sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Galope para Felicidade 16




Capítulo Final – Galope para felicidade


Virei na cama sentindo meu corpo doer pela forma como havia dormido. Tentei abrir os olhos e depois de um tempo, consegui enxergar a claridade nos meus aposentos. Fiquei olhando para a luz fraca da pequena luminária, enquanto me recordava dos últimos acontecimentos da noite anterior. Senti o meu coração doer agoniado com aquela rejeição, senti um desespero consumir cada parte do meu corpo, a mente entorpecida, a alma destruída e não encontrava uma forma de me recuperar do ocorrido.

Pensei em tudo o que passei, tudo o que fiz e sofri para conquistar o meu marido. Percebi que nada foi suficiente para ele, que sempre se mostrou confuso e deixou claro que apesar de sentir algo por mim, continuava amando a porca da Caroline.

Passei por cima de tudo, das humilhações e principalmente pelo sentimento de rejeição que sentia cada vez que ele me afastava de si, dizendo que não estava pronto para se entregar a mim e me amar. Mesmo diante de tudo que lutei, não tive o seu valor e reconhecimento. Fui jogada fora como se fosse uma veste velha que se abandona quando não serve mais.

Sabia que sofreria muito sem ele, quando não visse o seu sorriso todos os dias, nem sentisse o calor dos seus braços a me envolver, nem o gosto de seus lábios sobre os meus. Sentiria falta das sensações que os toques de suas mãos em meu corpo me proporcionavam; aquilo tudo acabaria comigo e me transformaria em uma morta-viva, sem esperanças de felicidade ou amor. Depois que Jacob foi embora, decidi que não lutaria mais por ele e acataria a sua decisão. Decide que não me humilharia diante dele, implorando que não me abandonasse. Se ele estava disposto a anular o nosso casamento, aceitaria a sua vontade de cabeça erguida e não sairia como uma coitada abandonada.

Depois de pensar sobre os últimos acontecimentos, a única saída que encontrei para minha vida foi ir para um convento, mesmo não sendo religiosa e sem nenhuma vocação para freira. Eu sabia que se o meu casamento fosse anulado, provavelmente meus pais me obrigariam a casar com algum nobre e aquilo não poderia aceitar de forma alguma. Não teria chances de entregar o meu corpo para um homem que não fosse Jacob. Assim o convento seria a minha única saída e iria para lá sem comunicar o fato para a minha família. Se não fizesse isso estaria completamente perdida.

A idéia do convento em si não era boa. Eu ainda teria que viajar para outro país, tendo em vista que os antigos conventos foram fechados na época do rompimento com a igreja católica. Então teria que viajar para a França ou para a Alemanha. E tinha que partir antes que meus pais soubessem da minha separação.

- Ness! – Era a voz de Claire que havia acabado de adentrar o aposento. – Bom dia! Jacob pediu para eu te acordar. Temia que dormisse demais e perdesse a hora da corrida. – Disse trazendo uma bandeja de alimentos e colocando sobre a cama.

- Bom dia, Claire!  - Disse com má vontade e me sentei, então ela colocou a bandeja em meu colo e ficou me observando de forma inquieta.

- Nossa! O que aconteceu¿ Que cara é essa¿ Vocês brigaram¿ Quil disse que Jacob chorou a noite inteira e acordou super mal hoje pela manhã. – Começou a tagarelar, tirando-me completamente do sério.


- Chega, Claire! Não quero saber de Jacob e muito menos falar sobre o que aconteceu. – Disse mal humorada. – Diga ao seu senhor que eu não estou bem e não participarei da corrida. Agora coloque a bandeja sobre a mesinha. Quando eu sentir fome, vou até lá e como. – Entreguei a bandeja para ela e me deitei, afundando a cabeça no travesseiro.

- Tudo bem! Já estou saindo... Caso desista de ficar na cama, já deixei a sua roupa de amazonas preparada sobre o aparador de roupas que está na casa de banho. – Ela levantou-se da cama e levou a bandeja até a mesinha. Depois saiu e me deixou em paz.

Claire saiu do quarto, eu voltei a me encolher, peguei um travesseiro e coloquei sobre a minha cabeça, fechei os olhos e tentei dormir novamente. Naquela altura que as coisas estavam, só tinha vontade de dormir e me esquecer de tudo. Apagar as últimas palavras de Jacob e tentar confortar o meu coração sofrido.

Escutei a porta se abrir e depois alguns passos vindo em direção a cama. Senti o seu cheiro e preferi ficar calada, fingindo dormir, apesar de ter a consciência de que ele sabia que eu não estava dormindo.

- Ness... – Sussurrou e se sentou ao meu lado, bem em frente  onde estava virada e depois tirou o travesseiro da minha cabeça. Fiquei calada e não respondi ao seu chamado. – Sei que está acordada. Não vai mesmo para a corrida¿ - Perguntou com a voz amargurada.

- Não... – Sussurrei e me calei novamente, sentindo medo do que falaria e de como me sentiria com as palavras que só me feriam o coração.

- Você quis tanto isso... Agora vai desistir assim tão fácil¿ - Perguntou afagando os meus cabelos.

- Eu não tenho condições de sair dessa cama, Milord! Estou completamente arrasada e só quero dormir. Só isso! – Engoli seco, senti as lágrimas se formarem nos cantos dos meus olhos, meu coração apertou tão forte que me roubou o ar. Olhei para o outro lado do quarto, na esperança vã de fugir do seu olhar para não saber o que ele me dizia. Tinha medo de me machucar ainda mais e não estava disposta a me permitir mais humilhação naquele momento. Estava farta... Simplesmente farta de tudo aquilo.

- Tudo bem!! Eu tinha certeza de que você venceria hoje e já me orgulhava de você. – Disse se levantando da cama. Caminhou para a porta, mas hesitou e voltou. – Ness... Eu... Eu... – Tentou falar, mas não conseguiu

- Não diga nada, Milord! Estou partindo dessa casa hoje. Mas peço que não fale nada com meus pais e nem com o seu por enquanto. Precisarei de muito dinheiro para ir para a França. Decidi que vou para um convento e se meus pais souberem, tentarão me impedir. Então em respeito a tudo o que vivemos juntos, peço que não conte nada a ninguém por enquanto. Depois que me for, pode pedir a anulação do casamento e aí ficará livre para a sua vadia. – Disse com as lágrimas descendo em meu rosto, com o coração doendo tanto que não pensei que conseguiria falar. Sequei as lágrimas, mordi os lábios e apertei os olhos. Depois olhei para o outro lado da sala.

- Não precisa ser assim... Você não é religiosa e não se adaptaria a um convento. – A sua voz estava embargada e percebi que fazia força para não chorar. – Além disso, passará por perigos viajando sozinha até à França... Ness.... Eu... Eu.. – Jacob parecia sem ar, estava visivelmente transtornado e não conseguia completar a frase.

- Não, Jacob. – Coloquei os dedos em seus lábios. – Já lutei tudo o que podia. Já sofri humilhações, já enfrentei a minha família, a sociedade e sua amante. Não aguento mais! É o fim para nós... Nunca mais me humilharei para você e pedirei o seu amor. Nunca mais! O convento é a minha única saída. Tenho certeza de que meus pais encontrarão um noivo rico para mim assim que o casamento for anulado. E isso eu não suportarei. – Apertei forte os meus olhos e impedi de as lágrimas se formarem novamente. - Eu  o amei,  o amo e sempre o amarei, Jacob. Mas ficou claro que nunca dará certo entre nós. Você é muito confuso e imaturo. Um momento diz que sou seu sol e não pode ficar sem mim. Outro me diz que sou uma criança e não pode me tocar. E na maioria das vezes diz que ama outra e precisa se curar disso. – Tudo o que eu dizia para ele me partia o coração de uma forma tão cruel, que pensei que morreria com aquela dor rasgando meu peito. Não consegui conter as minhas lágrimas e comecei a chorar. – Hoje reunirei as minhas últimas forças para correr naquela pista, para te mostrar que não sou a criança que pensa. Em homenagem a tudo o que vivemos juntos. Mas saiba, Milord, essa é a última vez que me vê chorar... Porque depois de hoje, irei embora e você nunca mais me verá. Agora me deixa só! Preciso me vestir. – Disse e me levantei, caminhei em direção a casa de banho e ele me segurou por trás.

- Ness, não precisa ser assim... – Sussurrou em meu ouvido.

- Acabou, Jacob! Acabou! Agora me deixe só... –Seu toque em meu corpo causava frio em minha barriga, minha pele se arrepiava e meu coração batia mais rápido. Pressionei os olhos e impedi que as lágrimas caíssem em meus olhos novamente.

- Ness, nunca quis te fazer sofrer, pequena... Tudo isso está me doendo tanto... Eu sou apaixonado por você. Mas sei que não sou o homem certo para você... – Jacob estava chorando ao me abraçar por trás. Sussurrava em meu ouvido e aquilo era ainda mais doloroso para mim. Havia tanta verdade em suas palavras, mas ao mesmo tempo, ele parecia confuso e eu já não aguentava mais aquela indecisão. Não ficaria com um homem pela metade amando outra mulher. Até tentei fazer a coisa toda dar certo, mas no fim só recebi sua rejeição... realmente aquele era o fim para nós dois.

- Saia, Jacob! Saia! – Ordenei, desvencilhei-me de seus braços e entrei na casa de banho.

Jacob saiu do aposento, entrei na casa de banho, ajoelhei diante da banheira e fiquei chorando arrasada com aquilo tudo. Sabia que não tinha outra alternativa a não ser ir embora para o convento sem que a família soubesse. Teria que deixar o homem da minha vida para trás e permitir que vivesse a sua vida como quisesse, mesmo que fosse ao lado da vadia da Caroline. E apesar de me doer aquela decisão, era o mais certo a se fazer naquele momento.

Tomei banho, sequei o meu corpo, coloquei as minhas roupas íntimas, penteei os cabelos e voltei para o aposento. Fui até a mesinha, sentei na poltrona diante dela e me forcei a comer um pouco, sabendo que precisaria ficar forte para a corrida. Aquele seria o meu último ato em amor a ele. Galopar em Nefasto e engrandecer o nome dos Black e dos Cullen. Depois que houvesse cumprido a minha meta, partiria para a minha nova vida e sufocaria o amor que sentia em meu coração.

Forcei a me alimentar e depois fui para a casa de banho terminar de me arrumar. Ouvi o barulho na porta e Claire pediu para entrar.

- Ness! Posso entrar¿ - Perguntou.

- Pode! – Respondi e ela adentrou ao ambiente.

- Vim te ajudar com o espartilho. Sei que você sempre se enrola com ele. – Disse me observando com olhar curioso.

- Tudo bem! – Virei de costas e senti seus dedos em minha roupa.

- Nossa! Que bagunça você fez! – Resmungou.

- É... – Sussurrei sem ânimo enquanto ela arrumava a minha roupa.

- Levanta os braços para eu colocar a sua camisa. – Disse e eu obedeci sem falar nada enquanto me ajudava. – O que aconteceu¿ Jacob está estranho demais hoje. – Questionou enquanto arrumava a roupa em meu corpo.

- Claire, depois da corrida eu virei para cá pegar algumas coisas e partirei para longe. – Disse para ela.

- Partir¿ Você não me disse que voltaríamos para o castelo. – Seu olhar era um misto de curiosidade e pena ao me observar.

- Claire, você voltará com Rachael, Lord Black e Jacob. -  Senti meu coração apertar e meus olhos se encheram de lágrimas naquele momento. – Eu... Eu.. – Gaguejei chorando em desespero. – Eu... Vou... Para um convento na Franca, Claire....ãn ãnnn ãnnn ãnn

- Nossa! – Colocou a mão na boca. – O que aconteceu¿ Eu não estou entendendo nada, Ness. – Ela parecia assustada com tudo o que eu falava e o estado em que me encontrava.

- ânn ãnn  Jacob... ãnnn... Ele... ãnnn... ãnn ele vai anular... ãnnn ãnnn Ahhhhh  o nosso casamento.. ãnn ãnnn  - Eu a abracei forte e fiquei chorando em seus braços, pela primeira vez sentindo o calor de alguém para me consolar. Depois que me acalmei, pedi que guardasse segredo.

- Ness, Jacob te ama... – Segurou o meu rosto com as duas mãos e olhou em meus olhos. – Eu ouvi ele dizer isso para Seth lá embaixo. Ele está sofrendo muito e não entendo o motivo de ele querer anular o casamento de vocês.

- Ele não me ama, Claire... – Mais lágrimas rolaram em meu rosto, meu coração aflito doía tanto, mas tanto que quase caí e fui amparava por ela.

- Você não pode correr assim, amiga! Mal se aguenta de pé! – Disse me segurando.

- Eu sei Claire ãnn ãnn ãnnn, mas... ãnnn

- Você tem medo de decepcionar, Jacob¿ É isso¿ Ness, ele entenderá que não está bem para correr. – Apoiou o meu corpo contra a parede e me segurou com gentileza.

- Claire, o que nos ligou e nos manteve forte durante esse tempo foi o amor aos cavalos. Eu fiz de tudo para vir para Londres... Fiz de tudo para ele me deixar correr e agora não posso fazê-lo passar vergonha.

- Ainda tem uma chance. – Segurou o meu rosto e o ergueu para encarar o seu olhar. – Ele te ama... Tenho certeza. Lute por ele, Ness! Lute! – Ela me incentivou de forma corajosa.

- Eu já fiz isso, Claire... Lutei e tirei forças de onde não tinha por esse amor. Passei as piores humilhações, fui rejeitada por ele e tive que enfrentar a sua amante.  Já não posso mais, amiga... Não posso mais... – Fechei os olhos e lembrei-me do seu rosto enquanto me dizia que aquelas palavras que fizeram meu coração doer tanto.

FLASH BACK ON

- Tudo o que eu fizer daqui para frente, é para o seu bem... Eu te quero muito bem para vê-la sofrer.

– Eu pedirei a anulação do nosso casamento e a deixarei livre para começar de novo.

– Você encontrará um homem bom e terá filhos bonitos com ele... Será feliz...

- Amanhã quero que você brilhe e mostre para todo mundo que, Renesmee Cullen, não tem medo de nada. Que é forte e corajosa para enfrentar um cavalo arisco... - Eu estarei lá para ver a sua glória, minha querida

FLASH BACK OFF

Como ele podia achar que eu seria feliz sem ele¿ Que entregaria meu corpo a outro homem¿ Que me esqueceria de tudo o que vivemos juntos¿ Como¿ Aquilo era o que mais me doía, porque fazia pouco caso dos meus sentimentos e achava que qualquer um poderia tomar o seu lugar.

Depois que conversei com Claire, lavei o rosto e terminei de me arrumar. Então descemos juntas e todos nos esperavam.

Vi que Lord Billy e Rachael me olhavam curiosos, certamente ao perceber o meu rosto choroso, mas não teceram nenhum tipo de comentário a respeito.

Seguimos para o hipódromo, Claire, Rachael e eu em uma carruagem. E Jacob foi com Lord Billy na outra, tornando as coisas para nós dois menos complicadas e constrangedoras.

A cidade estava cheia de grandes carruagens e muitas pessoas pelas ruas no caminho do local que aconteceria a grande e esperada corrida. Por isso, demoramos um pouco a chegar e tivemos dificuldade em encontrar um local para deixar as carruagens.

Depois segui com Jacob até a baia onde Nefasto estava, e os outros seguiram para as arquibancadas e bilheterias de apostas. Antes de irem, Seth e Jacob deram dinheiro para Billy apostar para eles antes de seguirmos o nosso caminho.

O local estava complicado de se locomover e para complicar a situação, todos me olhavam como se fosse um fantasma ou coisa estranha por causa das roupas de amazonas, e o óbvio fato de ser a única mulher a participar daquele tipo de competição.

Quando chegamos à baia, Seth logo colocou a cela, prendeu os arreios e reforçou as rédeas do animal, que parecia agitado com todo aquele barulho a nossa volta.

O ambiente estava conturbado, Nesfasto relinchava a todo o momento ao ouvir o som dos outros cavalos e as conversas barulhentas das pessoas no local.

Jacob não me encarou em nenhum momento, apenas permaneceu ao meu lado até chegarmos com Nefasto à porteira de largada. Segurou a minha mão e me ajudou a subir, posicionando o meu pé sobre os arreios do cavalo. Depois a beijou e desejou-me boa sorte.

- Boa sorte, pequena! Dará tudo certo... Tenho certeza. – Disse e seus olhos encontraram os meus por um breve momento. Depois desviou o olhar. – Tenho orgulho de você... Nunca se esqueça disso, Ness...Você sempre será o meu Sol particular.

- Boa sorte, Ness! Tenta se acalmar. – Disse Seth e os dois saíram, deixando-me ali de frente para a porteira à espera de sua abertura.

Antes de a porteira se abrir, Nefasto começou a pular e a relinchar muito e em algumas vezes, quase me derrubou. Tentei controlá-lo, mas não conseguia, toda aquela gritaria vindo de todos os lados. A porteira se abriu e os cavalos dispararam. Nefasto começou a correr, mas logo no início da pista começou a pular como boi bravo, quase me derrubando. Ouvi gritos da arquibancada, com um som que parecia OHHH!!! Mas não tive tempo para olhar.

Consegui controlar o animal e depois que parou de pular, comecei a falar com ele.

- Nefasto, querido, preciso de você! Vamos! Preciso que corra!

Ele parecia calmo e quando ouviu a minha voz, começou a galopar muito rápido pela pista. E naquele momento, ouvi os aplausos na arquibancada e muitos gritos.

A pista era longa e teria que dar duas voltas inteiras, Nefasto começou a ganhar velocidade de uma forma surpreendente e quando percebi, estávamos alcançando o último cavalo. Conseguimos ultrapassar e seguimos o percurso cada vez mais rápido, passando um a um.

Os gritos na arquibancada eram cada vez mais fortes, muitos aplausos  acompanhados de “OHHHH!” todas as vezes que eu ultrapassava um cavalos.

O vento forte golpeava o meu rosto, meu corpo sofria com os solavancos fortes de Nefasto, minha visão ficava cada vez pior com a velocidade que ganhava e tive medo de atropelar algum cavalo no meio da corrida. Para a minha sorte, o senso de direção de Nefasto era perfeito e aos poucos foi deixando um a um para trás. Quando percebi, só havia um cavalo a nossa frente, há algumas léguas para a linha de chegada.

Forcei Nefasto a correr mais, batendo em seu lombo e gritando com ele.

- IAHHHH! IAHHHH VAMOS, NEFASTO!! IIIAHHHH! IAHHHHH! VAMOS!

O cavalo obedecia aos meus comandos e corria muito rápido pela pista, até que ultrapassou o primeiro competidor e escutamos uma salva de palmas vindas das arquibancadas, misturadas com os gritos “OHHHHHHH!!!!”.

Continuei a galopar muito rápido sobre o animal e quando percebi, havia passado a linha de chegada, escutando os gritos e as salvas de palmas vindas da plateia.

Sentia-me livre, feliz pela primeira vez desde a noite anterior, e orgulhosa pelo feito que acabava de fazer. Por isso, continuei a galopar em Nefasto, dando mais uma volta na pista enquanto os demais cavalos se retiravam do local.  Quando chegamos em frente ao público, diminuí a velocidade, soltei os cabelos, abri os braços, sorri ao imaginar a alegria e satisfação de Jacob e comecei a galopar lentamente pela pista de olhos fechados, sendo aplaudida pela multidão. E quando abri os olhos, vi que todos aplaudiam de pé, inclusive a Rainha Vitória que sorria feliz.

- NESS! NESS! – Ouvi um grito com uma voz rouca extremamente familiar e virei para olhar e tentar encontrá-lo. Então o vi pulando a cerca da arquibancada e caindo sobre a pista de corrida.

Meu coração disparou quando ele correu em direção ao cavalo. Segurei as rédeas de Nefasto e o fiz parar de correr. Fiquei a observar Jacob vindo em nossa direção e quando chegou finalmente, estendi os meus braços e permiti cair em seu colo.

Todo o meu corpo se arrepiou com o seu toque, nossos olhos se encontraram, Jacob me apertou forte contra o seu corpo e começou a chorar emocionado. Depois, segurou meu rosto com as duas mãos e começou a sussurrar olhando de forma penetrante e apaixonada, com um brilho diferente no olhar.

- Ness, não quero que você vá embora... Pequena, eu não saberia viver sem você nem sequer um dia... – Tocou o dedo em meus lábios, que tremiam de nervoso, e depois secou as lágrimas de meu rosto, que desciam sem ao menos perceber que chorava. – Eu amo você! Eu amo tanto que chega a me doer...  Pode me perdoar pela minha cegueira¿ - Pediu e depois que eu assenti com a cabeça, colou seus lábios sobre os meus e começou a me beijar de forma desesperada, explorando cada canto da minha boca com sua língua quente e deliciosa, que me entorpecia com aqueles movimentos sensuais e enlouquecedores. Ela fazia movimentos circulares, permitindo-me sentir o prazer de cada toque, eriçando os pelos de meu corpo, ao gosto quente, voraz  de seus movimentos perfeitos. Enquanto suas mãos afagavam os fios dos meus cabelos e me apertavam contra o seu corpo. – Wooww Hamm haommm Eu amo você mais do que tudo, meu pequeno sol. Sou egoísta demais para deixá-la ir para longe de mim. – Dizia ofegante após o nosso beijo, com os olhos fechados e um sorriso imenso em seu rosto. – Hoje você será minha... Quero beijar cada pedacinho do seu corpo...hammm...Hamm...quero te dar todo o prazer desse mundo, pequena. – Tomou meus lábios novamente e me beijou, mas dessa vez de forma lenta e muito carinhosa, movendo os lábios molhados sobre os meus.

De repente, ouvimos uma multidão ao nosso redor, falando muito e nos aplaudindo. Interrompemos o beijo e vi toda aquela gente desconhecida nos cercando, a plateia batendo palmas, Seth levando Nefasto pelas rédeas. Foi aí que caí na realidade, percebendo que não poderia ficar beijando o meu marido daquela forma na frente de todos.

Jacob me colocou no chão e muitas pessoas me parabenizavam e aplaudiam. Fomos conduzidos até um pequeno pódio, que ficava em frente à arquibancada. Jacob me ajudou a subir e de repente, vi a Rainha Vitória se aproximando com um arranjo lindo de flores.

Meus olhos se encheram de água ao ver a tão falada Lady, com um lindo vestido vermelho cheios de detalhes em branco e dourado. Um pequeno chapéu enfeitava a sua cabeça. As joias eram as mais lindas que já havia visto na vida. Seu porte e elegância eram de uma verdadeira monarca. Possuía a pele muito branca, tinha as finas feições em seu rosto delicado, olhos e cabelos negros. Seu andar e a forma como olhava denotavam toda a sua altivez.

- Vossa Alteza! – Fiz uma reverência curvando o corpo e abaixando a cabeça. E vi que Jacob e as pessoas em volta, fizeram o mesmo diante a nossa monarca.

- Você foi muito corajosa, criança. Esse cavalo é muito arisco e podia tê-la machucado. – Ela colocou o arranjo de flores em meus braços. Depois recebeu de um homem a coroa e a pôs em minha cabeça. E por fim me entregou um pequeno objeto, que parecia uma estátua de bronze, em forma de um lindo cavalo. – Que essa não seja a sua primeira glória! – Depois que me entregou, estendeu a delicada mão para Jacob, que a beijou em reverência. – Você tem muita sorte de ter uma esposa tão linda e apaixonada. Já soube de seus feitos e da sua língua arredia para defendê-lo. Deve orgulhar-se da sua companheira.

- Eu me orgulho, majestade. – Jacob disse envergonhado diante da rainha.

- Agora preciso ir! Parabéns pela vitória, criança. – Disse e saiu com a mesma altivez com que se apresentou. Ouvimos muitas salvas de palmas e gritos da arquibancada.

Jacob me pegou em seus braços, colocou-me no chão e seguiu comigo até o restaurante vip do hipódromo, onde toda a família nos aguardava, e éramos  aplaudidos por onde passávamos, com muitas pessoas nos observando de forma curiosa. Afinal, não era todos os dias que viam uma Condessa com um Lorde como Jacob e aquilo lhes causava curiosidade.

Recebi todo o carinho e atenção da família, cumprimentos de vários amigos dos Cullen que foram me conhecer de perto e por fim, fomos à carruagem para finalmente voltar para casa.

Como na ida ao hipódromo, voltei com Claire e Rachael, que me colocaram a par das fofocas que ouviram antes de começar a corrida.

- Ness, as intriguistas que estavam no jantar de ontem, contaram para a sua família que o Duque rompeu o noivado com a Caroline.  – Disse Rachael rindo muito.

- Bem feito para aquela vaca! – Claire gargalhou satisfeita.

- Elas disseram que houve uma grande discussão e que o Duque exigiu a prova da honra de sua noiva. Mas o Lorde Foster ficou indignado e se recusou a permitir um exame em sua filha. Então, o Duque disse que não se casaria com uma desonrada que corria atrás de homem casado. Depois da briga, foi embora rompendo relações com os Foster.

- Bem feito para a safada! Ela teve meses para se casar e ficar bem com o marido. Mas tinha que vir atrás do meu. Bem feito! – Disse rindo da desgraça da vadia porca da Caroline, que certamente não encontraria nenhum nobre para se casar na Inglaterra.

- Todos só falavam no jantar de ontem, Ness! Foi uma fofoca enorme e até quem não esteve presente, falava super mal da Caroline. Duvido que os Foster sejam convidados para uma só festa de hoje em diante. – Rachael ria da desgraça da mulher que havia feito seu irmão sofrer com gosto.

Chegamos à casa e fui direto para os meus aposentos com Claire, louca para tomar um banho e trocar de roupa.

- Rachael, entregue o meu prêmio para Jacob guardar, por gentileza. Preciso me banhar e ficar apresentável para receber os convidados que certamente virão. – Disse entregando a pequena réplica de cavalo e o arranjo de flores para ela. Depois, segui para o quarto com minha amiga.


- Ele me ama, Claire! Ele me ama! – Comecei a dançar pelo aposento, rindo e chorando de felicidade.

- Mas eu disse que ele te amava... Só estava confuso, Ness. – Claire começou a dançar comigo e ríamos felizes da vida com a minha felicidade.

- Agora, ajuda-me com essa roupa! Quero estar bonita e apresentável para o meu marido. – Disse rindo e ela começou a me ajudar a despir o meu corpo. Depois caminhamos até a casa de banho, girei o objeto estranho que jorrava água na banheira para enchê-la. Entrei na banheira e fiquei sentindo a água enchendo o local pouco a pouco.

Depois de um bom tempo me banhando, saí, sequei o meu corpo e comecei a colocar aquele monte de roupas com ajuda da minha amiga e dama de companhia. Depois arrumei os cabelos, passei um pouco da pasta avermelhada nos lábios, o suficiente para dar uma leve cor em seu contorno, penteei os cabelos, passei perfume e calcei os sapatos.

- Pronto! Está linda, Ness. – Disse Claire ao me observar naquele lindo vestido azul.

- Será que Jacob gostará¿ - Perguntei sorrindo para ela.

- Ele gosta de você de qualquer jeito. Mas tenho certeza de que amará o vestido novo que comprou. Agora vamos descer, que sua família já deve estar a sua espera. – Disse e saímos dos meus aposentos e caminhamos em direção à sala.

Além da minha família, havia várias Ladies e Lords bem vestidos conversando e bebendo vinho a minha espera. Eu fui recebida com alegria por todos, que disputavam um pouco da minha atenção.

Depois de um bom tempo fazendo sala para as visitas, Jacob pegou a minha mão e me conduziu para o quarto, fazendo-me caricias por todo o caminho.

- Você está cheiroso, demais Milord! – Disse beijando o seu pescoço assim que entramos e ele trancou a porta.

- Rachael comprou esse perfume para mim e resolvi pô-lo hoje após o banho. Queria que se agradasse do meu cheiro. – Virou-me de costas e começou a beijar o meu pescoço suavemente e a passar a língua quente sobre ele, causando-me muitos arrepios em todo o meu corpo.

- Mas eu sempre me agradei do seu cheiro, marido. – Respondi para ele, que continuava com as carícias e naquele momento, tocava os meus seios sobre o tecido do vestido.

- Hoje será diferente, minha esposa... Hoje nós consumaremos o nosso casamento e quero que seja perfeito para você... – Lambeu o lóbulo da minha orelha, causando calafrios e fazendo um frio estranho revirar o meu estômago. – A propósito, você também está muito cheirosa... muito tentadora, “amor”. – Meus olhos se encheram de lágrimas quando ele me chamou de “amor” e uma sensação de felicidade tão grande invadiu o meu coração, que batia muito rápido e descompassado naquele momento. Era a glória de amar e ser amada na mesma medida.

- Fala novamente! – Pedi manhosa enquanto senti os seus dedos abrindo os botões do meu vestido e os lábios descendo em meu pescoço, deixando um rastro de paixão por cada local onde passava. Um frio percorria a minha espinha, uma estranha ansiedade tomava conta do meu ser e a minha respiração começou a ficar ofegante. Fechei os olhos e me permiti sentir cada sensação estranha enquanto me tocava e beijava.


- Amor... Amor... Amor... – Jacob sussurrava gostoso enquanto abria os botões do vestido, depois começou a desamarrar o espartilho delicadamente e quando terminou, ergui os braços para que tirasse o vestido.

Depois de tirá-lo, soltou as armações, começou a remover a camisola delicadamente e as calças bufantes, deixando-me completamente nua em sua frente.

No primeiro momento, fiquei com vergonha e pensei em esconder os seios. Mas depois decidi que não teria vergonha de meu marido e o permitiria admirar todo o meu corpo, que ardia e sentia calafrios na proporção em que me observava com luxúria nos olhos.

Ele começou a soltar a sua gravata e depois eu o ajudei a retirar o paletó. Assim foi se despindo na minha frente e ficou completamente nu.

Quando observei a sua sexualidade, arfei sem ar e confesso que fiquei apavorada com a enorme coisa que parecia uma grande cobra pronta para me atacar. Ele vendo o meu pavor, abraçou-me carinhosamente e sussurrou em meus ouvidos.

- Não tenha medo de mim, pequena! Não a machucarei... Prometo. – Jacob começou a beijar as minhas costas gentilmente, senti seus dedos deslizarem de forma delicada da altura das minhas nádegas até o meu pescoço, eriçando os fios dos meus pêlos novamente aos toques suaves e gentis de deus dedos. Seus beijos quentes provocavam-me uma lascívia e faziam meu corpo arder de paixão e desejo.

Jacob pegou-me no colo, caminhou até a cama e me sentou. Depois sentou-se a minha frente, ficou olhando por um tempo em meus olhos e seus dedos delicados começaram a acariciar os meus seios.

- Vou te dar muito prazer, pequena... Tenta relaxar! Só isso... Deixa que eu farei tudo e te mostrarei como fazer... Se eu te machucar, pede que paro na mesma hora. – Ele me deitou na cama e depois o senti beijando os meus pés delicadamente, subindo com a sua língua quente pelos meus tornozelos, intercalando beijos delicados com pequenos chupões. Sentia meu corpo queimando cada vez mais, proporcionando uma sensação completamente desconhecida e prazerosa com beijos que distribuía pela minha pele.

- Amo você... Amo cada pedaço do seu corpo delicado... – Jacob beijava as minhas pernas com tanta paixão e voracidade, que comecei a sentir uma estranha umidade se formar em minha sexualidade. Meu corpo começou a se contorcer pela cama, não conseguia controlar a respiração ofegante, comecei a gemer com prazer que aqueles toques em minha perna proporcionavam ao meu corpo. Soltei um gemido mais alto e fiquei envergonhada. E naquele momento, vi Jacob rindo satisfeito. – Você já está gozando, amor... Isso é muito bom... Mas é apenas o começo. – Sussurrou e começou a chupar o meu joelho cada vez mais forte, sua língua deixava um rastro de paixão pela minha pele. Meu corpo ardia, meu coração estava cada vez mais acelerado, a respiração falhando e uma coisa estranha movendo-se em meu estômago.

Jacob chegou a minha coxa e deu uma leve mordida. Gemi instintivamente naquele momento e segurei para não gritar de prazer. – Wooww Shaaaaa Waaaaa - Começou a chupar e a apertar toda a região, fazendo meu corpo se debater novamente sobre a cama, contorcendo não por dor, mas por um prazer tão grande que me fazia revirar os olhos, morder os lábios e apertar os meus seios de forma desesperada. Era algo inimaginável aquele momento, eu tinha que morder os lábios para não gritar pedindo mais dos seus beijos, mordidas e chupões pela minha coxa.

- Wow Jacob... Jacob... – Gemi o seu nome depois que meu corpo começou a se controlar. Então senti seus lábios sobre a minha barriga e ... OH GOSHHH!!!  WOOO!! Seu dedo tocou a minha sexualidade, fazendo movimentos circulares sobre ela e comecei a sentir meu corpo se contorcer e não consegui segurar os gritos e as lágrimas que rolaram em meu rosto. – JACOOOBBB! WOSSSHHHH! – Deus aquilo era muito bom e não conseguia entender como meu corpo reagia e me fazia debater de forma voraz sobre a cama. Cada movimento rápido que fazia, tinha que segurar os gritos, morder os lábios, revirar os olhos enquanto meus dedos pressionavam os fios de seus cabelos.

- Gosta disso, pequena¿ - Perguntou com sorriso vitorioso ao ver que me debatia sobre a cama, gemendo, arfando e revirando os olhos de forma enlouquecedora pelos seus toques ardentes em minha sexualidade.  Não conseguia falar, não tinha condição de responder nada, porque a minha respiração não me permitia sequer dizer um SIM sem gemer alto ou gritar de prazer. – Fico feliz por estar gozando apenas com meus toques, pequena... Quando terminar, você não terá mais vontade de sair dessa cama. – Voltou a beijar a minha barriga e intensificou os movimentos em minha sexualidade. Sua língua deslizava pela minha pele, intercalando com mordidas e chupões, o que me fazia reagir ainda mais com toda aquelas sensações estranhas e prazerosas em meu corpo.

- Ghosssss... Wowww ... shhhhhh Jacob... – Mais um violento ataque abateu o meu corpo, mordi os lábios, puxei os seus cabelos e chorei de felicidade com aquela sensação tão gostosa... Tão prazerosa que estava me levando ao delírio total. Meu corpo e minha mente já não me obedeciam. A única coisa de que eu precisava era sentir seus beijos e chupões pela minha pele queimando de prazer.

Senti seus lábios pressionarem o meu seio, sua língua começou a brincar com o meu pequeno bico, movendo-se lentamente sobre ele. Ainda sentia o seu dedo fazendo movimentos intensos em meu sexo, enquanto sua boca começava a intercalar os beijos e chupões sobre o meu seio. E quando chupava, meu corpo gritava, eu cravava as unhas em suas costas, mordia os lábios e tentava sufocar os gritos. Sabia que a casa estava cheia e não poderia gritar como uma cadela no cio. Mas meu corpo recusava a me obedecer com tantos toques, beijos suaves e vigorosas chupadas em meu pequeno seio.


- AHNN! Woowwwshhhhh! Jacob... Assim eu não aguento.. Ahhhhhh Shhhhhhh

- Calma,pequena! Ainda estamos só começando. – Gemi gostoso enquanto ele intercalava beijos e chupões em meu seio. Depois o abandonou e segurou firme o outro, fazendo a mesma cosia com a boca, enquanto eu me debatia como louca na cama, movendo-me como uma cobra tentando fugir de um ataque.

- WOOOOOOWWWW! – Gemi alto após mais uma compulsão de prazer me atingindo de forma violenta. Senti meu corpo inteiro se debater. Jacob calou meus lábios com um beijo voraz, chupando a minha língua, depois explorando cada canto da minha boca, enquanto meu corpo só faltava pular da cama com tudo aquilo.  Meu corpo estava imerso a um novo e mais forte ataque de prazer. Woww. – Gemi em sua boca e quando ele me beijava cada vez mais rápido, sua língua fazia movimentos circulares sobre a minha. Ele abandonou o meu sexo, senti suas mãos abrirem as minhas pernas, pressionarem as minhas coxas. Depois senti seu corpo se encaixando entre o meu e seu dedo voltar a se mover em meu sexo.

Tudo acontecia ao mesmo tempo, o beijo voraz, o encaixe entre as minhas pernas, os movimentos em meu sexo e... Wowwww... Senti uma ardência em minha entrada, que começou a ser rasgada. Gemi de dor – ÃNNN! – Jacob abandonou os meus lábios e olhou no fundo dos meus olhos.

- Amor, se eu te machucar, você pede que paro no mesmo momento. – Sussurrou gostoso encarando o meu olhar. Mordi os lábios e assenti, quando senti a entrada sendo rasgada. Gemi novamente de dor e voltei a sentir meu corpo sendo atingindo pelo prazer novamente. Já não sabia se chorava de dor ou de prazer. Quando senti novamente seu membro entrando em minha passagem. – Estou te machucando¿ - Parou o movimento do corpo e perguntou preocupado. Eu apenas assenti com a cabeça. Não tinha a menor condição de responder absolutamente nada.

Eram prazer e dor, prazer e dor... Mais prazer do que dor atingindo o meu corpo. Senti as lágrimas rolando em meu rosto, vi que ele também chorava, mas não parava de fazer as duas coisas, me dar prazer com seus dedos e dor com o seu membro rasgando a pede a minha entrada.

- ÃNNN!  - Chorava e ria, chorava e ria.

- Estou te machucando¿ - Parou novamente e encarou os meus lhos.

- Pelo amor de Deus para de falar e continua!  - Consegui arrancar forças em meio àquelas sensações tão estranhas para falar. E senti novamente meu corpo se debatendo sobre a cama, um riso forte rompeu a minha garganta, as lágrimas começaram a escorrer ainda mais em meu rosto, sentia seu membro entrando dentro de mim, mas o prazer era tanto... Tanto... Tanto... que a dor chegava ser gostosa naquele momento. – WHHHHHH! Jacooobbbb!!! Gosshhhhhh! – Cravei as unhas em suas costas, comecei a gemer, gemer e gemer ainda mais quando senti uma última ponta de dor tão profunda e gritei.  – AHHHHH! – Jacob tomou meus lábios e começou a me beijar para impedir os gritos. Seu beijo era mais gentil e os movimentos de seus lábios estavam misturados com o gosto salgado das lágrimas que desciam em nossos rostos. Seu corpo começou a se mover dentro de mim, senti seu membro saindo por inteiro da minha passagem e depois entrar novamente várias vezes de forma lenta e suave. Seus dedos já não estavam mais em minha sexualidade e suas mãos seguravam as minhas pernas, abrindo-as para facilitar os movimentos em meu corpo. Era um entra e sai tão gostoso,que acabei esquecendo completamente da dor, entregando-me aos beijos delicados em meus lábios, acariciando seu corpo lindo e perfeito de macho e aproveitando cada movimento fazia dentro de mim.

- Wooww Ness! Eu amo tanto você, pequena... Você é tão deliciosa, amor! Wooo! Ness... Ness... Ness... Minha pequena... Eu amo você. – Jacob sussurrava meu nome enquanto me possuía de forma intensa, invadindo o meu corpo sem restrição, aproveitando o  prazer que os nossos corpos juntos proporcionavam. Ofegante, cheio de volúpia, com lábios vorazes em busca dos meus, intercalando beijos com juras e promessas. – Sempre serei seu, Ness...OH Sim... Sempre... Todos os dias, quero fazer amor com você... Quero te fazer gemer gostoso para mim, pequena... Todos os dias de minha vida, quero tocar o seu corpo, amor.... WWWOOOO! – Deu um gemido mais alto, revirou os olhos e sorriu. – Olha como me deixa louco de prazer! Goshhhhh você é gostosa demais! – Começou a intensificar os movimentos em meu corpo, entrando e saindo cada vez mais rápido.

- Jacob... ãnnn ãnnn... Jacob... Woooww – Meu corpo começou a se debater novamente sobre a cama e o dele se debatia sobre o meu. Gememos juntos e alcançamos o prazer ao mesmo momento.

- WOOOOWWW !!! – Jacob gemeu alto.

- Goshhhhhh Wowww Jacob....

Senti Jacob saindo de meu corpo e um líquido quente pingando em minha pele. Depois deitou na cama e me puxou para si, colocando-me deitada sobre o seu peito.

Começou a acariciar as minhas costas de forma carinhosa, enquanto tentava controlar a sua respiração. Eu por minha vez, ainda ofegante e cansada, sentindo os lábios ardendo e doloridos pelos beijos, o corpo ainda trêmulo e queimando, respiração irregular e uma ardência em minha entrada. Estava muito cansada, completamente mole e só precisava relaxar o meu corpo sobre o seu, sentindo as carícias de suas mãos pelas minhas costas. Fechei os olhos, pousei a mão em seu peito e tentei dormir um pouco para descansar.

- Amo você, pequena... Você é o meu sol.... Minha vida. – Sussurrou antes que eu dormisse.

---- xxx ----

Meu corpo estava completamente mole. Tentei me virar para o lado e procurar meu amor, mas tinha preguiça até de me mover na cama. Abri os olhos, passei as mãos pelo lençol da cama e não o encontrei.

- Jacob... Jacob... – Sussurrei manhosa e ouvi a sua voz rouca e sensual me respondendo.

- Estou aqui, amor! – Consegui virar o meu corpo e o vi arrumando alimentos sobre a pequena mesa. – Que soninho gostoso, hein?  Você dormiu o dia inteiro e parte da noite. Pensei que não acordaria mais, pequena. – Disse caminhando até a cama.

- Dormi isso tudo¿ Deixa eu me levantar, para me banhar e descer para o café. – Disse tentando sentar na cama.

- Ainda é madrugada, Ness! O Sol ainda não nasceu. Mas como sabia que acordaria com fome, preparei alimentos para você, minha princesa. – Sentou-se ao meu lado na cama, beijou a minha mão, tocou o meu rosto e ficou me observando de forma encantadora. – Você gostou do que fizemos¿ - Perguntou franzindo o cenho.

- Foi maravilhoso, amor... Nunca senti uma coisa tão boa e gostosa em toda a minha vida.... Eu quero que me faça sua todos os dias. – Disse fazendo beicinho e ele riu.

- Essa é minha intenção, meu amor! Quero fazer amor com você todos os dias... OH, Ness, quanto tempo perdermos por eu não enxergar que já te amava. Foi preciso te perder para ver o que estava diante dos meus olhos, pequena.

- Desde quando, Jacob¿ Você amava Caroline. – Disse abaixando a cabeça, com medo da resposta que ouviria.

- Eu gostava do corpo e dos beijos da Caroline, Ness.. – Ele hesitou por um momento, talvez por medo de me magoar. Ma depois continuou. – Mas com você sempre foi diferente... desde a primeira vez que a tive em meus braços, você vestida de noiva e dormindo como um anjo, quis cuidar de você... Eu me apeguei tanto, que não consegui permitir que fosse embora. Poderia ter pedido a anulação do casamento naquele momento. Só que precisava de você ao meu lado para me fazer feliz... – Jacob revirou os olhos e riu. – Para me fazer rir e voltar a ser criança novamente... Cuidar de mim, Ness... Cuidar de mim. Eu já te amava ali, agora vejo isso claramente. Eu tinha medo de te tocar e te machucar. E sobre tudo, tinha medo de me abandonar. – Jacob fechou os olhos, respirou fundo e continuou. – Quantas noites sonhei com você indo embora e me desprezando... Eu tinha tanto medo de me entregar e sofrer novamente. Eu desejava o seu corpo de forma tão intensa, que chegava a sonhar com ele... Quando chegava perto, sentia o desejo explodindo e uma vontade imensa de tocar os seus seios. – Ele colocou as mãos sobre os meus seios e os acariciou. – Mas  o medo!! O medo foi o que me impediu de ver que já te amava, Ness... E quando fizemos amor, tive tanto medo de te machucar... Você é tão pequena e tão frágil, meu botão de rosa.... Você gostou do que fizemos¿ Eu não te machuquei¿ - Puxou-me para o seus braços e me apertou fortemente contra os seus peitos.

- Jacob, foi tudo perfeito... – Fechei os olhos e comecei a chorar. – Cada toque, seus gestos carinhosos, os lábios em minha pele e ... – Tive vergonha de falar da minha sensualidade sendo estimulada.

- Você estranhou quando eu a toquei¿ É isso¿ Lembra que te falei que nós homens conversamos sobre as mulheres¿ Que falamos sobre os seus corpos e como tocá-los¿ Ness, eu não quero só sentir prazer ao te fazer minha. Sobre tudo, quero que sinta prazer e se não gostar da forma que te toco, quero que me diga que eu paro no mesmo momento.  – Disse beijando os meus lábios.

- Eu gostei de tudo, Jacob.... Foi...

- Como foi¿ O que você sentiu, pequena¿ - Começou a beijar o meu pescoço.

- Foi incrível! Às vezes, algo acontecia com meu corpo e ele ficava fora do controle. Era uma sensação tão boa e gostosa, que perdia completamente a noção do que fazia... OH, God!! Eu quero mais Jacob...

- Você estava gozando, Ness... – Jacob riu satisfeito. – Quando aquilo acontecia, você estava atingindo o ápice do seu prazer. – Começou a rir e eu não entendi o motivo. – Normalmente, as mulheres só chegam a esse momento, quando estamos dentro delas, possuindo de forma voraz, pequena. – Começou a distribuir beijos em meu pescoço. – Mas você chegou ao clímax quando eu ainda beijava o seu tornozelo... Aquilo foi incrível, pequena... Incrível...

- Oh, Jacob, você me faz feliz. – Eu o abracei forte – Mas agora preciso de um banho e comer algo... Estou faminta.

- Deixa eu pegar a bandeja com alimentos para você. Depois tomamos banhos juntos, pequena. – Afastou-se de mim, foi até a mesinha, pegou a bandeja com alimentos e trouxe para cama. Começamos a comer juntos e quando terminamos, levou-a de volta para a mesa, voltou para cama, pegou-me nos braços e caminhou comigo para a casa de banho.

- Eu já deixei cheia. Sabia que gostaria de um banho assim que acordasse. – Ele me colocou na banheira e começou a passar a pequena pasta com cheiro de lavanda em meu corpo. Passou em minhas costas e foi descendo até as minhas nádegas. Depois ficou de frente e passou em meu pescoço, meu colo, foi descendo até os meus seios e começou a acariciá-los. Senti meu corpo arder chamando pelo dele. Minha loucura por aquele homem começava a gritar, pedindo mais e mais dele dentro de mim. Sua mão pousou em minha barriga e começou a fazer movimentos circulares sobre ela. Depois desceu até o meu sexo e começou a lavá-lo e estimulá-lo de forma carinhosa, com movimentos sinuosos sobre a sensível pele.

- Jacob, eu preciso de você, amor... preciso te sentir novamente. – Gemi baixinho, ele segurou a minha mão e me levantou.

- Vem, cá! – Tirou-me da banheira, entrou dentro dela e depois se sentou. Pegou a minha mão e  me conduziu para dentro da banheira. Posicionou as minhas pernas entre a sua cintura e colocou o seu sexo na entrada do meu. Agradeci por não estarmos no castelo, pois não conseguiríamos fazer aquilo na pequena tina redonda da minha casa de banho. Gemi quando senti seu membro entrando lentamente, minha pele sendo rasgada novamente causando uma leve e incômoda dor.

- AHH!

- Te machuco¿ - Perguntou preocupado observando o meu rosto.

- Não, amor! Continua, por favor!- Apesar da dor, queria sentir tudo aquilo novamente. Precisava sentir todas aquelas sensações em meu corpo. Segurei os seus ombros, ele com uma das mãos, pressionou a minha cintura e com a outra tocou o meu sexo, fazendo movimentos circulares rápidos sobre ele. Meu corpo começou a reagir aos toques. Gemi instintivamente quando seus lábios tomaram os meus.


- Wowww Jacob... – Sussurrava entre beijos ardentes, toques carinhosos em seus músculos, movimentos delicados de seu membro latejando dentro do meu corpo... Ele latejada dentro de mim. Podia sentir sua pulsação dura e forte preenchendo todo o meu canal. Era a coisa mais incrível do mundo sentir o meu marido me conhecendo por dentro, tocando o meu corpo sem restrição ou medo. Fazendo-me sua mulher e ousando nas carícias que não cessavam.

- Ness, deliciosa... – Gemia em meu lóbulo.

- Wooww quero fazer amor com você para sempre.... Que se dane o mundo... Quero sentir sempre você dentro de mim, meu amor... Wooww – Jacob pressionava as minhas coxas, enquanto entrava e saia de dentro de mim, gemendo com o prazer que nossos corpos proporcionavam um para o outro. Nossos lábios brincavam de forma gostosa, as línguas flutuavam juntas em movimentos perfeitos de paixão, desejo e loucura. Suas mãos ora pressionavam as minhas coxas, ora estavam em minha sexualidade e sem perceber, moviam sem para os meus seios, pressionando-os com força ou brincando com os meus pequenos bicos. Eu mordia o seu ombro, chupava o seu pescoço, às vezes arranhava as suas costas quando sentia meu corpo arremetido por mais prazer. Revirava os olhos, gemia e gemia em loucura quando sentia sua pulsação dentro de mim, entrando e saindo cada  vez mais rápido... Aquilo era o céu!!

Depois que nos descobrimos como homem e mulher, ficamos trancados em nossos aposentos por duas semanas, fazendo amor dia e noite sem cessar, aproveitando as carícias, o prazer e toda a felicidade que aqueles momentos podiam nos proporcionar.

Quando saíamos do quarto para buscar alimentos ou cumprimentar os outros, bastava um olhar ou apenas um singelo toque para o nosso desejo aflorar e nos fazer voltar para o nosso ninho de amor.


Depois de duas semanas, Billy nos informou que voltaríamos para o castelo em Reading, pois precisavam preparar o casamento de Rachael e Paul antes que a barriga começasse a crescer. Então, preparamos os nossos baús, a comitiva para levar Nefasto de volta, despedimos-nos de minha família e partimos para uma longa viagem de volta para casa.

No caminho de volta, nos quatro dias de privações pelas florestas, sentia a imensa necessidade do seu toque, beijos e seu corpo latejante dentro do meu, dando-me aquele prazer que tanto amava. Mas sabia que precisava esperar até chegar ao nosso castelo, ficava então sonhando acordada com nossas noites intensas de amor enquanto Claire falava e falava o tempo todo, contando o que havia feito naquelas últimas semanas, os vestidos que havia ganhado de Rachael e os beijos com Quil. Apesar de sua tagarelice, não conseguia prestar a atenção em quase nada do que falava, pois minha mente só via Jacob e eu em uma cama fazendo amor. Estava completamente viciada e obsessiva pelo seu corpo, pensando naquilo praticamente o dia inteiro enquanto o observava no lombo de Pérola Negra.

Quatro dias se passaram e a carruagem parou no alto de uma colina. Ele abriu a porta e estendeu as mãos para mim.

- Vem, pequena! Estamos há algumas léguas do castelo... Venha galopar comigo. – Tirou-me da carruagem, deu um beijo gostoso em meus lábios, depois me colocou sentada no lombo de Pérola Negra e o montou.

- Amo você, Jacob... – Sussurrei enquanto galopava me abraçando por trás, beijando o meu pescoço, causando arrepios e aquela estranha sensação fria  revirando em meu estômago.

- Eu te amo mais ainda, meu pequeno botão de rosa. – Mordeu o  meu lóbulo e desceu seus lábios, percorrendo o caminho até o meu queixo. – Estou louco para chegar ao nosso rio... – Gemeu gostoso enquanto beijava a minha bochecha. – Quero fazer amor com você o dia inteiro dentro da água, pequena... Esses quatro dias me deixaram explodindo de tanto desejo... Quero estar todo dentro de você, amor... – Gemeu novamente, fazendo o meu coração acelerar, a umidade se formar em meu sexo, apenas com aquelas palavras cheias de luxúria. – Oh, como eu quero sentir você, Ness... Estou completamente viciado em você... O que fez comigo, sua pestinha¿ - Uma de suas mãos abandonou as rédeas e pressionou os meus seios, causando-me calafrios por todo o como.

- Woow Jacob... Wowww – Gemi sentindo meu corpo reagindo ao seu toque.

- Isso amor, goza para mim! – Sussurrou em meu ouvido, pressionando os meus seios sobre o vestido.

- Jacob, vamos cair desse cavalo se continuar a fazer isso. – Gemi  quando ele passou a língua no meu pescoço– Wooowww

- Vamos continuar galopando, Ness... – Gemeu em meu ouvido de forma gostosa. – Galopando em busca da nossa felicidade.


FIM



N:Glau/ E ai¿ Gostaram¿ Valeu apena esperar¿ Achei tão lindo e tão intenso o lesco lesco deles. Os dois se descobrindo esse amando sem reservar.
Eu não usei algumas palavras como espasmos, clitóris, borboletas voando no estômago porque era uma outra época e esse vocabulário não era usado. A Ness nem conhecia essas palavras. Então tentei descrever de forma que ficasse clara, mas tentando usar outro tipo de vocabulário.

Eu riria fazer apenas um lesco lesco para esse cap, mas a Valeria brigou comigo... Sabe, ela é muito taradinha e adora um lesc lesco. Ás vezes me lembra a Elis, que toda hora pergunta do lesco lesco. kkkk Então ficou muito aborrecida e brigou comigo, porque queria dois caps de safadezas. Então fiz dois lesco lesco nesse cap e uma prévia do que seria um terceiro só par ela não ficar triste comigo kkkk VAL PERDOA EU¿ HEM¿ PERDOA PIDONA¿ BJUS TÁ¿ EU TAMBÉM TE AMO! KKKKK (imaginem Glau mostrando a língua para a Valeira. kkkk)


Agora me digam o que acharam da fic¿ Foi bom ter uma fic curtinha¿ Consegui descrever bem a época e os costumes¿ Gente eu to ansiosa pelos comentários de vocês!!! Digam o que acharam.... Autora em cólicas e já morrendo de saudades da novelinha!

O epilogo sai na terça feira. OK¿ Eu também preciso do meu lazer e tenho algumas fics para ler. Então só farei o epilogo na segunda. O QUE VCS QUEREM PARA ESSE EPILOGO¿ ESTOU DANDO A OPORTUNIDADE DE ESCOLHEREM COMO SERÁ O PROXIMO CAP! LEMBRANDO QUE ESSA É UMA FIC ROMANTICA E NÃO SE SAFADEZA! KKKK

Obrigada pelo carinho, todos os comentários, mensagens, emails e recomendações!!!! SAIBAM QUE EU AMO VCS!!! E VCS ME FAZEM FELIZ!!!!

E QUE VENHA A HERDEIRA!!!! SHUASHUAHSUA só quero ver como farei um Jacob cafajeste. kkkk Esse será um grande desafio para mim. Mas vamos lá!!! Estou aqui para isso.

BJUS NO CORE!

[NOTA DA VALÉRIA: Isso sim é um lesco lesco digno de final feliz. Mas, vem cá!!! Duas semanas só fazendo amor???????? Menina, é negócio pra ficar ardida, não acham??? Eles estavam na secura mesmo, hein??? Ficaram viciados no negócio. Bom, gente eu gostaria de agradecer a receptividade que essa fic teve. Todas as leitoras demonstraram um carinho especial para com a Glaucia, inclusive em momentos em que ela esteve muito chateada. Gostaria de agradecer o carinho e que vocês possam curtir a próxima história que virá. Beijos a todas!]

n/h: Repete Jacob, Amor..amor....amor...aff! morri..
ai mordida na coxa! VC se superou autora..realmente foi o capitulo todo de muito sexoOO...
Porque será que a Glaucia faz o cara chorar de prazer?...kkkkkk....
Ness...?..” - Foi maravilhoso, amor... Nunca senti uma coisa tão boa e gostosa em toda a minha vida.... Eu quero que me faça sua todos os dias.”
...Essa é boa o JACOB ENSINADO A ELA O QUE FOI O ORGASMO!!! Só a Glaucia ..
Caraça! 2 semanas trancados nos aposentos? E no fim dos tarados galopando..
AMEI A FIC.....DEMAIS...ESSA ESTÁ NO MEU HANK DE MELHOR FIC DE EPOCA.....bjs até Herdeira.....meninas recomendem...

2 comentários:

Anônimo disse...

adorei a historia linda demais esse casal e mesmo lindo amo os dois e to louca pra ver o epigolo.parabens muito boa essa historia.

thayná stéphany rodrigues santiago disse...

sua fic foi otima! Esse capitulo foi composto mais de prazer não foi? kkkkk
Mas ficou maravilhosa

Postar um comentário