quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Doce Vingança Final

Capitulo final
By Mica Black

— Nessie.Aquela voz rouca e viril flutuou por sua mente, como o murmúrio de uma suave brisa. Encolhida contra o peito de seu marido, Renesmee murmurou algo ininteligível em seu sono. — Chegamos,  - sussurrou Jacob. - Levo-a para dentro nos braços?

— Chegamos? - Renesmee abriu os olhos de repente e se levantou.

 — É incrível, mas dormiu durante todo o caminho até o castelo. Uma vez no pátio, Jacob desmontou e baixou Renesmee na carruagem junto com Brandom que também estava dormindo. A criança bocejou e se despertou logo tomando o braço de Jacob e se encaminhando para o castelo. Quando atravessaram a porta do exterior, os sentinelas lhes receberam com gritos de alegria.
 — Renesmee! — gritou uma voz familiar. Sue se dirigia para eles com o mais encantador dos sorrisos no rosto.
 — Sue!Renesmee se avivou imediatamente. Soltou o braço de seu marido e correu para  Sue, a qual a abraçou entre risadas.
Jacob pediu silêncio para todos ali presentes e anunciou que sua família estava de volta e apresentou seu herdeiro Brandon Cullen Black.Todos aplaudiram o futuro Lorde.
— Sentem-se à mesa, e lhes trarei o jantar - disse a governanta. Renesmee se sentou entre Jacob; e Brandom, na mesa principal.
Renesmee olhou para uma menininha que entrava no salão. Ela  tinha o cabelo negros como a noite, e Renesmee estava decidida a perguntar ao Jacob se era sua filha. Então tinha que perguntar, só desejava que confirmassem suas suspeitas. Sam se deu conta de que Renesmee olhava com insistência à menina.
—É melhor que o diga, - murmurou então a Jacob.
—Sim - respondeu com um suspiro enquanto observava a sua mulher.
— Eu estava adiando esse encontro, mas é inevitável. É necessário fazê-lo agora, antes que as coisas compliquem e saíssem do meu controle.
— Selena, vem aqui conosco; quero que conheça duas pessoas muito importantes para o papai. - Anunciou Jacob. Selena veio assustada, com os dedinhos enrolados no vestido, e foi direto sentar no colo do pai. Jacob chamou Brandom para se sentar na outra perna dele, e Renesmee sentiu uma lágrima sair ao ver essa cena tão íntima entre pai e filhos.
—Brandom , essa é Selena, a sua irmã.
Brandom olhou para ela e sorriu, e Selena fez o mesmo. Nesse momento, Brandom não se sentiu sozinho, como se sentia a maioria do tempo. Devido à falta de vizinhos onde morava, ele não havia com quem brincar, e a sua pobre mãe passava o dia trabalhando. Por esse, motivo, o seu sorriso abriu-se ainda mais, ao notar que essa nova fase de sua vida pudesse ser ainda mais feliz, ainda mais amada.
 — Selena, essa é a mulher de papai.
Selena olhou meio de rabo de olho em Renesmee e murmurou. — Mamãe não gosta dela!
Uma pontada de dor fez com que Renesmee franzisse o cenho.
—Selena, não é porquê a sua mãe não goste de mim que você também não irá gostar. Prometo que seremos grandes amigas.
  A calma e serenidade contida na voz de Renesmee tranqüilizaram a criança, que assentiu com a cabeça, sem discordar com uma pessoa mais velha. Brandom, porém, interveio: — Selena, a minha mãe é muito boa, e cozinha muito bem! Além de que ela conta histórias para eu dormir, que são super interessantes, com lutas entre cavalheiros e princesas sendo resgatadas! - A pequena criança contida no colo de Jacob imitou com as mãos movimentos com uma espada imaginária, enquanto a sua fantasia permitia que ele derrotasse dragões com o simples gesto. Renesmee sorriu ao ver o apoio do seu filho, sem nem imaginar que ele gostasse tanto assim dela. Ela, afinal, vivera infeliz durante anos e tinha receio que havia feito-o infeliz também. Brandom prosseguiu, desviando os enleios de Renesmee: —  E eu a deixo contar historias para você dormir também.
—Por favor, Senhora, me conte histórias de princesas. A minha mãe não conta histórias para mim. - Selena fez uma leve careta, assim como sentiu o seu coração apertar, devido à insignificância com que os seus pais a tratavam. Jacob era afetuoso; a maioria do tempo, porém, desperdiçara com os seus pensamentos vidrados a sua paixão jovial. Já Leah não se importava com a filha; sempre a cuidou apenas para prender Jacob a ela. O que fracassou e, consequentemente, ela passou a odiar a própria filha. Renesmee soltou um sorriso de gratidão por Brandom incentivar a menina a gostar dela.
 —Selena, mostre ao seu irmão o estábulo.
—Vamos, os cavalos são lindos! - Os dois saíram de mãos dadas correndo para o estábulo.
—O que fazemos com Selena?A dor se amontoou em uma esquina do coração da Renesmee quando se deu conta de que, agora, o que ele precisava era saber se ela aceitaria sua filha.
—Selena é sua filha; e, pelo pouco que vi, parece-me que é uma boa menina. Nunca o abandonaria só pelas desafortunadas circunstâncias de seu nascimento.
 —Agradeço-lhe por isso.
—Não precisa me agradecer nada. E Leah onde se encontra?
—Leah não mora aqui, só Selena. Comprei uma casa para ela e dou-lhe uma mesada.
 —Ela não vem ver a filha?
—Sim, mas você sabe como Leah é não é? Ela apenas usou a filha como um objeto de necessidade para ter aquilo que se quer, o que apenas faz-lhe desmerecer a linda criança que teve.
 —Ainda bem que Selena tem um pai como você.
 —Tenho que revelar que não fui um pai presente para ela desde que você se foi, Renesmee. Eu me transformei em um homem do qual não me orgulho de falar. Eu só me contentava com bebidas; nunca dei a devida atenção que ela precisava. Nem o devido valor que ela merecia.
 —Agora você tem três pessoas que precisam de sua atenção.
—Três?
—Sim: Selena, Brandom e eu!—Pensei que você fosse anunciar uma gravidez! - Jacob demonstrou-se, relativamente, aliviado.
—E você ficou feliz que não foi essa a minha intenção? - Indagou Renesmee, arqueando a sobrancelha.
—Eu ficaria com o maior dos sorrisos já vistos nesse reino, e em qualquer outro reino de toda a Inglaterra, caso você me desse mais um herdeiro ou herdeira. - O sorriso torto de Jacob deixou Renesmee sem resposta por um momento.
 —Então me desculpa por fazê-lo infeliz. - A retrucou, após uma longa pausa.
—Eu nunca serei infeliz enquanto estiver ao seu lado. - Jacob completou, tocando na face delicada de Renesmee; e, apenas não a beijando, porque estavam em público.
—Desse jeito, começarei a achar que somos a família mais feliz do mundo! - Renesmee comentou faceira.
 —Não existe família feliz incompleta...
Renesmee não respondeu, lembrando-se da sua família, aquela que ela não via há anos e que sentia mais saudades do que achar que o seu coração seria capaz de agüentar.
—Por falar nisso, querida, o seu irmão Emmett se aliou a mim para te procurar. — Jacob dissera, hesitante diante da possível aceitação ou recusa de Renesmee.Esta olhou como se não acreditasse no que seu marido acabara de revelar.
—Como???
—Sim! Não somos mais inimigos. — Declarou Jacob com orgulho.
 Mais tarde, Renesmee entrou no seu quarto conjugal e sorriu. Jacob não havia mudado nada no quarto; era como se ela voltasse no tempo — para aquela época em que eram apenas sorrisos e afagos, sem sofrimento ou arrependimentos.
Jacob a fitava, sentindo-se como que preso ao chão, ouvindo aquela risada. Era algo de que se via privado fazia anos, mas ainda era tão familiar! Nenhuma mulher ria como Renesmee. Tão inocente e tão sensual, aquele riso sempre fora capaz de fazê-lo sonhar. E o desejo aflorou com toda a força.
— Jacob, qual o problema?
— Eu me recordo desse som, Renesmee. Sempre adorei sua risada.
Ela, então, ficou séria. Seguindo seu olhar, viu-a fitar fixamente sua cama.
— Eu lhe asseguro que nenhuma mulher jamais dormiu ali. — Jacob interveio os seus pensamentos inseguros.
— Nem mesmo a Leah?
— Não, Renesmee; eu te juro.
— Ó, –  Renesmee fingiu desalento e logo tentou lhe bater, mas Jacob lhe agarrou a mão e a reteve cativa, contra as musculosas planícies de seu corpo de guerreiro. Depois, a beijou docemente e longamente.
 — Nessie, minha vida. — Murmurou, saboreando a sua proximidade. – Jura que nunca voltará a me abandonar?
— Juro.
A noite era interminável no quarto do casal que dormia. Eles eram como os amantes resistentes em separar-se. Quando Renesmee caiu no chão pela segunda vez, soltou uma maldição e fez um movimento para a cama de casal vazia, mas Jacob a arrastou de novo para ele e a pôs em cima dele. Depois de satisfazê-la apaixonadamente uma vez mais, reteve-a naquela posição. Jacob abriu os olhos e se perguntou se era de dia ou de noite. Renesmee estava em cima dele como uma colcha de seda, lhe fazendo cócegas no pescoço com seu fôlego de gatinha. Jacob considerou a idéia de despertar Renesmee com uma íntima estocada. Aquele excitante pensamento despertou o lobo; e, com as mãos sobre as nádegas de sua esposa, Jacob cresceu e se moveu em seu interior.
— Mmmm... - Reensmee gemeu em sonhos. Resmungando entre dentes, pois lembrou que tinha negócios a cumprir, Jacob saiu de debaixo de sua esposa, que ainda dormia, e sorriu ao ver suas costas e suas nádegas nuas. Que o levassem aos demônios, mas Nessie tinha o traseiro mais atrativo do mundo!Jacob se lavou e se vestiu. Depois, se sentou na beira da cama de casal, inclinou-se e deslizou a língua pela nuca de Renesmee. Ela ficou tensa e deu meia volta. Logo sorriu sonolenta ao seu marido, o qual foi incapaz de resistir à tentação de abaixar-se contra os seios de sua esposa e lamber os seus rosados mamilos. A respiração de Renesmee se converteu em um áspero afago.
 — Seu corpo excitaria um monge à luxúria - disse Jacob. Logo riu e acrescentou: —  Estou seguro de que o Papa seguiria seus seios até as portas do inferno.
— E você?— Por desgraça, - respondeu, importunando um dos mamilos com os dedos -, devo tirá-las da cabeça até esta noite. Brandom está nos esperando, – Jacob riu entre dentes ao perceber a decepção de Renesmee.A semana saiu maravilhosamente: Renesmee se adaptou ao seu lar novamente; Brandom e Selena não se desgrudavam mais, o que eles achavam mais estranhos era o desaparecimento de Leah , ela nem não vinha ver a sua filha.
Jacob e Renesmee estavam na sala de música, abraçados, ouvindo uma bela melodia quando foram interrompidos por uma mulher elegante que adentrava na sala e de longe eles sabiam de quem se tratava. Leah chegou nesse momento e lhe dirigiu um sorriso descarado mente falso. Renesmee e Jacob olharam para ela.
— Retornou... Que maravilhoso!Negando-se que aquela mulher estragasse sua volta para casa, Renesmee não lhe deu atenção. — Conte-nos como ocorreu. Por que abandonou seu marido? - insistiu Leah.
— E você se empenhou bem no meu papel, em minha ausência, hein, Leah? Jacob interveio:
 — Leah, por favor!
— Vim buscar Selena, Jacob! Ela vai embora comigo; se eu não poderei ficar, ela também não ficará.
— Será que podemos discutir isso depois, Leah? – Indagou Jacob com cautela.
— Você nunca amou sua filha, por que agora quer discutir sobre ela? Eu vou levá-la e ponto.
 — Leah, por que só agora quer a menina? – Interveio Renesmee
— Eu tentei com todas as minhas forças separar vocês e até sacrifiquei o meu irmão, – Leah disse com a voz embargada e, de longe, poder-se-ia notar que havia bebido. Jacob tentou cortar a conversa dando dois passos na frente de Renesmee.
— Leah, comporte-se! Selena está lá em cima e pode ouvir tudo que disser. — Disse,  friamente. Leah, para a surpresa de Jacob, tombou a cabeça e soltou uma gargalhada.
— Jacob! — Ela gritou. — Jacob, eu quero conversar com você sozinha. Por que você não manda a sua amada sair do salão?Mas, mesmo que Renesmee estivesse inclinada a sair, Jacob interveio: — Eu acho que não eu e minha esposa não temos segredos.
— Eu sei que você está triste porquê o Jacob me encontrou... — A voz de Renesmee quebrou, interrompida pela gargalhada sem humor de Leah.
— Fui eu que te mandei para longe com o meu irmão. Mesmo com você longe, parecia que você estava presente aqui. Eu dormi com Jacob sim; mas, ao invés dele dizer o meu nome, ele dizia o seu! — De repente, ela tirou uma pistola de sua bolsa, com a raiva nos seus olhos transbordando. Jacob notou que ela apontava a arma desordenadamente. Toda vez que ela a balançava na direção de Renesmee, ela não tinha foco algum, devido ao efeito da bebida. Um segundo depois, ele tinha se jogado contra Leah, as duas mãos indo para a pistola nos dedos dele. Os dois caíram no chão com uma batida. Jacob ouviu quando, mas apenas distantemente, Renesmee começou a gritar desesperada. Ele estava concentrado em tirar a arma dos dedos de Leah. Ela estava mordendo, arranhando a mão de Jacob, tentando desperadamente dar uma joelhada na virilha dele, com o cotovelo em sua garganta... Qualquer coisa possível para ela ganhar. Jacob não deixou, entretanto. Não era apenas sua vida que estava em jogo. Se eles estivessem sozinhos, ele poderia ter pegado a pistola por um momento,.Mas havia outra coisa sobre a violenta loucura: eles podiam ter a força de dez homens. Leah estava obviamente desesperada, e uma mulher desesperada era muito difícil de ser dominada. Cada músculo do corpo de Jacob estava tremendo de esforço. Ele não desistiria, entretanto. Ele não podia. A vida dele dependia disso. E depois, apesar de seus esforços – apesar de seus dedos serem puxados detrás do gatilho, o qual Leah estava continuando a puxar até fazer um corte na pele de Jacob –, um tiro saiu, muito alto. A fumaça preencheu a sala. Miraculosamente, Jacob sentiu o aperto de Leah relaxar e, por um momento de pânico, ele pensou que era porque ela tinha conseguido acertar... Especialmente porquê ele não ouviu nenhum som vindo dela. Mas, então, percebeu que Leah não tinha soltado a arma porquê ela tinha conseguido acertar em alguém. Não, ela tinha soltado porquê alguém tinha feito um buraco em sua mão direita, a qual estava sangrando em um admirável jorro, diretamente no tapete.E Leah, depois de balbuciar incoerências pela dor do seu machucado, ligeiramente desmaiou ao ver seu próprio sangue.Um segundo mais tarde, Jacob sentiu um peso suave colidir com seu peito; e, repentinamente, as batidas furiosas do coração de Renesmee estavam sobre ele.
— Jacob! — Renesmee estava chorando, agarrando ele em um abraço que era mais apertado do que qualquer outra coisa. — Ó, meu amor, você está bem? Você está sangrando!Ele descobriu que estava sangrando depois de dar uma olhada em si mesmo; mas não tinha nenhum machucado sério. Os dedos dele, onde Leah arrancava do gatilho tantas vezes, estava cortado quase próximo ao osso. E parecia que ele tinha machucado seus lábios, quase como Leah preocupando-se com seus dentes, algo que Jacob não tinha o mínimo desejo de discutir. Mas, apesar disso, ele se sentia extraordinariamente bem. Ele levantou a mão machucada para o cabelo de Renesmee.
— Shhh, — ele disse. — Eu estou bem. Eu estou bem... Os soluços dela foram controlados de uma vez. Ele alisou os cabelos soltos dela, incapaz de pensar como ele esteve próximo de perdê-la — não apenas uma vez, mas três vezes agora. Jacob sentiu algo dentro dele se quebrar enquanto os lábios dela se moviam com doçura sobre os deles. E não era o seu coração, ele percebeu, mas o nó que tinha se formado em seu estômago desde o momento que ele pensou ter perdido- a. Os dois pertenciam um ao outro, e ele não deixaria nenhum separá-los novamente. Eles ainda estavam se beijando quando a porta da biblioteca abriu e Sam e Sue entraram.
— Nós pensávamos ter ouvido... – Sam se deteve, parado em seu caminho pela visão que estava à sua frente. Cada um de sua maneira, igualmente espantados, vira Leah sangrando e inconsciente, e o seu patrão caído nos braços de Renesmee.
— Sam, por favor, leve Leah para um hospital e já mande interná-la em um lugar para loucos! — Ordenou Jacob com a voz embargada de dor, enquanto uma única e solitária lágrima percorria o suave percurso de sua bochecha, ainda imaginando que, no lugar de Leah, poderia estar aquela qual ele nunca mais gostaria de perder, ou de sentir o sentimento de angústia pela decorrente conseqüência de perdê-la. A única que fazia o seu coração acelerar, o seu mau-humor se esvair e a sua respiração se desnivelar. Sue levou as mãos na boca para tampar o pronto de choro ao ver a situação em que a sobrinha chegou. Não conseguia se expressar com palavras, então apenas encostou-se próxima a filha de sua irmã falecida e chorou silenciosamente. Felizmente, a ferida de Jacob não era tão séria como Renesmee presumia. Ele lhe assegurou  que havia tido piores feridas, além de ter pensado ter sofrido dor muito pior do que essa durante anos com a ausência dela. Porém ele não quis comentar tal pensamento, a fim de não fazê-la sentir-se pior. Todavia Renesmee ficaria ansiosa até que o sangramento se detivesse e a ferida fosse coberta.
(***)
___ Um brinde a união entre as famílias Cullen e Black, dois clãs importantíssimos cujo amor é mais forte do que o ódio. -Brinda Emmett com os familiares presentes na ceia de natal.
Renesmee de longe agradeceu seu irmão somente movendo a boca em um simples “Obrigado”.
___ Renesmee estou tão feliz que todos estão bem, confesso que perder você por duas vezes fez seu irmão mudar os seus conceitos de ser um homem durão para um homem mais compreensivo-murmura Rosalie.
___Fico feliz pelo nascimento do meu sobrinho e também fico feliz de vocês homenagearem meu pai colocando o nome em seu filho, papai iria ficar radiante com isso – Desabafa Renesmee
___ Uau! Que grande responsabilidade nós temos hein?, Esposas e mães de lordes de clãs importantíssimos.
As duas riram com a indagação de Rosalie.
___ Mamãe!!! Tio Emmett falou que vai me ensinar a lutar com espadas-Diz Brandom com voz de excitação, Renesmee por vez franziu o cenho preocupado em ver seu filhinho com uma espada.
___ Acalme-se minha irmã, tenho que ensinar meu sobrinho a ser um guerreiro destemido, porque se puxar para o pai dele, vai ser um verdadeiro “marica”.
___ Muito obrigado pelo elogio meu cunhado, mais creio que Brandom já tenha puxado para mim e isto resulta a um verdadeiro chefe de um clã. – Interveio Jacob com um sorriso irônico e em seguida dando um beijo singelo em Renesmee.
___ Me diz Jacob, que fim deu aquele maníaco do lorde Volturi? – Indaga Edward chegando interrompendo Renesmee e Jacob.
___ Bem digamos que ele não vai nos atormentar mais, eu mesmo me certifiquei disso indo a corte e contando ao rei o que Lorde Volturi fez e o Rei junto com seu conselho vão fazer o tal julgamento, mais a pedido de minha adorável esposa não vão participar da sentença, pois ela quer mais é esquecer dessa história toda. – Responde Jacob.
___ Bem se vocês não forem, nós vamos!- anuncia Edward tendo a aprovação de Emmett.

Meia hora depois os dois pombinhos Renesmee e Jacob resolvem dar uma volta no jardim do castelo dos Cullen de mão dadas.
___ É estranho mais antes eu lembrava daqui e meu coração ansiava para voltar, morar aqui de novo cuidar do jardins desse castelo, mais agora estando aqui não vejo a gora de ir embora para nosso lar, pois parece que esse lugar não me pertence, como se esta faltando algo.- Desabafa Renesmee incrédula.
___ Hum! E isso é muito bom Sra. Black, pois presumo que daqui 2 dias iremos para nosso lar e podemos providenciar mais um irmãozinho a Brandom e Selena! –Murmura Jacob.
Renesmee avista Selena de longe brincando de boneca com a filha de seu irmão Edward e solta um sorriso satisfatório quando a menina a vê e acena para ela contente.
___Fico radiante por Selena me aceitar como mãe, sabe por quê? Por ele é seu sangue, ele é um pedaço seu, e o que te pertence me pertence também!
___ Eu já te disse que te amo hoje?
___ Bem deixa me ver? Hum? – Murmura Renesmee colocando o dedo indicador na face olhando para cima para tentar lembrar.
Mais Jacob a interrompe pegando ela no colo e depois caiem na grama, fazendo ele em seguida deitar em cima dela.
__ Por eu ter certifico Renesmee que eu te amei ontem, te amo hoje e sempre te amarei.

Fim

3 comentários:

Anônimo disse...

adorei o final so queria que a nessie e o jake tivese tido outro filho ai seria o final perfeito.mais parabens.

Danyela ☾ disse...

ADOREI!!!! xD
Esta fanfic é simplesmente linda!!!
bjs

Anônimo disse...

Mt legal essa fic, amei..... *------*

Postar um comentário