sábado, 3 de março de 2012

Medo de Amar 4




Medo de Amar 4
Londres, 4 abril de 1816

Jacob Black, Duque de Telford, estava atrasado. Muito atrasado por sinal. Passou horas na casa de uma de suas amantes, uma senhora viúva, com quem mantinha uma relação há pouco mais de duas semanas. O famoso libertino tinha várias mulheres aos seus pés, mas Briana Emmerson foi uma conquista bem difícil. Ela era a viúva do conde de Carlisle há apenas seis meses e Jacob fez de tudo para conseguir os seus favores. Para o seu azar, a viúva tinha uma bela fortuna e não dependi dele, como outras mulheres a quem levou para cama, por isso foi tão difícil e divertido a arte da conquista.

Ele ficou a tarde inteira usufruindo dos favores da mulher e os dois acabaram perdendo á hora. Jacob dormiu e quando acordou já estava atrasado. Saiu da casa de Briana por volta das dez horas e foi direto para a sua mansão na Mayfar para se arrumar.

Ao chegar à porta da sua casa, Jacob viu algo curioso. Deteve-se por um momento para olhar uma jovem andando do outro lado da rua de forma sorrateira. Percebeu que começava a atravessar quando vinha uma carruagem. Ele pensou em gritar, mas não adiantaria. Correu por instinto para a jovem a empurrou para fora do caminho da carruagem. Viu quando a moça caiu e bateu com a cabeça.  

Jacob pegou o seu pulso e viu que ainda estava quente. Aproximou-se do seu rosto, para sentir a sua respiração, e percebeu que ainda estava viva. Tomou-a nos braços, gritou para o seu cocheiro vir pegar a valise da jovem e a carregou para sua casa.

No escuro não foi possível ver os traços no rosto da moça. Mas ao chegar à mansão, na claridade das lamparinas que estavam no roll, conseguiu ver que tinha um belo rosto. Ela era realmente linda. Os lábios carnudos e desejáveis, as belas maçãs do rosto, nariz reto e empinado, a pele mais branca que leite e os cabelos vermelhos. Era uma mulher muito linda.

Caminhou com ela para o quarto de hóspede, enquanto o seu mordomo e o valete o seguiam, olhando para o rosto da mulher. Seu coração começou a palpitar imediatamente. Foi tomado por um desejo descomunal. “Como era possível se sentir assim em relação a uma mulher que estava quase morta em seus braços?” Jacob não conseguia explicar. Simplesmente se sentia atraído de forma única por ela.

Chegando ao quarto, colocou a sobre a cama e sentou para observar o seu rosto.
- Sr Crispt, chame o Dr Host. – Ele ordenou ao mordomo. – A Srta precisa urgentemente de um médico. Peça para a governanta vir tirar as roupas da jovem. Precisamos deixá-la o mais confortável possível.

- Eu o farei, Vossa Graça.- O mordomo assentiu e saiu do quarto rapidamente.

- Vossa Graça, ainda sairá essa noite? Os seus trajes já estão arrumados. – Sr Donagel, seu valete, perguntou observando o patrão.

- Não sairei mais hoje. Estou muito preocupado. Pode se recolher. – Jacob disse para o seu valete, que fez uma mesura e saiu do quarto. Continuou a observar a jovem deitada na cama e em um gesto instintivo passou um dos dedos sobre o rosto macio.

- Quem é você? De onde veio? Suas roupas não são de serviçais, mas também não parecem roupas de uma senhorita da nobreza. Provavelmente uma dama de companhia ou uma preceptora. Como eu nunca a vi antes por aqui? - Ele continuou divagando sozinho. – O mais estranho são esses brincos. Parecem diamantes. Mas como? - Arqueou uma das sobrancelhas e continuou fitando a moça. Pegou a mão e percebeu que era levemente calejada. Não eram mãos de uma dama. Ela provavelmente fazia serviços pesados. ”Seria uma ladra?” Parecia estar fugindo no meio da noite. “Teria roubado a casa dos patrões?”

Pouco depois, Dr Host chegou aos aposentos e examinou a jovem. Receitou alguns remédios, mas a jovem permaneceu desacordada. Segundo ele estava em coma. Jacob ficou desesperado com aquilo. “O que faria com a  bela mulher?” Pensou em investigar a sua origem, mas não queria anunciar que a moça estava em sua casa. Se fosse uma ladra, como realmente pensava, trataria direto com ela. Deu ordens para o mordomo investigar a identidade da moça, orientando a ele e aos demais criados de que ninguém poderia saber de sua presença ali. Também pediu o máximo de discrição ao médico. Não queria ter um escândalo em suas mãos. Entretanto, bem lá no fundo, não foi por medo de escândalo que pediu sigilo. Foi instinto de proteção que surgiu por aquela jovem.

Jacob passou quatro dias em casa observando a moça. Não tinha nenhuma informação sobre ela. Nenhum dos vizinhos da Mayfair, segundo o mordomo apurou com os empregados, deu queixa de roubo ou desaparecimento. Talvez a moça fosse uma empregada demitida. Fosse como fosse, ele permaneceu velando o seu leito e a cada dia ficava ainda mais obcecado pela bela jovem de cabelos vermelhos dormindo sobre a cama.

Por vezes ele percebia que lágrimas silenciosas escorriam pelo canto do rosto da jovem. Aquilo o comovia bastante. Segurava em sua mão e fazia carinho. O instinto de proteção crescia ainda mais. Queria cuidar da jovem, que ela acordasse para saber tudo sobre ela. A sua curiosidade só fazia crescer a cada hora que se passava. Tentou diversas vezes sair de casa para se divertir com seus amigos Brandt e Langlay no White’s, mas não conseguia se entreter. Os três eram melhores amigos desde os tempos de Oxford. Eles se conheciam como ninguém. Brandt chegou a dizer que Jacob estava apaixonado pela “Bela adormecida”, coisa que ele nunca pensou que fosse acontecer desde a traição de Caroline. Jacob jurou que nunca mais amaria. Não entregaria o seu coração para mulher alguma, mas de uma forma estranha aquela estranha aquela jovem mexia com ele. Seus amigos chegaram a fazer uma aposta sobre quanto tempo demoraria para ele desposar a “Adormecida”. Ele sempre negava os seus sentimentos.

As poucas vezes saiu da sua casa, para se encontrar com os amigos, Jacob se viu angustiado. Não conseguia ficar longe dela. Queria estar à beira da cama quando acordasse. Ver seu sorriso, saber qual a cor dos seus olhos, ouvir o tom da sua voz era tudo o que ele mais ansiava naquele momento. Chegou a sonhar algumas vezes com ela. Estava à beira do desespero, quando no quarto dia ela finalmente acordou.

[...]

Edward estava furioso. Para dizer a verdade, completamente louco. Tudo que havia planejado estava arruinado. Tinha muitas dívidas e precisava do dinheiro de Renesmee para pagá-las. Seu tio, o antigo marquês, mesmo na morte o prejudicava. Ele não podia tocar o dinheiro, que considerava seu por direito, por causa das cláusulas do testamento. O não estava atrelado ao título, praticamente toda a fortuna, era da prima. As terras, títulos, propriedades, fábricas, ações e contas bancárias não podiam ser mexidas até a sua maioridade. Essa era uma das cláusulas, feitas minuciosamente. E mesmo que se casasse, segundo elas, o marido só poderia mexer com o consentimento da esposa. Toda a documentação era bem amarrada para evitar que a fortuna fosse tomada da jovem.

“Agora o que fazer?” Ele havia esperado demais. Sim! Fora um grandioso tolo. Deveria tê-la obrigado a se casar antes. Pretendia, no entanto, esperar a maioridade para que pudesse mexer na fortuna. Foi gastando muito dinheiro, ao longo dos anos, e tinha muitos credores. Contava com a herança da prima para pagar as dívidas e ter a vida que merecia. O dinheiro que as propriedades arrecadavam não era o suficiente e os da que estavam no nome dela, eram diretamente depositado em sua conta. Se ao menos conseguisse corromper o advogado “filho da mãe”? Nunca conseguiu. Por mais que tentasse, ele nunca aceitou suborno para desviar o dinheiro da jovem. Era amigo do falecido tio e tinha dívida, de honra, com ele.

Diante da situação desesperadora, Edward contratou um detetive para tentar encontrar o paradeiro da prima. Os dias foram se passando e nenhum rastro fora encontrado. Como se ela nunca houvesse existido. Nenhum cocheiro havia transportado a jovem naquela noite, nem nas demais. Ninguém sabia nada sobre ela. Para piorar tudo, não podia fazer alarde e colocar sua foto no jornal. Se pretendia tê-la como esposa, evitar um escândalo era extremamente necessário. A sociedade não perdoava os escândalos. Uma senhorita em sua situação ficaria marcada para sempre e seria renegada. Não podia expor sua futura marquesa. Precisava ser cauteloso nesse ponto.

Duas batidas na porta de seu aposento e ela se abriu. Seu mordomo entrou e anunciou sua mãe. Era a última coisa que precisava, ele pensou. Sermões de sua mãe naquele momento não mudaria situação. Se ela ao menos compreendesse seu desespero...

- Edward, meu filho, alguma notícia de sua prima? – Ela perguntou naquele mesmo tom frio. Agia como se fosse um alívio se livrar da sobrinha. Mal sabia que o pouco dinheiro que usufruíam era do o que conseguiu vender dos objetos, roubados, de suas propriedades. E o resto comprava por conta, contando com a herança que ela receberia em três meses.

- Contratei um detetive e estou aguardando que me ofereça informações relevantes sobre ela. – Respondeu secamente e voltou a beber. A bebida era a única coisa que o aliviava no meio daquela tempestade.

- Tenho conhecimento. Por conta disso estou aqui. Não acha que seria melhor esquecer aquela “desavergonhada”? Se a notícia se espalhar, suas irmãs estarão arruinadas. Nenhum homem em sã consciência desposaria as primas depois que Renesmee fez.  – Estava apenas preocupada com o escândalo e o bom nome da família. Mal sabia que esse bom nome não valeria de nada sem o dinheiro da herança. Seria obrigado a vender as poucas propriedades em seu nome para pagar os credores. Estava no fundo do poço e sua mãe só pensava em um bom casamento para as filhas. Não se contentaria com no mínimo um conde rico, mesmo que fosse velho, para elas.

- A senhora não entende... – Não conseguiu terminar a frase. Como poderia contar que havia gasto mais do que devia naqueles anos? Que não tinham mais dinheiro e viviam de aparências? Ouvir de sua mãe que era um derrotado não era o que precisava. Ele se sentia como um menino diante dela. Ela sabia o poder que exercia sobre ele, sempre o intimidando quando era conveniente. Queria que fosse embora, para evitar o desaforo de lhe contar sobre a falência.

- O que eu não entendo? Que você agora tem uma obsessão por aquela desfrutável? Acha que ela é digna de ser sua esposa? Faça-me o favor... Você precisa de uma noiva rica. De preferência filha de um conde ou um duque. Temos jovens adoráveis que seriam ótimas esposas. Então me explique. Não sairei daqui antes de esclarecer a situação. – Sua mãe se sentou e ficou tamborilando o dedo sobre a mesa, de forma irritante, enquanto o encarava. A situação já era ruim demais. Ser tratado como um menino era humilhante.

- Toda a fortuna do meu tio, praticamente noventa por cento dela, não estava atrelada ao título. Ele deixou “tudo” para ela. Exatamente “tudo”! Jóias, propriedades, ações, contas, fábricas, a casa em que vive, obras de arte... Tudo! E o pior é que o testamente foi muito bem feito. Mesmo que “ela” se casasse antes dos vinte um, o marido não poderia mexer em nada sem sua autorização, com pelo menos três testemunhas e registro em cartório. – Sua mãe olhava com espanto. Estava mais branca que um fantasma e não fazia idéia da gravidade da situação. – Eu gastei praticamente todo o que ganhei nos primeiros dois anos. Vendi algumas obras e até roubei pertences das propriedades dela. Estou com muitas dívidas e os credores no meu calcanhar, mamãe. Preciso me casar com “aquela vagabundazinha” para pagar o que devo e viver da forma que mereço. – Voltou a beber e se calou. Não era preciso se humilhar ainda mais.  – Sabe bem que apesar de ser um marquês, não sou devidamente respeitado pela sociedade. Eles me olham com superioridade. Chega a ser irritante. É testemunhar que meu pai não era bem visto. Um fanfarrão, que praticamente arruinou o nome da família. Eles não se esquecem dessas coisas. Somos convidados para os eventos, mas a maioria das famílias nobres nos olha com desprezo. Será um milagre se conseguirmos um bom casamento para as meninas...

- De quanto é o montante da dívida? O quanto gastou, Edward? – Ele não respondeu. – Não vai responder, não é? E as jóias? Temos muitas jóias caríssimas, que foram da mãe de Renesmee. Podemos vendê-las para pagar as dívidas... – Ela começou a tagarelar e ele perdeu a paciência.  Estavam em um impasse.

- CHEGA! CHEGA! As jóias que a senhora usa são “dela”.  Todas devidamente registradas e com certificado. Estão catalogadas no inventário e um avaliador verificará, minuciosamente, uma a uma quanto ela tomar posse. Não é possível vender. Entende? Que irônico, não? A senhora a fez de empregada todos esses anos. Usou as jóias dela, como se fossem sua, fez com que vestisse trapos e comesse restos. Dorme em um sótão, quando a casa pertence a ela. – Ele estava irritado demais e não esconderia mais nada. Sua mãe precisava saber a gravidade daquilo e suas implicações futuras. - Tenho que encontrá-la e forçar a se casar comigo. É o único jeito. Por que acha que nunca a deixei ter uma temporada? Queria evitar se um nobre qualquer a pedisse em casamento. É bonita demais para ficar exposta por ai. Só de olhar para ela, pode-se ver a  educação e linhagem. Não faz idéia do quanto me esforcei para esconder “aquela coisinha” insignificante e até garanti que estivesse arruinada para sempre. Mas agora ela fugiu e vou encontrá-la. Nem que seja no inferno... Preciso que se case comigo e me passe à fortuna. Depois posso providência uma morte lenta e dolorosa.

- Então faça isso! Garanta o nosso futuro. – Córdelia disse de forma fria, como se a morte da jovem não significasse nada. Na verdade odiava Renesmee, pois ela lhe mostrou a crueldade do seu filho. Por mais que tentasse negar, a cena que viu no quarto aquele dia não saia da cabeça. Ela era a prova vivia de que havia criado um monstro. Ela deu as costas e saiu do aposento sem olhar para trás. Edward pode ver que mais uma vez sua mãe desculparia, e poria a culpa em alguém, pelo seu fracasso e mesmo pela morte da jovem.

Agora a coisa ficará boa. Nessie tentará enganar o duque, mas Jacob não é bobo e logo descobrirá a identidade. Mas para a surpresa, ele logo descobrirá que a moça por quem está apaixonado está noiva. Será um Deus nos acuda. Mas Jacob descobrirá a crueldade de Edward e ele pagará...CARO!
Bem, obrigada pelos comentários! Espero que estejam gostando da fic.
O próximo cap já está betado. Hoje eu termino o cap 7 e tento iniciar o 8.
Eu já disse que amo vcs? Amo sim!! Afinal estão aqui comigo toda semana, mesmo após ter saído do Nyah.
Bjsu no core

N/Heri: OMG! To angustiada tbm...isso vai ser amor a 1ª vista Glau? Ou ela fica com amnésia? Nossa, bem que imaginei que todos eram dependente de tudo que ela tinha,conforto, riqueza,jóias e o mais... Ah porque meninas, nossa autora é cruel com agente... To super, super louca pra saber como será esse encontro....ai meninas comentem...bjkas

13 comentários:

ϟ Faa Mariia Anntunes disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAh, que lindo esse duquee!! morrendo de ansiedade aqui!

Daniela ♥ disse...

Glaucia amr da minha vida esse Edward e a mae dele têm que ter um final beeemmmm triste....minha nossa senhora como é que ele pode pensar em fazer uma coisa dessas a uma menina só por dinheiro??
Ai minha nossa senhora onde esse ganacia chega...até quer matar a Renesmee???
Pelo menos elas fugiu dali xD

Agora vamos falar de coisas boas....
GALCUIA O JAKE APARECEU =D
QUE BOMK....
UHH ele ficou logo encantado com ela!!!
Que lindo...
Mas querida como assim a nessie vai omitir quem é??
Uhh pois ela só vai querer dizer quando tiver os 21 anos não é??? Mas isso ainda faltam 3 meses, certo?
Bem e como assim a nessie está noiva??
O crápula do Edward vai dizer que é noivo dela??
OMG Glaucia querida...o Jake tem que descobrir a verdade logo logo =D

QUERO MAIS MINHA QUERIDA!!

EU AMO A SUA ESCRITA...
VOÇE É PERFEITA =D

Acredita que quando vi no meu e-mail a actualização no face que voçe tinha postado um novo capitulo eu dei pulinhos de alegria e vim a correr ler??
Pode acreditar....xD

Parabéns linda...cá fico ansiosa (e a ruer as unhas de ansiedade) para um novo capítulo =D

Beijos grandes,
Daniela Cristóvão

GLAUCIA BLACKS FANFICS disse...

É para morrer mesmo. Os caps estão super intensos. E a coisa só tende a melhorar.

Obrigada por comentar.

bjs no core

GLAUCIA BLACKS FANFICS disse...

Que bom que vc foi correndo ler o cap. Eu estava varrendo casa, quando escutei o barulho no celular e pensei? Será que ja tem comentário? Assim tão rápido? E vim ler.
Bem, uma coisa que aprendi é que por dinheiro e poder as pessoas são capazes de muitas coisas. Quer conhecer uma pessoa de verdade? Dê poder a ela. Ai verá quem realmente é. Edward e a sua mão são duas víboras e tentarão contra Nessie. É a única forma de conseguirem o que querem.

O duque é delicioso... Eu to amando esse Jacob. Ele está encantando, por mais que não queira admitir. E sim! Edward vai dizer que já está comprometido com ela, mas o duque a ajudará a fugir novamente em alguns caps. Fica tranquila. kkkk Olha eu dizendo isso? Eu sou doida, mas nem tanto. kkk

Brigadinho!!

bjs no core

Deia disse...

Como assim, Edward vai matar a Nessie???????
Até onde ele é capaz de ir por dinheiro??? Como a mão dele pode concordar com essa idéia absurda de matar a Nessie para ficar com o dinheiro, e olha que eles são dependentes dela, por que tudo que eles pensavam ter é dela. Que raiva.
(respirandofundoaqui)
Falando do lado bom. Que descrisão linda essa do Jake, ele se apaixonou por ela a primeira vista, e ela? To loca para ver a cena dela acondar, será que ela vai aceitar ele ou vai ficar com o pé atras com medo, espero que quando o Jake descobrir tudo com relação a Nessie ele fique bem bravo, mas muito bravo mesmo por que o Edward te que pagar caro.
Beijos anciosos.

Káká disse...

ameiiii glau...
entao a coisa ruim do edward e da mae dele viviam da fortuna da Renesmee??? é muuuita frieza e crueldade para apenas duas pessoas; a mae dele fala em matar Renesmee como se ela tivesse dizendo que vai trocar de roupa... ela merece o segundo pior final infeliz.. porque o pior final tem que ser do edward....
ainda bem que o Jacob a encontrou.. agora ela está a salvo.. ou não??
posta maisss
bjsss

hilsiane disse...

Omg como edward e a mae deles são dois monstro sem falar da irmã dele que é um projeto de monstro ainda bem que eles não pode mexe na herança dela por que se não ela na teria mais nada.ainda bem que ela encontro o jake que vai ajuda ela a se livra desses monstro que são a familia dela .to louca para ler o prox;cap e ver a reação dela ao conhecer o nosso jakelicia depois de tanto sofremento ela merecia.eu amo essa fic além de ser jake e nessie que eu amo tanto. Bj :anne é ate o proximo cap.

Michelle Black's disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle Black's disse...

Nossa o Edward e sua Mãe são monstruosos...mais realmente o dinheiro faz coisas, e na maioria das vezes, tornam as pessoas frias e inescrupulosas! Mais que Duque delicioso rsrs...e ele não está de bobeira heun, tá caidinho pela Bela Adomercida rsrs, que bom que pelo menos uns capítulos a Nessie não irá sofrer rarara mais já vi que ainda teremos muito choro...e eu adoro rsrs! Bjus Glau, e posta logo vai....

elaine disse...

Ola glau claro que eu to aqui toda semana afinal era vc que fazia o nyah e não o contrário amo suas histórias e enquanto vc me aturar eu to aqui kkkk bjs flor

Paty disse...

Ai que lindo Glau o Jakelicia ja esta caido de quatro por ela msm sem olhar ela nos olhos ou ouvir sua voz imagina quando ela acorda o efeito que isto causara nele

Agora eu sabia que o Edward tava era de olho na herança dela e ainda sua mãe como sempre passa a mão na cabeça dele e acha que a vida de Renesmee não valha nada mas quem não valhe nada e esta familia pq o gente sem escrupulos viu

Que so ver quando o Jake ficar sabendo td que Edward e sua mãe fez e fazem com esta coitada que não tem ninguem que possa a defender das maldades deles ok

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Geany Dutra disse...

Oi glau eu acompanhei suas fics no Nyan e agora estou acompanhando aqui e parabéns pela fic . eu gostaria de saber quais são os dias de postagens da fic se puder me avisa .
geanydutra@hotmail.com

Obrigada!

Postar um comentário