corpo, acompanhando aquele vai e vem gostoso, que fazia os dois gemerem, suarem e se satisfazerem mutuamente. Foi o momento mais glorioso de sua vida e Nessie não queria que acabasse.

Quando ela achou que não era mais possível ser mais excitante e prazeroso do que aquilo, seu corpo explodiu em uma onda de prazer, que fez tudo brilhar em sua frente e o corpo inteiro sacudir com o ápice causado pelo auge do clímax do sexo que fizeram. Jacob atingiu o seu prazer logo em seguida e seu corpo caiu cansado sobre o dela. Os dois ficaram abraçados, ainda abalados pela onda espasmódicas que os sacudia; até que os corpos começassem a se acalmar pouco a pouco.

Jacob ainda a beijou com delicadeza, e fez carícias delicadas eu seu rosto. Depois saiu de si, deixando uma sensação de vazia. Ele a puxou para os seus braços e a abraçou.

Assim eles ficaram longamente aquele dia. Fizeram amor outras vezes e aproveitaram o momento de felicidade que a paixão lhes conduzia. Beijos, carícias, declarações e um amor tão grande que os deixavam totalmente livres de quaisquer preocupações com o futuro ou remorso pelos acontecimentos passados. Não havia espaço para mais nada. Apenas para curtirem o momento.

[...]

Jacob passou uma semana inteira com Nessie. Recebeu a notícia, pelo seu valete, que a sessão no conselho dos Lordes fora adiada. Assim pode aproveitar um pouco mais com o amor de sua vida. Recebeu alguns relatórios do detetive e tinha munição o suficiente contra Lorde Colchester. Apesar de querer passar um tempo mais com Nessie, sabia que ela ficaria decepcionada, mas tinha muito a fazer.

Ele partiu de Excer deixando a modelista que o ajudara na fuga, reproduzindo a cópia do vestido, com a missão de preparar o enxoval digno de uma duquesa. A dama chegou um dia antes de sua partida, acompanhada de suas assistentes, e ele orientou como queria as peças. Precisava que sua esposa estivesse radiante, adornada de luxo e esplendor quando fosse, finalmente, apresentada a sociedade londrina. Nessie fez bico e implorou para que não partisse, mas tinha que ir e o trabalho com as jovens, a manteria ocupada o suficiente no tempo em que estivesse fora.

Assim que chegou a Londres, Jacob não perdeu tempo e marcou um encontro com Lorde Leicester, que segundo relatório do detetive, foi companheiro de quarto de Edward Wood, antes dele se tornar Lorde Colchester. Aquele homem tinha muito a dizer sobre seu inimigo, e com toda a sorte que teve em sua empreitada fazia parte da Sociedade dos Libertinos de Fogo de Londres. Mais perfeito do que isso não poderia ser. Jacob tinha o plano perfeito para a desmoralização pública Colchester e, além disso, fá-lo-ia sofrer toda a dor que causou a sua preciosa Lady.

Passou em Telford House apenas para verificar alguns documentos com o seu administrador e esperar resposta a sua missiva. Queria encontrar aquele homem ainda aquele dia. Tinha pressa em concretizar os seus planos. O tempo estava passando e queria a ruína de Colchester antes que apresentasse Nessie como à duquesa de Telford para a sociedade Londrina.

Enquanto examinava seus documentos, seu mordomo anunciou a visita de Lorde Leicester. Era bem melhor do que poderia imaginar. Em sua casa, sem olhares curiosos, poderia conversar com ele e pô-lo a parte do que tinha me mente. Seu plano era perfeito.

- Vossa Excelência! - Lorde Leicester fez uma mesura ao entrar no escritório dele. Jacob fez sinal para que se acomodasse e deu ordens ao mordomo.

- Não quero ser incomodado por ninguém. Seja lá o que for não estou disponível até terminar com Leicester.

- Perfeitamente, Excelência. – O homem saiu, deixando-os a sós.

- Eu não entendi muito bem o motivo dessa reunião Telford. Mas achei que gostaria de conversar em particular. Isso não seria possível no White’s ou em minha casa. Sabe bem como meus pais são. - Lorde Leicester.

- Perfeitamente! E para não tomar o seu tempo. Irei direto ao ponto. – Jacob disse. – Conhece Edward Woods? Sim, é claro que conhece! Foram amigos em Oxford e dividiram os aposentos no tempo em que estiveram lá. – O homem assentiu. – Pois bem, Colchester me irritou muito. E você sabe que não se atravessa o meu caminho, a menos que e esteja bem seguro.

- E no que posso lhe ajudar Excelência. – O homem perguntou com ar malicioso. Jacob sabia que ele era a escócia da sociedade. Um homem depravado, com péssima reputação, ainda pior que a sua, trapaceiro e que era capaz de tudo por dinheiro. Seu pai, o conde de Wigston, era um homem sovina e muito conservador.Apesar de velho recusava-se a morrer, conforme diziam as más línguas, e deixar o título e a fortuna para o filho visconde. Assim Leicester vivia do que ganhava nos jogos e trapaças. Um bom dinheiro o faria vender até a mãe.

- Um passarinho me contou que Colchester tinha tendências sexuais diversas. Ele gostava se certos jogos eróticos naquela época. – Jacob continuou fitando o homem com divertimento. Ele estava com uma das sobrancelhas arqueada e uma expressão altiva, como se o título de visconde lhe conferisse isso. – Também sei que Colchester não faz parte da Sociedade dos Libertinos de Fogo de Londres. Eu estive nela por algum tempo e não tenho conhecimento da sua iniciação. É ai que você entrar, meu caro.

- E o que devo fazer? – Leicester inquiriu.

- Você o convidará para a sociedade e dirá a ele que tem que passar por uma iniciação. Se ele recusar, será considerado um covarde e perderá a chance de espreitar relações com os mais ricos e libertinos dos nobres. – Jacob continuou.

- Na verdade ele tentou entrar quando recebeu o título, mas como o dinheiro que tem não é muito para participar das orgias, não foi aceito.

- Você falará com o presidente da sociedade e o convencerá a aceitar Colchester. Depois preparará, pessoalmente, sua iniciação.

- E o que tem em mente, Telford? Não se daria ao trabalho se não fosse algo muito perverso. E o que “eu” ganho com isso? Não entrarei nessa trama se não valer à pena. – Disse-lhe o homem.

- Qual o seu preço, meu caro? Faça um preço e eu pago! – Jacob disse, arqueando a sobrancelha e olhando para o outro com a arrogância que o título lhe conferia.

- Dez mil libras! Nada menos do que isso. – Respondeu o homem.

- Terá cinco mil libras agora e as outras cinco depois da iniciação de Colchester. Quer ouvir o que tenho em mente para ele? É algo bem... bem... “especial”. – Gargalhou.

- Adoraria saber o que o duque sombrio está planejando contra Colchester. Na verdade estou muito curioso. – Respondeu com um sorriso malvado.

Jacob começou a falar e por alguns minutos contou-lhe os pormenores do seu plano. O homem olhava com uma expressão que era um misto de confusão e preocupação. Quando terminou de relatar, soltou um suspiro e disse: - Tem certeza que quer isso? Será a destruição do homem. Não se sentirá culpado se ele por ventura tirar a própria vida depois? – Questionou.

- Eu não deixarei que morra... Não até acabar com esse desgraçado. Ele me ofendeu e sua ofensa não tem perdão. Depois que destruí-lo, pode morrer da forma que quiser. Não antes disso. E você cuidará para que ele saia sem se ferir. Entendidos? Se me trair... Será o próximo da minha lista negra. Ou está comigo, ou está contra mim. E eu garanto que não vais me querer como inimigo.

- De certo que prefiro tê-lo como amigo. Se não isso, ao menos como meu aliado. Não sou burro, Telford. Mas o que me pede será um escândalo e Colchester nunca mais terá o respeito de ninguém todos falarão dele. A família dele será arruinada. Nem o escândalo pela fuga da prima se compara a isso.

- Esse é justamente o meu desejo. Será meu aliado Leicester? Posso contar com você?

- Pode! Mas isso também lhe custará, além das dez mil libras, uma propriedade para eu morar aqui em Londres. Não suporto mais viver com meus pais. Está na hora de ter meu próprio canto.

- Quero que tudo seja bem perverso. Quero que ele sofra muito... O máximo que puder. Se quiser pode comprar alguns brinquedinhos sexuais e contratar pessoas para fazerem o “trabalho na hora”. O importante é: Colchester não pode desconfiar de nada até o momento da iniciação. Ele entrará no quarto e terá uma beldade esperando por ele. E o parceiro... Quero grande, bruto e perverso. Não me importo em que beco fétido de Londres vai achar alguém com essas características. Mas eu quero que ele sofra. Isso tem que ficar claro. Estarei assistindo tudo na sala secreta. Sei que na casa de Lorde Lambey tem uma sala secreta onde as pessoas conseguem ficar atrás do espelho e presenciar tudo o que se passa. E quero a grã finale... A humilhação.


- Terá tudo isso Telford. Começarei a trabalhar nessa empreitada hoje e no máximo em uma semana você terá sua vingança.

- Então temos um acordo?

- Temos um acordo!

- Se me trair, será o próximo. – Jacob ameaçou.

- Não me ameace Vossa Excelência! – Respondeu de forma decidida, apesar de saber que não tinha forças para lutar contra o duque, caso desejasse acabar com ele.

- Eu faço o que quero! Se você pensar em me trair, espere por um futuro tenebroso.

- Não sou louco!

- Para o seu bem, não seja!

O homem saiu do escritório e Jacob ficou imaginando a cena. Colchester sofreria muito e o seu calvário estava somente começando. Ele cometeu um grande erro em machucar sua graciosa Lady e agora pagaria na mesma moeda que tomou dela. Edward Woods, Marquês de Colchester estava com seus dias contados. Ele nem imaginava os planos perversos de Jacob.  E Jacob nunca teve tanta vontade de acabar com alguém, nem com o próprio pai pelo que fez com Caroline. Mas Colchester violou não só uma vez, mas também aterrorizou durante cinco anos a vida da mulher que amava. Além disso, se as investigações estivessem corretas, estava roubando o patrimônio de Lady Renesmee. Ele não descansaria enquanto não tivesse sua vingança.


Medo de Amar12
Medo de Amar14


Oi, amores de mi core! Que saudade de vcs! Sentiram falta de mim? Digam que sim! Sim! Sim!
Bem as últimas semanas foram tumultuadas. Fiquei muito envolvida com o projeto do livro e ainda tenho muito trabalho a fazer. Por isso não consegui pensar em escrever nada.
Sei que estou em débito e prometi algo muito HOT. Mas sabe o que descobri? As autoras quando ficam muito tempo sem escrever perdem a conexão com as personagens. Esse cap foi super difícil de escrever, mesmo lendo o anterior. Além disso estava totalmente sem clima para fazer “algo especial”. Perdoem a Glau aqui. Prometo que a próxima vez deles será inesquecível. Preiciso me conectar novamente com as personagens e tentar entrar no clima mais sensual.

Para quem espera o castigo de Edward Colchester se prepare. Minha vingança será... Deliciosa! Ai como sou malvada! Kkkkk acho que já será no próximo cap. Cruzem os dedinhos para nada me atrapalhar essa semana e eu conseguir encontrar tempo para a fanfic. OK?

Bem quero falar de Para sempre. Acho que não é novidade que virará livro. Então peço a ajuda na divulgação. Encaminhem para os amigos e familiares, amores. Sem isso não conseguirei ir bem e nada de nova publicação no próximo ano. Quero muito publicar Vidas opostas, baseada em Opposing souls. Help-me Please! As redes sociais são o termômetro. Add no skoob principalmente. Quando mais leitores lá melhor para a vendagem. OK






Obrigada pelo carinho e pela paciência. Desculpa pela demora e se o cap não ficou como esperavam!



Reservarei 20 livros, inicialmente, para esse blog. Já tenho 6 Pedidos. Quem tiver interesse me envia MP.

Bjs no core

8 comentários:

Virginia disse...

Very good!!! amo demais essa fic.. adorei Glau... vc é d++++++++

hilsiane disse...

Amei o cap ,a primeira vez deles foi linda apesar de n ser hot como eu queria mais tenho certeza que a prox vai ser de arrasa do jeito que vc sabe fazer e eu amo.acabei de ler esse cap e ja to louca p/o prox em que o meu jake vai se vigar daquele monstro do edward eu quero que ele sofra muito pelo que fez a nessie .eu amo muito essa fic e todas as tuas fic jake e nessie eu amo muito esse casal.glaucia boa sorte com o livro e tenho certeza que vai ser um sucesso se depende de mim .a historia é linda d+ ,vc é uma grande escritora .bj; anne

Patty disse...

vc realmente se supera a cada novo cap. parabéns

Káká disse...

Adoreiiiiiiii
Glau, quero entrar no blog do Pra Sempre, mas não consegui.. rsrs
vou tentar divulgar ao maximo seu livro, pois sei o quanto é bom... e na hora em que chegar em Fortaleza-Ce, eu vou comprar...
bem, agora vamos ao cap...
a primeira vez deles foi linda, apesar de ser mto hot... rsrs e eu entendo perfeitamente a demora...
estou louca para ver a vingança...
bjssss

Michelle Black's disse...

Bom já tens meu apoio incondicional em Pra Sempre...estamos juntas na divulgação!
E o capitulo foi maravilhoso, por incrível que parece não senti falta da cena hot, pois o amor deles é tão meigo que ficou perfeito para a primeira noite...poxa é a primeira vez dela, se já fosse quentíssima ela ia se assustar rsrsrs....Agora momento esperado é essa vingança...ai não vejo a hora dela chegar...olha o veneno escorrendo aqui kkkk! Bjus linda e parabéns sempre por tudo que faz aqui!

Deia disse...

Adorei o capitulo.
To super ancios para a vingança, que tomara que seja bem dolorosa, to no trabalho e acho que não vo pode ler o outro capitulo agora, vou roer todas as minhas unhas desse jeito, ai, ai, ai não vo aguenta.
A cena apesar de não ter sido muito hot, foi linda, realmente Jacob esta preocupado com Rnesmee e não quer de jeito nenhum que ela o compare a ele(e nem seria possivel). Sabe eu acho que a cena fico perfeita, por que o amor deles e tão forte é algo bonito de se ver que a cena assim ficou linda.
Conta comigo para a divulgação de Pra Sempre eu já to falando dele.
E agora vamos para a vingança... Bom pelo menos eu acho que consigo ler agora.
Bjos

Daniela ♥ disse...

Glau minha querida não tenho palavras para descrever o quanto maravilhoso ficou este capítulo!!
Simplesmente perfeito =D

O Jake foi simplesmente tao querido...romantico xD
E ao mesmo tempo tem aquele traço hot que vosse sabe fazer melhor que ninguem...

Desculpe o pequenino comentário, mas eu estou sem palavras e sem tempo, o capitulo superou todas as minhas espectativas.....voçe sabe escrever melhor que ninguem.....obrigada por nos proporcionar uma leitura tao boa...

Mais uma vez peço desculpas, mas estou mesmo sem tempo e eu não queria chegar ao fim de semana sem comentar os seus capitulos...

Beijos grandes linda!!!!

Daniela Cristóvão

Bruna disse...

Ual eu quero o jacob pra mim....

Postar um comentário