domingo, 13 de novembro de 2011

Uma aposta perversa




Uma aposta perversa
Autora Emma Wildes

Todos têm seus fantasmas. Aqueles que os perseguem toda uma vida. Assim foi com a inacessível e fria Lady Caroline Wynn, uma mulher que sofreu um casamento desastroso, que se culpava por sua frigidez e carregava as acusações do falecido marido como uma espada em seu peito. A única coisa que queria era vencer os seus medos e descobrir se a culpa realmente era sua. O mesmo acontecia com Lordy Nicholas Manning, Duque de Rothay (ou duque demoníaco), um dos mais famosos libertinos de Londres, dono de uma reputação devastadora. No fundo o que o nosso belo e charmoso duque escondia era o seu coração, após uma terrível traição em seu passado. Não amar novamente era uma questão de sobrevivência. Para Lord Derek Drake, conde de Manderville, outro famoso liberto (o Anjo) dono de uma reputação tão libidinosa quanto o nosso belo duque, também possuía o coração devastado. Ele está prestes a perder a mulher que amava, por sua teimosia em aceitar os seus próprios sentimentos.

O que esses três têm em comum? Uma aposta escandalosa, para julgar quem é o melhor na cama, que foi capaz de abalar os pilares da sociedade londrina.

Eu não queria fazer um comentário apaixonado, mas creio que seja difícil falar desse livro sem ser passional, uma vez que é a segunda vez que leio. Tamanho foi a minha obsessão que o comprei em Portugal, e ele atravessou todo o oceano só para satisfazer a minha vontade de ler mais uma vez. É o que chamamos de uma jóia muito rara. Trás uma leitura, apaixonante, sensual, divertida e uma das mais belas estórias de amor. Eu nem preciso dizer que amo um duque, né? Ainda mais se ele for carente, cheio de dramas ou se for um libertino sem  vergonha nem se fala. Esse livro trás todos os ingredientes que gosto na leitura e eu me apaixonei por esse duque sem vergonha. Estou até com dor de cabeça de tanto ler. Acho que bati meu recorde em lendo 351 páginas em 24 horas.

A estória é apaixonante e cheia de dramas. A sutileza como o duque trata Caroline é tocante. Para um homem viril e cheio de amor para dar, ele foi paciente e soube conduzi-la na viagem de desejo e prazer sexual. Como viúva Caroline era praticamente uma virgem, nem sabia beijar e nunca havia visto um homem nu. A única coisa que tornava uma mulher era ter sido violada diversas vezes pelo falecido marido. Em resumo, nossa viúva frigida tinha pavor de homem e Nicholas a ensinou a amar. Para mim foi tocante quando ela sem encolheu na primeira vez que ele tentou se posicionar entre suas pernas. Não conseguiu disfarçar o pânico de ser possuída novamente e isso tocou o duque profundamente. Nos dias que passaram juntos, ele foi gentil, amoroso e principalmente generoso sabendo respeitar o seu tempo. Isso foi o mais encantador na relação dos dois. E ela pode ver com exatidão o homem maravilhoso que era Nicholas e ele fez a mulher dentro dela desabrochar como uma flor que apenas precisava ser regada com carinho. A estória dos dois é simplesmente apaixonante e deixa o leitor vidrado em cada pagina do livro. Eu me senti muito comovida como o ciúme e a forma como ele pede para o amigo conde ser gentil com ela, lutando contra toda a sensatez e tentando não demonstrar os seus sentimentos. Nicholas quase surta ao pensar nela nos braços do outro para cumprir o trato na aposta e julgar o mérito da questão.

Por outro lado, a estória paralela de Derek e Anne também é comovente. Ele morre de amores pela pupila do seu tio e sofre muito ao vê-la noiva de outro. Esse, inclusive, foi o motivo de ter feito uma aposta tão absurda com o amigo duque, em um momento de bebedeira. Passa a correr contra o tempo e encontrar uma forma de falar com seu amor e se desculpar dos erros passados. A nossa donzela inocente, após receber um beijo de amor devastador de Derek, o pega nos braços e de outra passa a evitá-lo e tratar friamente. Por conta disso à distancia entre os dois mais parece um oceano. Mas ambos sofrem, e com a proximidade do casamento as coisas ficam mais difíceis. Até mesmo o noivo de Anne percebe o constrangimento dos dois quando estão em um mesmo ambiente. Isso torna tudo muito dramático e ao mesmo tempo excitante, porque o leitor passa a torcer por um desfecho favorável, não querendo que ela se case e deixe o nosso libertino arrependido sofrendo ainda mais.


Derek e Caroline se unem para conseguir um objetivo comum. Ela quer que o duque e ele quer a sua Anne, então unem forças parece algo muito promissor. Só que nessa estória também tem um bandido, o primo do marido de Caroline, que vai tentar tirar proveito da situação e se dar bem... O desfecho? Não poderia ser nada mais nada menos do que MARAVILHOSO.

EU RECOMENDO! Uma estória apaixonante, sexy e muito empolgante.
Apaixonei-me pela escrita da Emma Wildes e agora começarei a ler Lições de Sedução. Essa autora foi para a lista das minhas favoritas e só não conseguiu bater ainda a Nicole Jordan. Vamos ver o que o próximo livro me diz dela.

SIMPLESMENTE APAIXONANTE!!

Sinopse:
Uma ousada aposta entre dois homens dará lugar a uma deliciosa história de amor bem pouco convencional…

 É o boato da cidade. Em plena Regência, dois aristocratas londrinos, o Duque de Rothay Nicholas Manning e o Conde de Manderville Derek Drake, atraentes e conquistadores, se desafiam para saber qual deles é o melhor amante. Mas que mulher de beleza, inteligência e discernimento seria juíza de tal concurso?

  A notícia que se alastra com rapidez chega aos ouvidos da atraente, mas fria e distante viúva Lady Caroline Wynn, a última mulher que alguém pudesse esperar que desse um passo à além. Entretanto, movida pela curiosidade e com a promessa dos homens em manter sua identidade em segredo decide participar do desafio e se converter no secreto objeto de desejo que decidirá qual dos cavalheiros tem mais finura entre os lençóis. Para surpresa de todos, entretanto, o que começa como uma proposta imoral se converte em uma lição impressionante de amor eterno.


Trecho:

Ele entendeu, à perfeição. Os dedos exploratórios deslizaram entre suas pernas enquanto ele murmurava em seu ouvido: — Está segura?
  Já que sua atual natureza temerária estava fora de dúvida, ela assentiu. Ali estava, em plena luz do dia, nua em meio a clareira de um bosque, nos braços de um notório libertino depois de ter aceitado entregar seu corpo a dois homens que quase não conhecia... Então...  Bem, sim. Por que não dar o passo seguinte sem mais, mas desfrutando todo o possível?
  — Desejo que...
  Mordiscou-lhe o pescoço, provocando um estremecimento no corpo rijo. .
  — Sim. Diga.
  — Desejo-o.
  — Então temos algo em comum, além do que descobrimos com antecedência, Lady Wynn.  Eu também a desejo.
  Seria então quando o pesadelo ressurgiria. Quando ele se movimentou para se recostar sobre ela lhe separando as pernas com os joelhos, Caroline esperou o acesso de pavor. O impacto de seu membro rígido deveria ter lhe provocado uma arcada, uma sensação de submissão, mas em vez disso descobriu uma expectativa crescente e surpreendente.
  — Sim. — Murmurou fitando atentamente aqueles olhos escuros. — Sim, por favor.
  — Como se pudesse me negar... — Nicholas não sorriu. Sustentou seu olhar enquanto se movimentava somente o bastante para que a ponta de seu membro entrasse nela.
  E logo, mais.
  Muito mais. Profundamente. Incrível e profundamente.  Todo ele.
  Ela estava deitada, possuída, tomada. Nicholas descansava o quadril contra a parte interna de suas coxas e estava com os braços ao redor de seus ombros quando lhe roçou levemente a boca com os lábios em um gesto tranqüilizador. A posse não era absolutamente como ela havia imaginado, e certamente não se parecia com o que tinha experimentado antes.
  Ele lhe acariciou seu rosto com dedos afetuosos e não se movimentou; em sua pele perdurava o arrebatamento da excitação, que escurecia seus olhos intensamente.
  — Caroline?
  Sabia o que ele lhe perguntava.
  — Estou bem. — Respondeu incapaz de reprimir o tom da alegria exultante de sua voz. — Mais que bem.
  — Irei devagar.
  — Não acredito que seja necessário. — Caroline tocou com o pé a parte de atrás da musculosa panturrilha, em uma carícia. — Não sou frágil.
  — Se você...
  — Nicholas — Ela o interrompeu sem fôlego, cravando ligeiramente as unhas na parte superior dos braços firmes.
  Era uma mensagem clara, porque ele deslizou o membro para trás em um movimento fascinante, para investir novamente de tal forma, que ela se sentiu atravessada por uma sensação intensa, que acreditou chegar a todas as terminações nervosas de seu corpo.
  Como o mesmo ato podia ser doloroso e degradante com um homem, e algo parecido ao êxtase com outro foi uma revelação. Ele a tocava com uma persuasão muito doce, animando-a a corresponder sua paixão, em vez de usá-la como um receptáculo para saciar rapidamente a luxúria.
  Caroline apertou os dedos sobre os poderosos ombros de Nicholas, cuja força não mais a intimidava e sim a cativava tanto como a fricção de seu membro no interior de seu sexo.
  Era uma sensação extraordinariamente agradável e ela proferiu outro pequeno gemido.



2 comentários:

Danyela ♥ disse...

AAHHH A HISTÓRIA DEVE SER PERFEITA....
JÁ ESTÁ NA MINHA LISTA DE LEITURAS FUTURAS xD
bjs

FDUARTE disse...

Olha só! Vc e a Tonks vão ser responsáveis solidárias por minha falencias, viu?
WOOK que me aguarde!!!!!kkkkk

Postar um comentário