segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Song Fic Vento no Litoral Final

Capitulo final




Eu não achava que a vida ainda me reservaria tantas surpresas. Passei tantos anos na incredulidade, que vivendo em um momento pleno de felicidade ao lado de Jacob e de meu filho, custava acreditar que aquilo era real. Pensava que se tratava de mais um sonho vão. Ai, abri os meus olhos, via Jacob feliz ao lado de Junior, um pai perfeito e amigo, que desde o início buscou não só ser amigo e companheiro, mas ensinar os valores corretos e educar como um verdadeiro pai.



Ele ficou assustado com aquilo tudo, afinal acabava de ganhar um filho com quase dez anos, super esperto e extrovertido. Aquilo foi uma grande novidade, mas logo nos primeiros dias os dois foram se ajustando e parecia que se conheciam há anos. Os dois se identificavam de uma forma tão extraordinária, que às vezes tinha a impressão que eles falavam através do olhar.



Jacob correu atrás do tempo perdido, passeou muito com o filho, ensinou a pescar, sobre o seu amor pelos carros e agora pelos barcos. Os dois saiam e às vezes passavam o dia inteiro na oficina. E meu filho, um pequeno gênio, aprendia tudo muito rápido. Mas o que me encantou de verdade, foi a paciência que Jacob teve para ensinar ao filho alguns técnicas de pintura. E pelo que acompanhei não eram fáceis para aprender.



A nossa vida conjugal era a coisa mais perfeita do mundo. Acho que nunca em minha vida havia sonhado com tanta felicidade. Ele era um amigo maravilhoso, companheiro e paciente demais. Sempre sabia ouvir nos momentos em que chegava estressada do hospital, era um ótimo dono de casa e como passava muito tempo fora, cuidava para que as empregadas mantivessem tudo em ordem. Um grande pai,

isso eu nem preciso dizer. Um amante simplesmente perfeito, maravilhoso, carinhoso, cheio de tesão e fogo, tirando completamente a minha sanidade.



Sempre dizia que precisávamos recuperar o tempo perdido, por isso não tinha limites para o amor que dedicava a mim. As vezes Junior ficava aborrecido, porque queria o pai só para ele. Mas ele fazia com que filho compreendesse que era necessário um tempo só para nós dois. Assim pegávamos o seu barco, uma recente aquisição, que havia chamado de JakeNess Vento No litoral, em homenagem a nossa música, e saíamos pelo mar.



Fazíamos amor praticamente o dia inteiro em meus dias de folga. Eu não me cansava de amá-lo e ele, com todo aquele fogo, nunca se cansava de me dar amor. Ancorávamos o barco perto da “nossa” ilha e lá a entrega era perfeita, como na primeira vez, aliás sempre parecia a primeira vez entre nós dois. Tudo era maravilhoso, nos encaixávamos como duas partes de um quebra cabeça e a nossa entrega era cheia de amor e carinho. Por mais que houvesse muito tesão, química que sempre tivemos, o carinho com que me tocava era a coisa mais linda do mundo e fazia com que me sentisse a mulher muito especial. Eu era especial, muito especial para ele, sempre dizia isso em sussurros em meus ouvidos enquanto nos amávamos de forma intensa.



- Amo você, Ness... Você é a mulher mais linda e especial do mundo. – Sua voz era como uma doce canção para os meus ouvidos. Eu me perdia naquele som rouco e gostoso, que me fazia estremecer e gemidos de prazer explodirem de meus lábios. Nossos corpos pareciam como labaredas. E quando olhava aqueles olhos negros me fitando, tinha a certeza que não se tratava de um sonho. Eu estava acordada, muito acordada para dizer a verdade, e sentia uma súbita necessidade de aproveitar ainda mais dele. Pode até parecer egoísmo, mas algumas vezes senti ciúmes dele com meu filho. Sabia que os dois precisavam de um tempo para se adaptarem, mas quando a preferência era do Junior, ficava um pouco frustrada e fazia bico. Jacob ria achando graça e dizia que o amor dele era tão grande, que ainda tinha muito espaço naquela família.



Meus pais ficaram maravilhados quando souberam de tudo, dona Sônia nem se fala. Pude ver a esperança renascer em seus olhos quando pós os olhos em Junior. Ela dizia que a personalidade dele era bem mais parecida com a de Seth e de certa forma estava sendo recompensada e tinha uma segunda chance na vida.



Anunciamos o nosso casamento, dois meses depois que fomos morar juntos, quando uma noticia fez a nossa felicidade aumentar ainda mais. Não achava que fosse possível ser mais feliz do que já era, mas no final de um plantão eu tive o melhor presente que e poderia me dar.



Tive um súbito desmaio e a Dra Andrew foi me examinar. Achei que não era nada, mais fiz os exames que me pediu e ficamos esperando o resultado do laboratório, enquanto contava para ela a minha história de amor com Jacob, vendo os lindos olhos verdes cheios de lágrimas, que em alguns momentos escorriam pelo seu rosto, tomado pela mais verdadeira emoção com aquelas palavras.



- Dra Andrew, o exame que pediu ficou pronto. A enfermeira entregou o envelope, ela me olhou de forma sugestiva e sorriu. Sabia quais eram as desconfianças, mas não queria ter esperanças frustradas e procurei não pensar sobre o assunto. Encarei como um exame de rotina somente e esperei que olhasse o resultado.



- Dra Cullen, acho que Deus mais uma vez a abençoou. Depois de tantos anos de sofrimento e solidão, além de reviver esse amor tão grande, que mais parece uma dessas histórias tiradas de um livro, a Sra ainda ganhará mais um motivo de alegria.



O seu sonho virou realidade e os desejos do seu menino se concretizaram. - Ela olhou para mim, sorriu e me entregou o papel. – Li o resultado, com os olhos cheios de lágrimas, agradecendo a Deus por mais esse milagre em minha vida. Coloquei a mão sobre o ventre, fechei os olhos e chorei pensando na reação de Jacob e de Júnior.



- Senhor, obrigada por não ter se esquecido de mim. – Sussurrei entre lágrimas.



- Ele nunca se esquece dos seus filhos, Ness. Esse sempre foi o plano dele. Talvez se vocês tivessem ficado juntos naquela época, quando eram jovens e inconseqüentes demais, hoje a relação não existiria mais. Ele os separou e os fez passar por dificuldades para que amadurecessem. Só isso. – Disse com palavras muito sábias e eu assenti com a cabeça.



- É verdade! Jacob sempre me acusava de ver nele um fantasma. A nossa relação estava estranha e acho que não teria sobrevivido se não nos desencontrássemos. Hoje sou grata pela minha vida, a vida da minha família e mais ainda por esse bebê que está crescendo dentro de mim. Ele é a respostas das minhas últimas orações.



- Fico imaginando Jacob... – Ela comentou.



- Ele é sensível demais e provavelmente vai chorar muito. Quero que seja perfeito essa revelação. – Levantei, estendi a mão para ela e agradeci. – Obrigada por tudo.

Agora preciso encontrar uma forma de contar ao Jacob. Acho que vou ao shopping comprar sapatinhos de bebês. – Disse para ela.



- Não quer fazer uma ultra primeiro¿ - Perguntou arqueando a sobrancelha. – Você me disse que eram gêmeos. Quem sabe não tem a mesma sorte. – Levantou-se e caminhou até a porta.



- Você acha¿ - Perguntei incrédula.



- Você viu a taxa de hormônios no exame¿ HUM¿ - Abriu a porta e fez sinal para que saísse.



- Então vamos logo. Estou muito nervosa com isso tudo. – Sai atrás dela e fomos até o laboratório para realizar o exame. Ela conversou com a médica especialista, que era sua amiga pessoal, depois entrou comigo na sala.



- Bem, Dra Cullen, vamos ver como está o seu bebê e se dermos sorte, teremos mais de um, segundo a Dra Andrew. – Fez sinal com a mão para que fosse até a sala ao lado para me trocar. Entrei na sala, tirei a roupa, coloquei o roupão e voltei até o laboratório.



- Deite-se aqui, Dra Cullen. – Ela apontou para a cama.



- Estou tão nervosa com isso. – Comentei e as duas riram.



- Calma, querida! Sei que depois de tudo o que viveu isso é muito importante. Mas fique tranqüila. Na pior das hipóteses, só haverá um. – Dra Andrew disse e Dra Stacie confirmou com a cabeça.



Ela começou a passar o gel gelado sobre a minha barriga e depois o aparelho suavemente sobre ela.



- Bom! – Ela sussurrou e a outra riu. – Acho que vocês dois tem uma tendência a fazer filhos. Quanto tempo disse que se reencontraram¿ - Dra Andrew perguntou.



- Oito semanas. – Respondi ansiosa.



- Acho que foi na primeira, querida. – Dra Stanci concluiu. Sua gestação é de oito semanas. Fico pensando como você não desconfiou antes.



- É que a minha menstruação é irregular. E às vezes costuma a atrasar. Tive um problema há alguns anos e precisei tomar remédios para regular. Como parei os remédios, achei que o atraso era decorrente disso. Mas iria conversar com a ginecologista sobre o caso.



- Entendo... HUM! Olha isso, Anne. – Disse para Dra Andrew.



- É realmente maravilhoso. – Dra Andrew concordou.



- Pelo amor de Deus, fala logo! – Já estava agoniada com aquele suspense todo.



Queria saber rápido se eram dois bebês ou se somente um. Já imaginava a expressão de felicidade no rosto de Jacob, seus olhos cheios de lágrimas, o sorriso do tamanho do mundo e como ele me abraçaria e me beijaria. Também imaginava a expressão no rosto do meu filho, que finalmente tinha a família que sempre havia sonhado ter.



- Dra Cullen, são dois bebezinhos. Espero que seja um casal, mas isso só saberemos mais a diante. Ainda não é possível saber o sexo dos bebês.



- Assim eu choro. – Comecei a chorar feito boba com aquela notícia. Era uma emoção tão grandiosa a noticia de um filho, mas dois era algo surreal. Meu coração parecia que explodiria de tanta felicidade naquele momento. – Quando Jacob souber... – Não consegui nem completar a frase.



- Ele será ainda mais feliz do que é hoje, querida. Ficou muitos anos sozinho a sua espera. Lembro-me que muitas mulheres já cobiçaram aquele pedaço de Bom caminho, com todo o respeito, mas ele esperou por você todo esse tempo. Durante anos construiu aquela linha casa e não deixava ninguém além da faxineira entrar.



Era um amor tão grande, que comovia toda a cidade e quando soubemos que você havia voltado e estavam juntos, foi motivo de alegria para todos. Vejo como ele passa todo orgulhoso com o filho. Agora imagina saber que terá mais dois para cuidar. Estou muito feliz. – Dra Stace disse com olhos cheios de lágrimas.



- Você mesma chegou a dar em cima dele. – Dra Andrew deu uma cutucada nela com cotovelo.



- Isso é passado. – Revirou os olhos e riu. - E o casamento¿ Sai quando¿ - Perguntou para mudar de assunto.



- Jacob e Junior estão me fazendo uma surpresa. Não me disseram nada além de que devo comprar um lindo vestido. É mole¿ Até convite eles já deram e nem sei aonde será. -



- Aproveita esse momento, querida. Vocês três merecem. - Dra Andrew disse.



- Eu vou ao shopping comprar sapatinhos e tentarei fazer uma surpresa para os dois. Ainda bem que o meu plantão já está acabando. Obrigada por terem me ajudado. - Disse, levantando-me da maca, e fui colocar a minha roupa.



--- xx ---



- Amor, aonde você foi? Liguei para casa e Nice disse que saiu com Júnior. - Disse antes de entrar para o carro. Acabara de sair do Shopping, onde havia comprado dois pares de sapatinhos de bebê e pretendia ir para casa encontrar com os homens da minha vida.



- Estamos em Seattle, amor. - Respondeu com a voz rouca e sexy que me fazia tremer. - Trouxe nosso filho para conhecer a loja que tenho aqui. Sairemos em minutos e em duas horas devemos chegar em casa.



- Queria fazer uma surpresa. - Disse desapontada, mas espero vocês em casa.



- Depois que chegarmos, serei todinho seu, meu anjo. - Sorri com a forma carinhosa de me chamar, dei partida no carro.



- Tenho que desligar. Pegarei a estrada agora. - Acelerei de vagar e fui saindo do estacionamento do shopping. - Te amo.



- Te amo muito mais. Estou louco para te sentir em meus braços. - Ele desligou.



Segui para casa, pensando em como fazer uma surpresa para eles. Resolvi primeiro contar para Jacob. Dar-lhe uma caixa de presente com um par de cada cor. Sabia que ele ficaria feliz com aquela surpresa e já imaginava o brilho em seus olhos. Para Júnior, colocaríamos juntos os sapatinhos em sua cama. Ele deduziria logo que teria dois irmãos e com sapatinhos de cores diferentes. A nossa família estaria completa e muito feliz.



Após uma hora e meia cheguei em casa, tomei um banho quente super gostoso, coloquei um lindo vestido preto, que realçava as curvas do meu corpo, prendi os meus cabelos, fazendo uma trança. Fiz uma leve maquiagem e depois fui procurar em meu closet uma caixa de presente para fazer a surpresa.



Depois de virar as minhas coisas, peguei uma caixa de um presente, que veio com um presente que Jacob me deu, fui para a minha cama, sentei, abri a caixa de sapatinhos, um rosa e outro azul, peguei um pé de cada cor, arrumei nas caixa dos sapatinhos menores e coloquei dentro da caixa grande. Peguei o papel de presente ao lado da caixa com os sapatinhos e embrulhei a caixa grande. A outra caixa pequena levei para o meu closet e a escondi, pois colocaria na cama de meu filho depois que Jacob soubesse da gravidez.



Fui para a varanda do meu quarto e me sentei para esperar Jacob. Fechei os olhos e pude sentir a brisa suave batendo em meu rosto, como se estivesse fazendo uma leve caricia sobre a pele. Minutos depois, uma mão grande tocou o meu ombro e a voz maravilhosa que conhecia sussurrou em meu ouvido, fazendo o meu corpo estremecer ao seu toque.



- Demorei muito, meu amor?



- OH Jacob...Eu estava quase dormindo. De repente senti um pouco de sono. Acho que foi esse vento gostoso que me deixou mole assim. - Levantei lentamente da cadeira, virei-me para ele, que puxou o meu corpo pela cintura. Seus olhos encaravam os meus de forma inquieta. Parecia tentar entender o motivo de eu estar tão arrumada aquela hora.



- Está toda arrumada. Vamos sair hoje? - Perguntou dando um selinho suave em meus lábios.



- Vamos jantar fora? Quero fazer algo diferente hoje. Só nós dois. Entende? - Disse dando um sorriso malicioso.



- Júnior ficará frustrado por não jantarmos com ele. Mas amanhã eu compenso isso. - Fez uma caricia em minha bochecha, com as costas das mãos, enquanto continuava me olhando com aquela forma apaixonada que me fazia derreter.



- Amanhã ele estará muito feliz. Eu garanto. - Sussurrei rindo e depois o beijei de forma suave. Nossos lábios se moldaram perfeitamente, com movimentos sutis e depois nossas línguas se encontraram e começaram a se mover lentamente, permitindo que nós aproveitássemos cada movimento.





- Misteriosa... - Ele sussurrou após interrompermos o beijo.



- Agora vá se arrumar e ficar ainda mais bonito para mim. - Dei outro selinho e me afastei. Entramos juntos no quarto e ele foi direto para o banheiro.



- Vou conversar com nosso filho. OK? - caminhei em direção a porta e sai.



Fui para o quarto de Júnior e ele estava jogando videogame. Conversei com ele alguns minutos e expliquei que sairia para namorar com o seu pai. Ele fez um bico e depois começou a rir.

- Vão passar a noite fora? Aproveita tira o atraso, heim mãe? Você anda trabalhando muito.



- Pretendo fazer isso, moleque. - Baguncei os seus cabelos e caminhei para a porta. - Nice trará o seu jantar no quarto. Mas é só hoje. Ta? Beijos. - Sai do quarto e voltei para o meu.



Fui para a varanda e fiquei esperando Jacob terminar de se arrumar. E quando ele finalmente veio, parecia a visão do paraíso com aquela calça caqui apertada, realçando o seu corpo divino e uma camisa de manga social, que cobria os braços até os punhos. Seus cabelos molhados estavam perfeitamente arrumados e o seu sorriso era ainda mais perfeito. O ar me faltou quando vi aquele homem maravilhoso e mais uma vez custei a acreditar que ele era meu... Só meu.





- Perfeito! - Disse enquanto caminhava em minha direção.



- Boba! - Respondeu com rosto cheio de desejo ao olhar para mim. - Você é que perfeita. Às vezes não acredito que é a minha mulher.



- Não vamos discutir sobre isso agora. Hoje a noite é toda nossa. Já conversei com o seu filho e ele mandou aproveitar a noite... Tirar o atraso! - Jacob riu achando graça daquilo.



- Ele não tem jeito mesmo. Não é? - Perguntou fazendo graça.



- Não! Nem parece o nosso filho. - Caminhei para ele, depois o abracei e coloquei a cabeça em seu peitoral. - Agora vamos! A noite é nossa!



Fomos para o restaurante em clima de romance. Jacob colocou os braços em meu ombro e durante todo o trajeto fez caricias em minha pele. Estava realmente ansiosa para saber o motivo daquilo e apesar de eu estar louca para contar, sabia que tinha que esperar mais um pouco.



Chegamos a um pequeno restaurante em Forks mesmo. O Maitre nos apresentou o cardápio, Jacob pediu champanhe e estranhou quando pedi apenas um suco de abacaxi. Depois escolheu salmão, saladas e arroz de entrada para comermos.



Enquanto esperávamos ficamos conversando sobre o nosso filho. Pedi licença para ele e fui até o carro, com desculpa que havia me esquecido da bolsa e precisava ir até o toalete. Fui para o carro e peguei a bolsa, e a caixa de presente, que havia deixado no banco de trás sem que percebesse. Voltei ao restaurante, sentei a mesa e sorri para ele ao lhe entregar a caixa.



- O que é? Hoje é alguma data especial e eu me esqueci? - Perguntou franzindo o cenho e ficou alguns minutos pensativo, talvez tentando se lembrar de algo, até voltar a falar novamente. - Que mistério é esse, meu anjo?- Perguntou e mordeu os lábios. Suas sobrancelhas se uniram enquanto me encarava.



- Você não se esqueceu de nada. - Disse sorrindo, peguei a sua mão e o instiguei. - Não vai abrir o seu presente? - Perguntei com sorriso malicioso.



- Vamos acabar logo com esse mistério. - Respondeu abrindo delicadamente o papel de presente, tomando o Maximo cuidado para não rasgar. Depois me olhou ainda mais surpreso quando abriu a caixa e viu que havia outra caixa dentro. - O que está aprontando, amor? - Perguntou segurando a pequena caixa na mão.



- Abre! - Ordenei arqueando uma das sobrancelhas, enquanto via o seu rosto com expressão ansiosa. Ele abriu calmamente a caixinha e quando viu os dois sapatinhos seus olhos encheram de lágrimas.



- OH Ness! - Explanou com emoção. Já estava chorando quando eu perguntei se havia reparado em algo.



- Não reparou nada?



- Não me importa que seja menino ou menina. Só quero que venha com saúde e que tenha a sua carinha linda. - Ficou passando os dedos no sapatinhos, enquanto me olhava emocionado. De certo não havia percebido a deixa que havia dado.



- Jacob, amor, são dois bebês. - Falei e ele desabou em lágrimas. Parecia envergonhado enquanto tentava limpá-las. E por alguns segundos não conseguiu falar nada.



- Eu não merecia tanto... Amo tanto vocês quatro. - Sussurrou emocionado demais para conseguir falar algo. Levantou-se da cadeira, puxou a para perto de mim e me abraçou. Ficou fazendo carícias em minhas costas, depois se levantou e pediu silêncio.



- Sras e Srs, eu gostaria de dividir com todos a felicidade que estou sentindo. - Pegou a taça de champanhe e a erguei. Todos olharam em nossa direção tentando entender o que se passava. - Gostaria de fazer um brinde. Acabei de saber que serei pai novamente e dessa vez de gêmeos. - Todos aplaudiram e depois ergueram suas taças. Fiquei vermelha de vergonha, mas já era de se esperar por aquela atitude de Jacob.



Todos brindaram a nossa família e depois nós jantamos felizes, enquanto fazíamos planos e pensávamos em nome para o nosso filho. Mas depois de muita conversa, decidimos que deixaríamos Júnior escolher o nomes dos bebês.



Voltamos para casa por volta de onze hora e para nosso espanto, nosso filho ainda estava vendo TV.



Jacob estava tão ansioso para contar, que foi ao nosso quarto para decidir se era o momento. Então fui até o closet e peguei a caixinha pequena que havia escondido. Ele pegou a minha mão e fomos juntos para o quarto do nosso filho.



- Mocinho, sabe que deveria estar dormindo a essa hora. - Jacob disse quando entramos



- Desculpa, pai. Estava ansioso para que voltassem logo. Tive um sonho estranho e perdi o sono. Decidi ver televisão e esperar que voltassem para contar. - Disse bocejando.



- E que sonho foi esse? - Perguntei enquanto nos aproximávamos da cama.



- Sonhei que estava no jardim jogando bola com papai. Ai mamãe vinha com uma menina branquinha de cabelos negros no colo e outra pela mão. Elas parecia ter cerca de 5 anos. Eram espertas e falavam o tempo todo. Ai mamãe veio nervosa e pediu ajuda ao papai. Precisava fazer a comida e não conseguia com as duas atrapalhando. Meu pai forrou uma toalha de mesa na grama e mamãe as colocou. Elas ficavam perguntando um monte de coisas e mamãe estava nervosa com aquilo. Sentamos os cinco sobre a toalha e papai perguntou:



- Letícia e Leandra, o que vocês querem? Por que estão tão inquietas? - Ele pegou Letícia no colo e beijou o seu rosto. Minha mãe me deu Leandra e eu a aconcheguei no meu peito.



- De onde nascem os bebês? A Michelle disse que a mãe dela recebeu a visita da cegonha. - Papai olhou para minha mãe e percebeu o motivo da inquietação. Ela estava envergonhada com aquilo e não sabia o que dizer. Então o senhor respirou fundo e tentou falar, mas também não sabia como explicar. Ai eu comecei a explicar como se fazia uma encomenda para a cegonha, então acordei.



Jacob e eu nos olhamos, comecei a chorar emocionada. De alguma forma ele sabia que teríamos duas criaturas abençoadas na casa. Sentamos em sua cama e Jacob lhe entregou a caixa sem dizer nada.



- EBA! EBA! EBA! - ele começou a pular na cama, mas depois nos olhou consternado. - Tinham que fazer duas meninas? Uma irmã para tomar conta já é difícil. Agora duas? - Franziu o cenho.. - Eu darei conta do recado. Não deixarei nenhum moleque sem vergonha chegar perto delas. - Começamos a rir com o comentário fora de hora.



Aquela noite Jacob e eu fizemos amor de forma intensa. Ele beijou cada pedacinho do meu corpo sem pressa e me amou com tanta intensidade, que achei que morreria de satisfação. Quando a manhã chegou, estava exausta e não consegui sair da cama. Então ele aproveitou para falar sobre os planos de casamento e revelou que seria no seu barco.



Fiquei super ansiosa, mas só me restava esperar até que o grande dia finalmente chegasse.



---xx---



Duas semanas depois



- Esse balanço do barco me deixa enjoada. - Disse enquanto Alice terminava de arrumar os meus cabelos.



- Só está assim por causa da gravidez, querida. Quando Jacob planejou esse casamento não sabia que estava grávida. - Respondeu encarando os meus olhos.



- Tenho certeza que está tudo perfeito. Só o que estraga é esse enjôo. - Falei fazendo uma careta, enquanto sentia o meu estômago se revirando. Era uma sensação terrível e tinha medo de estragar tudo o que Jacob e Junior haviam planejado com tanto carinho.



- Filha, o Júnior trouxe um remédio para enjôo. Ele pediu para lhe entregar quando disse que estava se sentindo mal. - Minha mãe disse ao entrar no quarto.



- Esse meu filho é demais. - Disse balançando a cabeça.



- Ele é bem esperto mesmo. Meu mocinho é um pequeno gênio. - Ela me entregou o remédio e um copo com água. Peguei de suas mãos, coloquei o comprimido na boca, engoli e depois bebi a água.



- Ficará bem, filha. Hoje é o dia que você tanto esperou. Logo esse enjôo passará. - Ela disse para mim.



- Ness, o enjôo é apenas coisa da sua cabeça. Pensa que lá fora está tudo lindo e perfeito. E que o homem da sua vida está te esperando para se casarem.



- É só nisso que penso, tia... Só nisso.



Alice e minha mãe continuaram me arrumando para a cerimônia. E minutos depois estava pronta e linda em um lindo vestido brando tomara que caia, com cumprimento até a altura do joelho. Alice fez uma leve maquiagem em meu rosto, adequada para um inicio de tarde, não muito ensolarado, em um pequeno barco com poucos convidados. Em meus cabelos, ela fez um coque e colocou pequenas presilhas brancas em formato de flores. Tudo era muito simples, mas perfeito para a simplicidade dos noivos e dos convidados que estariam presentes, no geral apenas família e amigos mais íntimos de Jacob e meus.



Quando saímos do quarto, vi que o barco estava todo decorado com flores brancas e fitilhos de seda. A mesa do bolo, de doces e frios era simples e ao mesmo tempo sofisticada. Havia o toque de Alice Cullen, sem duvida alguma.



Caminhamos até o convés e na proa havia um pequeno altar, decorado com rosas brancas e copo de leite. Um tapete vermelho, cercado por pequenas estruturas de ferro enfeitadas com flores e fitilhos faziam um caminho até o altar. A música, instrumental e suave baixa... Nossa música Vento no Litoral, a qual dera o nome aquele mesmo barco.



As pessoas, que estavam sentadas nas lindas cadeiras brancas, se levantaram quando comecei a caminhar pelo tapete vermelho em direção ao Jacob... Meu Amor! Logo atrás de Júnior, que estava lindo em um fraque preto carregando as alianças.



O sorriso de Jacob era lindo, encantador, maravilhoso e como sempre, com a beleza monumental, tirava-me o ar e deixava o meu corpo trêmulo. Meus olhos estavam cheios de lágrimas, meu coração batia muito rápido, parecia uma britadeira, uma estranha sensação se formava em meu estômago, não era enjôo, parecia que um enxame de abelhas fazia a festa dentro de mim. Sentia-me como uma garota boba de 17 anos ao olhar o sorriso mais lindo do mundo.



PVO Jacob



Apesar de tudo que construí, ao longo daqueles solitários anos, nenhum bem material se comparava com a felicidade de possuir os bens mais importantes da minha vida: Minha família.



Já havia pensado muitas vezes nos preceitos de Deus, mas naquele momento sabia que ele me amava muito e permitiu que eu sofresse por um bem maior. E hoje sei perfeitamente disso.



Se naquela época, com atitudes intempestuosas de um rapaz apaixonado, houvesse reencontrado com Ness provavelmente a nossa relação teria acabado antes mesmo de se estabilizar. Não me entenda mal. Eu a amava muito, não menos do que amo hoje é claro, mas eu me sentia inferior e achava que ela via o fantasma de meu irmão em mim.



Hoje me dou conta disso. Realmente percebo o quanto o meu ciúme, de alguém que nem estava mais nesse mundo, seria capaz de influenciar as minhas ações. Lembro-me que em mais de uma ocasião eu a magoei muito. Fui infantil, duro e muito perverso em minhas colocações, mesmo sem a intenção de fazer mal. Pelo contrário, o meu amor era tão grande que as minhas palavras duras doíam mais em mim do que nela, mas o ciúme me cegava e não deixava com que percebesse o quanto realmente me amava. Por isso, acredito hoje, que teria estragado tudo e certamente ela me odiaria após um tempo convivendo com brigas e ciúmes. Hoje vejo isso e admito que não fui muito legal em algumas ocasiões. E Deus foi tão bom, que permitiu que sofrêssemos tanto tempo para que hoje pudéssemos viver uma felicidade plena.



Minha mãe disse para mim quando ela conheceu o seu neto e reencontrou com Ness.: - Deus faz tudo na hora certa e conforme a sua vontade. Ele só estava preparando o terreno para terem uma vida feliz. Agradeço pelo sofrimento que tive, porque mesmo tento perdido um filho, hoje Ele me dá a chance de recomeçar com meu neto. Sou grata pelo sofrimento que me torna mais forte e mais feliz hoje.



Sou um cara simples, apesar de tudo o que consegui na minha vida, gosto de uma vida tranqüila e aprendi a ver o belo em coisas singelas e delicadas. Todos os meus bens não são maiores do que o amor pela minha família. Eles apenas se tornaram uma fonte para dar a eles o conforte de uma vida tranqüila. Mas sabe qual o meu maior tesouro? O que tenho de mais caro e se pudesse colocaria em um cofre? Isso mesmo! Acho que você acertou. O meu maior tesouro é a minha família e hoje sinto um enorme orgulho, diante desse altar, a espera da mulher da minha vida e a razão da minha existência.



Já vivemos juntos a pouco mais de dois meses, desde o dia em que nos reencontramos, e nós três somos plenamente felizes. Tenho um filho que é um verdadeiro tesouro, apesar de falar demais, e o amo demais. É um tipo de amor diferente. Não sei ao certo explicar o que sinto quando me vejo nele, quando percebo o quão especial aquela criança é e se fosse preciso, sinceramente, daria a minha própria vida para que ele ficasse bem e feliz.



Lembro-me da minha relação complicada com meu pai. E hoje, depois de descobrir a dádiva de ser pai, não entendo realmente como ele pôde ser tão duro e demonstrar total falta de amor por mim, e principalmente pelo meu irmão, a quem nunca teve a preocupação de procurar para saber se estava vivo ou morto. Acredito eu, hoje relembrando de tudo, que ele se quer sofreu pela morte de Seth. Olho para o meu filho e penso no que seria da minha vida se ele se fosse. Acho que não agüentaria. Não mesmo! Peço a Deus que não permita que nenhum de meus filhos morram antes de mim. Não conseguiria suportar perder nenhum deles.... Ah! Eu me esqueci de contar que Ness está grávida e o melhor de Gêmeos.



Quando ela me fez a surpresa e me contou que estava grávida, a ficha não caiu e nem me dei conta de que as cores diferentes significavam que eram gêmeos. Isso não é uma dádiva de Deus? Realmente sou muito abençoado, porque possuo uma riqueza que muitas pessoas procuram em não encontram... Filhos!



Desde o dia da notícia até hoje, o dia do nosso casamento, passaram-se apenas alguns dias e fiz o impossível para cuidar da minha pequena. Sinceramente, se fosse decisão minha, ela não trabalharia mais e ficaria em casa. Acho que é um sacrifício muito grande agüentar tantos plantões enjoada do jeito que está. Mas minha Ness é teimosa e mesmo se sentindo péssima, a maioria dos dias, faz questão de continuar a trabalhar e ter a sua independência.



Admiro muito a minha mulher e digo isso para ela todos os dias. Sua dedicação com os seus pacientes é louvável e acho que continuará trabalhando até a proximidade do parto.



Hoje é um dos dias mais felizes da minha vida. Um daqueles que você guarda para sempre na memória, na lista dos dez melhores, e pretende nunca se esquecer de nenhum detalhe. Agora, bem nervoso devo confessar, estou aqui diante do lindo altar preparado para o nosso casamento, super nervoso e não paro quieto. Se pudesse, entraria no quarto e a traria logo para cá. Não vejo a hora de chamá-la finalmente de “esposa”, mas sei que devo esperar e que a tia, muito maluca por sinal, está fazendo o melhor para que ela esteja ainda mais linda do que já é.... tenho até medo de não agüentar esse tipo de emoção.



O barco está todo decorado e deu um trabalhão fazer uma decoração legal aqui. Mas Junior teve a idéia e ligou para tia maluquinha, que nos ajudou com os preparativos, mesmo a distância. Ela pensou em todos os detalhes e veio uma semana antes para averiguar se nós dois tínhamos feito tudo como pediu... Como não fazer? Meu filho é um verdadeiro gênio. Estou até pensando em procurar uma escola para crianças superdotadas. Voltando ao assunto do casamento, passamos três semanas organizando tudo, compramos tudo o que Alice pediu, contratei a melhor equipe de Buffet e coloquei a organizadora de eventos em contato com ela. E hoje, olhando para essa decoração, que apesar de muito simples, está divina. Sei que Ness vai gostar e imagino as lágrimas em seu rosto quando ver.



O melhor de tudo não é o que acontecerá dentro do navio. Sim a cerimônia religiosa de baixo da água. Também idéia do meu pequeno gênio, que decidiu casar os pais no meio dos peixes e dos cavalos marinhos. Por isso procurando um pastor que soubesse mergulhar, um fotógrafo e um cenógrafo que fizessem o trabalho embaixo da água. Montamos as placas com os dizeres de todos e até fizemos roupas de banho que dessem a impressão de estamos vestidos para casamento... também idéia de Junior, que me fez ir atrás de um design famoso e bem caro, devo dizer.



- Calma, Jacob! Parece que vai explodir. – Edward, meu sogro, disse para mim enquanto andava de um lado para o outro. – Mesmo que ela queira fugir, não pode. Estamos no meio do mar. – Fez uma pequena piada.



- Eu sei... Não sabe quanto tempo sonhei com isso. – Disse nervoso, com as mãos suando frio e trêmulas.



- Pai, mamãe te ama e está tão nervosa quanto o senhor. Fica frio e tenta demonstrar calma. Só falta vocês dois estragarem tudo o que planejei. – Junior disse interrompendo nossa conversa.



A música suave começou a tocar e a outra tia fez sinal para todos se colocarem em seus lugares. Aquela era a versão instrumental da nossa música e apenas aquele som era capaz de me emocionar. Lembrei-me das vezes em que ouvimos juntos, um filme se passou em minha cabeça e vi toda a nossa história se passar em várias cenas. Naquele momento a mulher da minha vida, a que soube que seria minha, desde o primeiro olhar, desde o momento em que a tive desmaiada em meus braços. Ela era linda demais, sua beleza ofuscava a minha visão, já turva pelas lágrimas que começaram a se formar sem mesmo perceber. Estava demasiadamente emocionado, vendo as lágrimas em seus olhos enquanto caminhava pelo tapete vermelho, de braços dados com o pai, na minha direção. Sua expressão era de um querubim, cheio de luz e esplendor. É tão difícil descrever cada sentimento que se formou em mim, fazendo cada célula do meu corpo reagir aquela visão. Expressar com palavras, é impossível. E se houvesse uma forma de medir as emoções, seria comprovado que estava no auge da minha felicidade.



Passo a passo, meu anjo caminhou para mim e quando finalmente ficamos diante um do outro, não pude conter os impulsos de tomá-la nos braços e beijar a sua testa. Um beijo doce, cheio de ternura e respeito que o momento pedia. Nossos olhos se encontraram logo depois me perdi naquele oceano. Aquele brilho aqueceu ainda mais o meu coração, seu sorriso fez milhares de borboletas brincarem em meu estômago, como se ainda fosse um adolescente que havia acabado de me apaixonar. Ficamos em silêncio até que o juiz de paz chamou a nossa atenção e começou a falar sobre o casamento.



- Estou realmente muito feliz pela oportunidade de celebrar esse matrimônio. Todos nessa cidade conhecem a história de Jacob, viram e acompanharam o seu sofrimento. A dedicação que teve dias a fio naquela casa. O seu castelo particular, o qual não permitiu que ninguém entrasse. – Eu chorava, Nesse chorava e olhei para trás e vi que a maioria dos convidados também estavam a chorar. – Um amor tão grande, tão lindo que continuou florescendo no coração dos dois. Deu frutos... – Olhou para Junior e sorriu. – Um belo e inteligente fruto. Uma criança inteligente, amorosa e muito educada. E pelo que conversamos a poucos, o seu maior desejo na vida é ver os pais felizes. Ele me disse emocionado: Eu não agüentava mais ver minha mãe sofrer. Por todos esses anos ela o amou como no primeiro dia. – Olhei para o meu filho e ele se esforçava para segurar as lágrimas. Meu coração apertou ainda mais. – Jacob me contou sobre os anos que Ness ficou sem ele. O relato mais triste e emocionante do mundo. Tenho certeza absoluta que esses dois nasceram para ficar juntos. Que foram feitos um para o outro e que dedicarão a sua vida pela felicidade do seu cônjuge.

Não preciso nem dizer que nós não nos casamos para sermos feliz. Mas sim para fazer o outro feliz. Sei que isso é o desejo mais profundo do coração desses dois apaixonados. Isso me lembra uma passagem da bíblia que diz:





"Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.



Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência: ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, nada serei.



E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso se aproveitará.



O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.



O amor jamais acaba. Mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará. Porque em parte conhecemos e em parte profetizamos. Quando porém vier o que é perfeito, o que então é em parte, será aniquilado.



Quando eu era menino, falava como um menino, sentia como menino. Quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.



Porque agora vemos como um espelho, obscuramente, e então veremos face a face; agora conheço em parte, e então conhecerei como sou conhecido.



Agora, pois, permanecem a Fé, a Esperança e o Amor. Estes três. Porém o maior deles é o Amor".

Carta de Paulo aos Coríntios.





- Agora, só por protocolo, eu pergunto a você Renesmee: é de sua livre vontade receber esse homem? Para amar, respeitar, ser fiel, cuidar e ser sua companheira por todos os dias de suas vidas? – Perguntou sorrindo para ela.



- Eu... eu... – Ela tentava enxugar as lágrimas, falando com a voz embargada. – Eu prometo... Prometo tudo por ele. – Peguei a sua mão e beijei por alguns segundos. Levei minha mão até o seu rosto e sequei as suas lágrimas, depois o beijei suavemente, enquanto ela ainda continuava a chorar.



- E você, Jacob? É de sua livre vontade receber essa mulher? Para amar, respeitar, ser fiel, cuidar e ser seu companheiro por todos os dias de suas vidas?



- Eu prometo que só viverei para fazê-la feliz. Nada mais importa além dela e dos nossos filhos. – Ela ainda chorava muito e mais uma vez tive que secar as suas lágrimas. Junior me passou um lenço, certamente já estava preparado para aquilo, e ficou observando a mãe se acabar de tanto chorar.. – Está tudo bem, meu anjo. Não precisa mais chorar. Se depender de mim, nunca mais haverá lágrimas nesse rosto.



- Eu... eu... eu te amo, Jacob. – Ela gaguejava de forma emocionada.



- Eu te amo muito mais, amor. Razão do meu viver. Prometo que nunca mais ficaremos longe um do outro e que vou te recompensar por cada lágrima que já chorou. –Nossos olhos não conseguiam desviar um do outro por um instante se quer.



Rarara



- As alianças? - O juiz pediu para Junior, que as entregou prontamente. – Essas alianças são um elo entre vocês. Todas às vezes que olharem para ela, se lembrarão das promessas que fizeram, do respeito, amor, lealdade e companheirismo que prometeram um ao outro. – Ele entregou uma a mim e outra a Ness.



- Repita comigo Jacob... Ele falou baixinho e depois segurando a mão de “minha esposa” fui repetindo.



- Renesmee, receba essa aliança em sinal do meu amor, lealdade, companheirismo e fidelidade. – Coloquei a aliança em seu dedo e o beijei.



- Agora você Renesmee. – Ele disse a ela.



- Jacob, receba essa aliança em sinal do meu amor, lealdade, companheirismo e fidelidade. Eu te amo muito. – Ela concluiu ainda chorosa.



- Eu os declaro marido e mulher pela autoridade da comarca de Forks... Ah! Esqueci de perguntar se alguém é contra o casamento. Tem alguém contra ai? – Ele disse rápido e todos riram. – Então eu os declaro marido e mulher. Vamos assinar os livros e pode beijar a sua esposa. – Ele virou o livro para nós e depois nos deu a caneta. Eu assinei onde estava marcado um X e depois dei a caneta para Ness. Terminamos de assinar, ela se virou para mim, segurei o seu rosto com as duas mãos e lentamente levei os meus lábios até os seus. Nossos lábios se moldaram perfeitamente e se moviam em perfeita sintonia, enquanto os nossos convidados aplaudiam calorosamente.



- Eu te amo... – Sussurrei entre beijos.



- Eu nunca me cansarei de ouvir isso. – Ela sussurrou para mim.



- Mãe, ainda tem mais uma surpresa. – Junior disse, quebrando o nosso clima.



- Mais surpresas? Que surpresas? – Ela perguntou franzindo o cenho.



- O casamento religioso em embaixo da água. A senhora precisa ir se trocar e colocar a roupa especial que mandamos preparar para você. – Ele disse com sorriso travesso.



- Roupa especial? Casamento embaixo dágua? Hummmmm... – Ela murmurou.



- É amor. O nosso filho é muito imaginativo e achou que deveríamos nos casar junto aos peixes e cavalos marinhos. – Disse para ela.



- OMG! – Os dois homens da minha vida só aprontam. Tudo bem! Vou me arrumar. – Ela me deu mais um selinho e saiu para se arrumar após abraçar os convidados e familiares que assistiram a cerimônia.



- Pai, você também precisa se arrumar. – Junior disse para mim.



- Já estou com a roupa de mergulho embaixo dessa. E por sinal estou morrendo de calor.



- Até que o senhor é esperto. – Ele riu e começou a tirar a sua roupa. Ai percebi que ele havia feito a mesma coisa.



- Esse é o meu garoto.



- Tal pai, tal filho. – Ele disse rindo.



Fui cumprimentar os convidados e depois entrei em uma das cabines para tirar o fraque.



Minutos depois alguns convidados, o pastor, o fotografo e o rapaz da filmagem já estavam preparados para o mergulho. Ness estava linda com aquela roupa de mergulho com desenho de vestido de noiva e eu não fiquei nada mal com a minha que parecia um fraque de casamento. Meu filho era mesmo um pequeno gênio. Pensei naquele momento, percebendo que a filmagem sairia perfeita.



Ele entregou algumas placas com dizeres para alguns convidados e para o pastor, então colocamos os nossos tubos de oxigênio e mergulhamos.



O local escolhido para o mergulho foi estratégico e mergulhamos várias vezes a procura de um local onde houvessem não somente peixes, mas tartarugas marinhas, pequenos polvos e cavalos marinhos. Naquele momento vi que todo o nosso esforço na escolha do local havia valido apena e percebia minha esposa maravilhada com a paisagem de aquário em que estávamos inseridos.



O pastor levantava algumas placas, com dizeres sobre o casamento, muito parecidos com o discurso que o juiz de paz havia feito. Nas placas também haviam passagem da carta de Paulo aos Coríntios. Entre a linda diversidade marinha que passava por nós, dissemos SIM levantando as placas entregues por Junior. Depois tiramos o tudo de oxigênio de nossas bocas e nos beijamos. Tudo foi filmado e fotografado com equipamentos especiais e imaginava como o material ficaria lindo.



Depois que a rápida cerimônia religiosa, mais uma benção na verdade, acabou os convidados, o pastor e a equipe emergiu e ficamos mergulhando juntos. Junior até quis ficar segurando vela, mas vi quando o seu avô o puxou pela orelha. Quis gargalhar naquele momento. Certamente gargalharia muito depois ao me lembrar do fato.



Ness e eu nadamos até a ilha, que estava bem perto do local onde mergulhamos, e lá tiramos as roupas de mergulho, o cilindro de oxigênio e ficamos namorando na areia, como fizemos há dez anos antes.



- Você se lembra da nossa primeira vez? – Eu perguntei ao me lembrar daquele dia. Foi tudo tão perfeito, tão lindo que se pudesse voltaria no tempo para reviver aquele momento.



- Como me esqueceria? Eu fui tão feliz aquele dia. Me entreguei a você de corpo e alma. Foi tudo tão perfeito e no final eu estraguei tudo. – Ela disse manhosa.



- Eu fiz uma tempestade em um copo d’água e estraguei um dia perfeito. Pode me perdoar por isso, meu amor? O que devo fazer para obter o seu perdão por todas as lagrimas que a fiz derramar? – Seus olhos brilhavam tanto, que pareciam pequenos diamantes. Havia uma expressão de felicidade e contentamento que me fazia bem. Éramos completos juntos e nada mudaria aquele fato.



- Acho que não pode me amar mais do que você me ama. – Ela sussurrou dando selinhos em meus lábios.



- Eu te amo tanto que chega a doer. Se você soubesse...



- Eu sei. Esqueceu que compartilho esse amor com você. E a prova disse está aqui; - Ela colocou a minha mão em sua barriga.



- Amor, vamos mudar de posição? Não quero que o peso do meu corpo machuque nossas meninas. – Sai de cima dela e deitei de costas na areia. Depois puxei o seu corpo para cima do meu.



- Amor, acho que essa posição não é muito legal. Se bem conheço o nosso filho, ele deve estar com um binóculo nos vigiando. Que tal irmos para dentro da água. Lá podemos ficar a vontade. – Ela disse com expressão preocupada.



- Acha que ele nos vigiaria? – Perguntei olhando para o barco.



- Você tem dúvidas?



- Não! Conheço o nosso menino.



- Pois é... Agora me diz. Tem tanta certeza que são duas meninas?



- É claro! Depois do sonho do pestinha do nosso filho, não tive mais dúvidas quanto a isso. Acho que terei tanto trabalho se elas forem parecidas com você. – Levantei da areia, peguei a sua mão e a conduzi para a água. – Vem! Vamos fazer amor embaixo da água. Precisamos ficar bem cobertos para ninguém perceber.



- Acha que ele não perceberá? Bobinho! – Ela deu um tapinha em meu ombro.



- Você está se sentindo bem? Não esta mais enjoada? – Perguntei preocupado e ela negou com a cabeça. Então vamos aproveitar a nossa lua de mel. Ela começa agora.



- Já estamos em lua de mel, seu bobo. – Já estávamos com nossos corpos cobertos pela água, Ness prendeu as suas pernas em minha cintura, senti minha ereção de formar com desejo ardendo em meu corpo, toquei os seus seios pelo tecido do seu biquíni e vi o seus sorriso se abrir ainda mais lindo.



- Sempre estaremos em lua de mel, bobinha... Eu quero te amar como no primeiro dia por todos os dias de nossas vidas. – Colei os meus lábios sobre o seu e selei o nosso beijo de forma ardente e apaixonada.



Hoje me perguntam o que é felicidade. Sabe o que digo? Felicidade é olhar para a minha mulher acordando todos os dias e mesmo com corpo envelhecido pelo tempo, os cabeços brancos embaraçados sentir que ainda está tão linda quanto no primeiro dia. E ter momentos de risos com meus filhos e netos, sabendo que independente do que acontecer, eu sempre os amarei e sempre serei amados por eles. Vivo a minha vida um dia após o outro, sem pressa, aproveitando cada momento de forma intensa como se fosse o último. E mesmo após esses cinqüenta anos, com o corpo envelhecido e fraco pela idade, ainda tenho a mesmo fogo pela minha esposa. Ainda acho a mais linda e perfeita do mundo. Fazemos amor e curtimos a nossa nova fase de forma intensa. Nossos filhos, hoje adultos, são felizes por ver que os pais continuam ativos e apaixonados mesmo depois desse tempo. E quando me perguntam qual o meu maior desejo, digo que é continuar vivo para amar cada vez mais essa mulher que me deu tantas alegrias... Esse é o meu desejo.



FIM


Nota Glau: E ai? Gostaram? Essa fic conseguiu conquistar vocês. Ah pessoal digam o que acharam dela. Eu fiz tudo com tanto carinho e estou super emocionada nesse final


Ela foi bem maior do que o planejado, conseguiu me emocionar muito e me fez suspirar muitas vezes com essa trama. Agora me sinto triste por ter chegado ao fim.


Espero sinceramente que tenham gostado.






Entrarei de férias em fevereiro e terei tempo para trabalhar os meus projetos. Tenho mais duas song fics para fazer, guerra dos sexos, o anjo e a bruxa. E espero conseguir me organizar até la.


De momento, eu me dedicarei apenas a Herdeira, que está bombando, e tentarei reduzir ao máximo os acontecimentos para a fic não ficar muito grande.


Quando ao concurso que farei, será uma song fic e estou tentando encontrar uma música ideal para ela. Ele será realizado no meu blog e não no Nyah, mas avisarei quando for lançado.

Gostaria de agradecer aos comentários e recomendações que recebi ao longo dessa fic. Termino esse trabalho muito satisfeita com o resultado final.






OBRIGADA PELO CARINHO E BJUS NO CORE




N/Heri : ah fala serio, foi ou não lindo e inesquecível final feliz, casamento em baixo dágua a Glaucia tava inspirada, agora entendo a briga com seu marido pra usar pc. Gente muito bom estar com Glaucia e vocês nessa fic, dei pontinhos as novas, até uma próxima quem sabe! Gostaram? Amaram? COMENTEM GIRLS....E RECOMENDEM... autora merece........xeruuuuuuuuuuuus.











3 comentários:

michely disse...

WOW !!

Amei essa fic do ínicio ao fim !

Foi realmente emocionante,intensa e tão real! Cada capitulo,cada palavra,cada parágrafo nos emocionando tanto.
Ainda tem as lições ki tiramos dessa história ! De vivermos cada dia como se fosse único,nos arrependermos de nossos erros e de nos certificarmos do ki é realmente importante.

Pois o amor vale mais do que ouro e prata !


AMEI AMEI AMEI
Parabéns pela fic e... até a próxima !!
Bjinhos :*

Anônimo disse...

a historia e o final foram lindo amei .
parabenés.

Deia disse...

Não podia deixa de falar algo agora no fim dessa historia linda, como eu amo Vento no Litoral, essa é a minha preferida.
A forma como eles se conhgecer, como sofreram, só podia ter um final feliz assim, o Jake e a Nessie dessa historia não poderiam ser menos felizes.
Essa historia é algo que temos que levar para a vida.
Beijos

Postar um comentário