sexta-feira, 5 de novembro de 2010

A encarnação do Pecado Por Edward Cullen



NOTA
1 - Os personagens pertencem a Saga Crepúsculo da Stephenie Meyer!
2 - Não existem lobos ou vampiros nessa fic
3 - Essa fic é baseada no Filme "Em nome de Deus". O filme é por um narrador, com uma visão parcial do protagonista e a fic será uma pequena visão do Abelardo
4 - Não é recomentada para menores de 18 anos.

Sinopse:

Edward Cullen, um respeitável filósofo e professor de teologia, comprometido com a igreja e se preparando para se tornar um padre é contratado para ser tutor de Isabella Swan, sobrinha de um cardeal, moça inteligente e de personalidade forte para sua época. Ele é tentado de todas as formas e em nome desse desejo, trai todas as suas convicções e vive uma irresistível paixão.


Perdoe-nos pai, por termos amado tanto.

Prólogo
By GlauciaBlack


Meu nome é Edward Cullen, tinha 25 anos e era um filósofo e professor de teologia em uma das mais respeitáveis escolas de Londres. E me preparava para virar padre e cumprir com os deveres do celibato.


Alguns do corpo de clérigos me consideravam um revolucionário pelas minhas idéias liberais e discussões abertas sobre os assuntos religiosos, deixando muitos falsos moralistas desconfortáveis com os temas das minhas discussões, pouco ortodoxas, que estimulavam o ímpeto dos estudantes os deixando exaltados. Mas eu continuava com as minhas convicções, ensinando o que achava correto aos meus alunos.

A vida parecia seguir o seu rumo e cada vez mais estava certo do que queria para a minha vida: Ser um padre e seguir os desígnios de Deus. Mas tudo mudou no momento em que a vi, linda, perfeita, como uma visão de um anjo, trajando uma camisola branca, enquanto corria para socorrer uma pobre criança que acabara de ser assassinada.


No momento em que a vi, senti algo diferente, algo que não conhecia, que mexeu com a minha lascívia, deixou- me por um momento sem ação.


- Seu animal! Seu animal! – Ela me batia com fúria ao imaginar que eu roubava as moedas da criança assassinada, quando eu só estava as juntando para entregar a família antes que os saqueadores as roubassem.


- Lady! Lady! – Tentava segurar seus braços enquanto me batia. - Eu estava as juntando para entregar a família, antes que fossem furtadas. Seriam roubadas em instantes. – Disse tentando acalmar a sua fúria, que deixava totalmente descomposta no vilarejo. Ela caminhou até o menino, ajoelhou-se diante dele e eu me ajoelhei ao seu lado, entregando as moedas em suas mãos. – O que fará com elas¿


- Entregarei aos seus pais, de certo. – Respondeu chorando, com aqueles lindos olhos verdes inundados em lágrimas, a face angustiada e a vergonha por toda aquela situação.



- E onde eles estão¿ - Perguntei olhando em volta.


- Devem estar por aqui. – Respondeu olhando ao nosso redor. – Temos que fazer algo. Não podemos deixar o corpo na rua. – Disse encarando meu olhar profundamente. Parecia enxergar a minha alma, havia um misto de medo e curiosidade em sua face.



- Talvez possamos ajudar. – Disse e me levantei. Caminhei até Jacob e pedi que avisassem que não iria dar aulas.


- Jacob avise que não darei aulas hoje. – Disse para o rapaz loiro, com grandes olhos azuis usando uma túnica preta a sua frente. – Jared, Paul, procurem e avisem aos seus pais. – Disse para os outros dois rapazes, que assentiram com a cabeça e saíram.



Caminhei em usa direção, ajoelhei me diante do menino morto e coloquei as moedas em seus olhos e bocas.


- Tocar isso será um sacrilégio. Ficarão seguras. – Disse observando as lágrimas caírem em seu rosto. – Peguei um lenço e sequei cada uma de suas lágrimas, enquanto observava o seu rosto de anjo, os lindos cabelos negros, a pele branca, a boca desenhada, o nariz arrebitado e a forma enigmática com que me olhava. Naquele momento, soube que estava completamente perdido. Ela era a minha perdição, era o pecado encarnado na forma de mulher para me tentar. Senti meu corpo estremecer, uma sensação estranha revirando o meu estômago, minha sexualidade se agir por baixo da túnica de forma completamente desconhecida, deixando torpe com o medo que sentia das reações em meu corpo. Soube naquele momento que ela era a minha perdição... uma terrível perdição.




1 comentários:

giza disse...

muito linda vou continuar a lê-la,
bjs giza

Postar um comentário