sábado, 22 de junho de 2013

O gigante acordou


O gigante acordou!

O gigante acordou! É isso que tenho ouvido nas últimas semanas, durante essa onda de protestos que estamos vivendo. O maior país da América do Sul, que viveu submetido à corrupção desde a sua “tomada” pelos portugueses, finalmente abriu os olhos e descobriu a força que tem. Aquela velha frase: “O povo unido jamais será vencido” finalmente foi posta e prática e milhares de pessoas estão saindo às ruas para expor a indignação diante de tanta roubalheira. Finalmente o povo descobriu o que pode fazer e se uniu em pró de justiça.

O que começou com protestos pelo aumento das tarifas das passagens, acabou se transformando em um estopim para uma bomba que já estava armada há anos. E agora? O que fazer? Vamos protestar? Acho que o povo tem todo o direito de expor a sua indignação e protestar contra os desmandos desses governantes corruptos, displicentes e omissos. A democracia permite ao povo o direito de protestar sim, mas existe um limite para tanto. Não somos representados por essa minoria de vândalos e ladrões, que estão destruindo o patrimônio público e desvirtuando o intuito do movimento. Essas pessoas são ladrões, assim como aqueles que desviam o dinheiro público destinado à educação, saúde, saneamento básico e segurança, e devem receber o tratamento adequado.

É a primeira vez que vejo o povo não se focar no futebol e na seleção brasileira, quando ocorre um evento de tal importância, principalmente sendo em nosso próprio país. Acreditei que a velha soberania e o orgulho por esse esporte seria capaz de aplacar a fúria dos brasileiros. Mas o fenômeno incrível que vejo é o povo contra justamente a isso. Os gastos absurdos para fazer uma copa do mundo, assim como os desvios de verbas, deixaram o brasileiro desgostoso com o evento e deixando claro que não são a favor desses gastos. Hoje o que temos não é mais o suficiente. Acabou! Não queremos mais “pão e do circo”. Queremos investimentos nas áreas que realmente são importantes.

A taxa tributária no país é alta demais e não temos retorno. O governo quer fazer bonito para os estrangeiros, quando o seu povo sofre doente e sem uma educação adequada. Os professores, médicos, policiais, bombeiros e a maioria dos profissionais que deveriam ter um salário digno, não recebem o valor devido. Ai eu te pergunto: Que país é esse? O país do apenas futebol? Esse é o país da roubalheira, da corrupção e da impunidade, mas principalmente de um povo que anseia e exige mudanças. Acho que se algo não for feito urgentemente, estaremos caminhando para uma guerra civil.

Já que “acordamos” e decidimos fazer algo, vamos então colocar em prática não somente com protestos. Precisamos de ações de cidadania, também. É importante respeitar as leis, o próximo, pagar os impostos em dia, não usar o velho jeitinho brasileiro para tirar vantagem sobre os outros. Se é para mudar, comecemos a mudança por nós mesmos, com pequenas ações que parecem insignificantes, mas que fazem a diferença - como não jogar lixo na rua, não furar filas, não fazer gato para pagar menos as contas de luz -, ou seja, não cometer pequenas infrações que parecem insignificantes, mas que fazem a diferença.

Agora a grande mudança começa nas urnas, gente! O povo não sabe votar e muitos vendem seus votos a preço de banana. Vamos demonstrar a nossa força nas próximas eleições. A democracia nos permite isso, então que façamos a diferença e mostremos a eles como estamos cansados. AGORA É A HORA DE VOCÊ DEMONSTRAR QUE É BRASILEIRO E NÃO DESISTE DA LUTA... Eu sou brasileira e não desisto nunca. Quero um país melhor para os meus filhos e os meus netos. Chegou a hora da mudança!!

Precisamos de uma liderança organizada para esse movimento e por em pauta projetos PALPÁVEIS. Não adianta sair para protestar por livros mais baratos ou coisas que não terão significância nesse momento. A Dilma se propôs a receber os líderes, então que se coloque no papel projetos para mudanças. Sair para protestar sem ao menos ter um foco não adianta. Agora o país inteiro protesta por tudo, mas isso acabará sendo em vão se não houver organização.

Sou a favor da democracia, do protesto civilizado e pacifico. Não sou representada por vândalos, baderneiros e ladrões - lugar de bandido é na cadeia. Quero um país melhor e apoio o movimento pelas mudanças.






1 comentários:

carolinaduraes disse...

Glaucia, como sempre um texto espetacular.
Parabéns.
Beijos

Postar um comentário