domingo, 10 de junho de 2012

Medo de Amar 16

Medo de Amar 16

Jacob a beijava com sofreguidão, sem ao menos permitir respirar um poucos. Suas mãos pareciam estar em todos os lugares, acariciando o seu corpo de forma no mínimo indecorosa. Nessie tentou se afastar algumas vezes, mas ele parecia faminto de seu afeto. Quando o beijo terminou, os dois estavam ofegantes e excitados. Ela bem sabia reconhecer os sinais, depois de tantas intimidades que tiveram.


- Milord, isso é indecoroso... E... – Ela tentou argumentar, mas o duque não lhe deu espaço e a beijou novamente. Os dois se agarraram no meio da sala, mesmo com perigo de um dos criados, ou pior a duquesa entrar, como se aquele fosse o fim do mundo. A saudade que sentiam um do outro ultrapassava qualquer recato que pudesse existir. Pelas normas da sociedade ela já estava perdida e ele, bem Jacob era o seu futuro marido. Já tinham feito tudo o que um homem e uma mulher fazem de baixo dos lençóis. Pior ainda... Tinham feito mais do que as normas de bom comportamento permitiam. E toda aquela lascívia era deliciosa. Quando estavam juntos, parecia que o mundo não existia. Entregavam-se de corpo e alma, esquecendo-se até mesmo que poderia ser excomungados pelas coisas infames que faziam na cama.

- Se não queres que eu a possua aqui mesmo, vá para o seus aposentos e me espere lá, milady! – Disse o duque sem a menor cerimônia, com uma voz ofegante e sensual. Continuava olhando-a como se fosse possuí-la ai mesmo. – Não esperarei até o nosso casamento para te ter novamente. Esperei demais...  – Ele tentou se recompor, mas Nessie percebeu os olhos famintos em seus seios. – Isso está acabando com qualquer sinal de sanidade.

- E sua mãe? Os convidados que irão chegar? Isso é indecoroso, Vossa Graça! Tente se recompor! – Advertiu ela sorrindo.

- Eles demorarão mais um pouco. Lady Langlay precisou repousar um pouco, por causa do bebê que está a caminho. E por isso pernoitaram em uma pousada em outro vilarejo. Lady Brandy fará companhia e se bem conheço meus amigos, virão a cavaco escoltando suas esposas. Não se preocupe com eles. Chegarão ao anoitecer. – Abraçou-a e começou a distribuir beijos pelo pescoço, causando-se cócegas. Isso a vez soltar uma risadinha gostosa, que ele mais que satisfeitos, permaneceu estimulando. – Quanto à duquesa, tenho certeza que não ficará nem um pouco a vontade em sua companhia por horas. O melhor que podemos fazer é deixar-lhe só, para digerir a novidade. Enquanto isso, nós aproveitamos o nosso entendimento. – Entendimento? Ela riu novamente enquanto ele lhe apalpava as costas, e suas mãos desciam até suas nádegas, puxando-a para si. Resolveu se afastar antes que quisesse copular ali mesmo, no meio da saleta.

 - Acho melhor eu me recolher, milord. – Ela disse em tom cerimonioso, tentando se afastar novamente. – Percebo que vossa vontade de entendimento nos levará a uma situação constrangedora. Peço que estejas em meus aposentos, ter comigo em alguns minutos, para chegarmos a um entendimento mútuo.

- Estarei em vossa companhia antes mesmo que sinta a minha falta, milady. – Jacob deu um belíssimo sorriso e Nessie ficou sem fôlego ao observar a covinha em seu queixo. Ela nunca vira homem mais bonito, sensual e cativante do que o duque. O tipo de homem capaz de levar qualquer mulher a perdição. Sua fama não era descabida. Ela, que já havia provado de seus dotes, sabia bem como ele era capaz de enlouquecer uma mulher de prazer. Fez uma mesura e saiu apressadamente. Precisava chegar aos aposentos logo, antes que certo duque resolvesse interceptá-la no caminho e a deixasse em situação constrangedora com os serviçais.

Enquanto caminhava às pressas, tentando conter o impulso abrasador de correr, Nessie sentia suas entranha pegando fogo. Os toques do duque foram suficientes para causar-lhe um ardor terrível. E ela sabia que nem mesmo banho frio diminuiria todo aquele calor. Jacob seria o único capaz de esfriar um pouco, após lhe conceder certos favores.  Só de pensar nas coisas que ele faria, suas bochechas ardiam e tinha a certeza de estar corada. Estava se tornando uma cortesã depravada e isso devia a ele... Somente ao seu duque sombrio.

Ao chegar aos aposentos, Nessie entrou esbaforida, trancou a porta com a chave e correu para a cama. Resolveu não tirar as vestes. Sabia bem que Jacob adorava fazer isso. Daria esse prazer a ele. Apenas precisava se conter um pouco e esperar... Quantas noites ela sonhou com esse momento? Ela passou todas as noites após sua partida em brasas. Um único pensamento sobre ele fazia o corpo inteiro arder. Para ela era tudo bem estranho, porque meses antes ela teria pavor ao fato de se encontrar sozinha com um homem em seus aposentos. Imaginar-se em uma cama era impossível. Jacob foi bastante paciente para romper com todos os seus medos, levando ao estado de excitação que se encontrava agora.

Nessie ouviu a porta se abrir e o coração disparou. Sentada em sua cama, teve que se conter para não correr para ele. Viu como Jacob entrou a passos largos no quarto. O homem parecia tão ansioso, que dava a impressão que tiraria o pai de uma forca a qualquer momento. Ele caminhou até ela e parou poucos metros diante da cama, observando-a como um predador faminto. Ela mordeu os lábior nervosa e  tentou acalmar a respiração, mas percebeu os olhares de Jacob para o seu decote, que subia e descia de fora descompassada, elevando os seios.


Jacob caminhou até ela, ajoelhou-se diante de si e sem pestanejar começou a beijar o seu torso. Suas mãos habilidosas trabalhavam em seus seios, deixando-os expostos. Era o que ele precisava para tomá-los com os lábios e começar a lamber seus pequenos botões. Ela entrelaçou os dedos em seus cabeços negros, arqueou um pouco para lhe permiti ainda mais acesso e se perdeu completamente sem seus braços.

Sem ao menos se dar conta, estavam deitados sobre a cama, com Jacob a desnudando peça a peca de sua vestimenta, enquanto lhe distribuía beijos e lambidas pelo corpo. Ela queria chorar de tanta felicidade que sentia, o corpo queimava ainda mais a cada toque maravilhoso de suas mãos e de seus lábios. Em determinadas partes, como a barriga, Jacob chupava um pouco mais e cariciava com a enorme mão. Ela ouvia, ora ou outra, sussurros como  eu te amo... Eu te quero... Te necessito... Você é perfeita  e por ai iam.  Quando percebeu, estava completamente nua e Jacob continuava a explorar seu corpo, estimulando-a para desejar ainda mais dos seus toques. Ela gemia, arqueava e algumas vezes quase gritou com o prazer,  explodindo sem que ao menos percebesse o ápice chegando.

Jacob lhe separou as pernas e Nessie já sabia que mais tortura ainda estava por vir. Ele ainda estava completamente vestido e não a possuiria naquele momento. Aquilo só significava que faria novamente aquela coisa indecorosa, que ainda a levaria ao purgatório. Às vezes sentia-se como uma cortesã barata, mas Jacob afirmou, mais de uma vez, que aquilo era normal e que as mulheres gostavam. Dizer que gostava era apenas uma singela metáfora. Quando ele estava com seus lábios no centro do seu sexo, Nessie chegava a chorar de tanto prazer. Por mais vergonhoso que fosse, tinha que admitir que sentia falta daquilo. Um dia ainda iria para o inferno, por causa de um ato tão indecoroso, mas ela amava as sensações de seu corpo explodindo em mil pedaços e as luzes radiantes que via todas as vezes que chegavam ao clímax.


Isso foi exatamente o que Jacob fez. Com os lábios hábeis começou a sugá-la e trabalhar a língua em sua sexualidade. Ela gemia alto e por vezes se esquecia que não deveria gritar, enquanto se contorcia sobre a cama e sentia o corpo aflito com mais e mais tortura causada por ele. Era o seu céu e o seu inferno em forma de homem. Não era por menos que possuía tal fama. O homem era verdadeiramente um depravado e sabia bem o que fazer e como fazer.

Depois de maltratá-la, explorando o centro do seu prazer. Jacob a incitou com o dedo dentro de sua fenda. Lágrimas de felicidade, e ao menos tempo de necessidade, escorriam pelos seus olhos, mas ele continuava a brincar com ela. Sabia bem que só pararia quando estivesse acabada, só então completaria com a união dos corpos. Continuou se convulsionando sobre a cama, enquanto ele introduzia outro dedo e brincava com sua sexualidade. Sabia que se implorasse ele a torturaria ainda mais. Os dois começaram de vagar, contudo ela aprendeu aos poucos as regras do jogo sensual que ele fazia.

Quando estava exausta, depois de atingir o clímax inúmeras vezes, Nessie viu Jacob se levantar e tranquilamente tirar as vestimentas. Ficou observando o corpo escultural do duque. Que homem belíssimo!”pensou em seus devaneios, enquanto ele ficava completamente nu, com uma ereção capaz de fazer qualquer beata parar de rezar, para gritar Aleluia e se comprazer de protuberância. Conforme vinha se chegando, o calor voltou a abrasar o seu corpo e Nessie sabia que só se apagaria depois que ele a golpeasse forte e rápido, como bem sabia fazer.  Passou os lábios sobre os lábios e deixou que lhe abrisse as pernas. Porém o duque se deitou e fez sinal para que ela o montasse. Ele havia lhe ensinado isso poucas noites entes de voltar a Londres e ela havia adorado cavalgar em seu garanhão selvagem até ficar exausta e cair.

Montou-o com toda a voracidade e cavalgou, galopando rápido e forte, enquanto Jacob massageava os seus seios, beliscava os seus botões e dava leves tapinhas em sua coxa. Os dois assumiram um ritmo frenético, gemiam a ponto de gritar, enquanto os corpos suados moviam-se com velocidade quase fora do normal, naquele entra e sai. Quando se cansou, Nessie diminuiu o ritmo e Jacob não gostou nada. Antes que se desse conta, ele a virou na cama, mudando-os de posição, então ele  a cavalgou, entrando e saindo do seu corpo, em um vai e vem delicioso, bem forte e bem rápido. Ela queria chorar novamente, ao alcançar novamente o seu prazer. Quando começou a gritar, Jacob a beijou com desespero, impedindo que os sons do amor que faziam saíssem do quarto, e eventualmente, chegassem a duquesa mãe. Ali os movimentos eram praticamente selvagens e quando se deu conta, ele estava se sacudindo em espasmos sobre ela, urrando pelo gozo que havia acontecido.

Os dois permaneceram naquela posição por algum tempo, até que as respirações estivessem finalmente normalizadas. Ele se deitou de costa na cama, saindo de seu corpo, e a carregando consigo. Assim ficaram entrelaçados, suados e exaustos do amor que fizeram. Ela fechou os olhos e quase dormiu, mas as mãos suaves do duque acariciando suas costas a impediram de adormecer.

- Eu a machuquei, minha preciosa? – O duque perguntou depois de um tempo.

- Estou perfeitamente bem e feliz. Sonhei com isso todas as noites em que passei só nessa cama. – Ela respondeu e suspirou cansada.

- Estava muito tempo sem fazer amor. Acho que enlouqueceria se esperasse mais uns dias. – Jacob lhe respondeu.

- E por que não viestes antes? Sabias o quanto me faltava. E nem no meu aniversário... – Ela se calou magoada.

- Eu tinha coisas importantes a fazer em Londres. Sabes bem que se viesse a ter outro entendimento contigo, não voltaria tão cedo.  – Ele beijou o topo de sua cabeça e aquilo foi o suficiente para perdoá-lo. – Sabes que a amo a cima de tudo. Que daria tudo para tê-la comigo em Londres, mas antes do casamento é perigoso. Não quero correr o risco de Colchester encontrá-la e levá-la com ele.

- Não falemos mais do passado, amor. Estamos a um passo do nosso casamento e logo serei sua para sempre. Nada e ninguém poderá me tirar de ti. Quero estar onde estiveres, sejas em Londres, em Telford Houce Park ou na Escócia. – Ela o abraçou e afundou a cabeça em seu peito. Era boa a sensação de estar em seus braços. Nessie se acostumou com aquilo na semana que passaram juntos.

- Isso acontecerá em breve, amor. Amanhã a essa hora estaremos casados. Passaremos uns dias na Escócia e aproveitaremos. Queria muito te levar a França ou a Itália, mas essa guerra ainda põe perigo para nós. Napoleão está abatendo os navios ingleses. Até tudo normalizar, ficaremos no país. Depois temos o mundo a nosso alcance.

- Está tão seria assim? – Nessie perguntou preocupada.

- Esse foi um dos motivos para não ter vindo. Estão correndo diversas reuniões na câmara dos Lordies e no ministério. O primeiro ministro tem ideias não muito ortodoxas e príncipe regente não tem muito pulso firme. George é um libertino, depravado, que só se preocupa em comer e fornicar com suas amantes. O primeiro ministro faz o que quer. Os Lordies, que estão mais chegados a ele, estão preocupados e estamos tomando medidas para não sofrermos com a guerra. Mas não quero preocupar essa cabecinha linda com isso. Em uma semana voltaremos para Londres juntos e poderei me ocupar de perto desses problemas.

- Milord acha que Napoleão é estúpido de invadir a Inglaterra? – Nessie perguntou angustiada.

- Encontramos alguns espiões franceses em nosso solo e enviamos alguns espiões para lá. Existe essa possibilidade, mas antes de ocorrer seremos alertados. Sempre fomos temidos por nossos inimigos. A Rainha Elizabeth deu uma grande lição para os espanhóis. A França e a Espanha sempre tentaram tomar o poder na Inglaterra. Inclusive com a ajuda da igreja católica, mas sempre descobrimos antes de acontecer. A nossa rede de espionagem é poderosa. Então não há o que temer. Continuaremos um reino forte e capaz de proteger o povo... Desde que controlemos o príncipe regente.  – Jacob respondeu.

- Vossa Graça... Jacob... Preciso me vestir. Os convidados chegarão a pouco e não queremos ser indecorosos e inconvenientes. Eu serei a nova duquesa e preciso mostrar recato e eficiência.

- Eu a deixarei se assear, mas volto à noite para dormirmos juntos. Deixe a porta de ligação destrancada. – Ele ordenou.

- Isso não é... – Jacob a interrompeu com um beijo. – Eu te amo, minha graciosa. Se não deixar a porta aberta, eu baterei até acordar todos os habitantes da casa.  – Levantou-se cama, começou a vestir suas roupas e pouco depois saiu, deixando-a sozinha no aposento. Nessie sabia que estava falando sério. Ele nunca voltava atrás em sua palavra.

[...]


Horas depois Nessie estava na sala conversando com as duas senhoras que chegaram para a cerimônia do casamento. Ladies Langlay e Brandt estavam muito felizes com a notícia do casamento, demonstrando um afeto sincero pelo duque. Desde o primeiro momento que chegaram, Nessie percebeu que os casais o tratavam sem a menor cerimônia, tratando-o pelo nome de batismo, coisa que não era normal. Ali não estava o poderoso duque de Telford, sim um querido amigo de anos. Lady Langlay contou-se sobre o bebê que estava esperando e não havia ninguém mais feliz naquele momento. Nem mesmo ela, que estava prestes a se unir com o homem que amava, demonstrava tamanha felicidade no rosto. As três logo se tornaram amigas de infância e elas contaram muitas coisas sobre o duque.

Algum tempo depois, a duquesa mãe entrou no salão, anunciada com toda pompa pelo mordomo, e se juntou as três. Contudo sua carranca mal humorada era perceptível a qualquer pessoa. Fazia comentários dúbios e maldosos a respeito de Nessie, sua família e do casamento. E mesmo as senhoras tentando amenizar, o clima parecia tenso. Em determinado momento, parou de rodeios e foi muito franca em sua opinião.

- Não espera que eu aceite esse casamento sorrindo de felicidade. -  Respondeu a duquesa a uma pergunta de Lady Brandt.  Ela olhava com desdenho e altivez que chegava a assustar Nessie. – A família Wood nunca foi bem conceituada. Posso falar dos deslizes desde o tempo do seu bisavô, que passou o legado quase valido ao se avô. Isso sem falar no sovina do seu pai. Seu tio era um depravado, delinqüente que se casou com uma mulher sem berço. Sua tia não tem postura, elegância e traquejo para estarem em um mesmo ambiente de uma duquesa. Isso sem falar em suas primas, que vivem flertando com todos os homens, mesmo os casados. – Ela fitou Nessie com ódio inflamado nos olhos. – O seu primo nem preciso comentar. Sua reputação é notória em todo o reino. A senhorita fugiu de casa deixando um rastro de fofocas e boatos. Agora me diga, senhorita, qual qualificação possui para ser uma duquesa?- Inquiriu desdenhosamente.

- Ela é filha de um marquês! – Lady Langlay veio em seu socorro.

- Eu não me orgulho de minha família. E nem tenho culpa de fazer parte dela. Meu pai me deixou uma boa herança, mas meu primo roubou tudo. Ele e minha tia me maltrataram todos esses anos. Acho que eu poderia ficar e permiti que me obrigassem a casar? Ele só queria o meu dinheiro e por isso estava forçando um compromisso. – Nessie rebateu.

- Nada disso importa! – A duquesa vociferou com elegância. – Está fadada ao escândalo. Não tem traquejo para ser uma duquesa. Ainda mais a duquesa de Telford. No momento em que o encanto do meu filho passar, perceberá a tolice que cometeu. Se lhe resta algum tipo de dignidade, coisa que duvido, ordeno que vá embora e saia da vida de Telford. Ele não pode ver feliz com uma mancha em seu nome.

Nesse momento o duque e os amigos entraram na sala. Ele olhou de forma severa para a mãe e o seu olhar já advertia quanto ao que estava fazendo.

- Não gaste saliva, Vossa Graça! – Ele desafiou a mãe - Vais precisar dela quando for se humilhar por mais dinheiro. Achas que permitirei que humilhes a minha noiva dessa forma? Não sabe que pode ficar sem mesada? Pode perder as regalias que EU pago? É melhor conterdes a língua, mamãe. – Disse com ironia. - Ou pode ficar sem ela. – A duquesa o fuzilou com um olhar malévolo, mas continuou com a mesma pose de sempre.

- Não ousarias, Telford! – Ela o desafiou com altivez, o nariz empinado e uma postura perfeita. Nessie duvidou que algum dia poderia apresentar tal postura.

O silêncio foi quebrado pelo mordomo entrando na sala. E todos olharam quando entregou a missiva para o duque.

- O padre está passando mal. Acha que foi algo que comeu no caminho. Ficará de resguardo em seu quarto. Pediu para se desculpar pela sua ausência.

- Pode mandar servir o jantar! – Nessie ordenou como se já fosse dona da casa. A duquesa a olhou com desdenho, mas nada disse. Sabia que por ora a batalha estava perdida. O duque Havia deixado claro que sua noiva quem dava as ordens na casa.

Todos foram para a sala de jantar e o clima ficou um pouco ameno. Mas era visível o comportamento arredio da duquesa. Ela olhava para Nessie como se fosse uma mera camponesa tentando entrar na aristocracia. Jacob e os outros fingiam não perceber a guerra de olhares, trocando conversas sobre trivialidade.

Quando jantar acabou e os homens foram para a sala de jogos, a duquesa se despediu das senhoras e não fez questão de cumprimentá-la. Nessie estava aborrecida, mas fingiu não se afligir  com o fato, apenas ignorando a sogra.

[...]

Em seu quarto a duquesa andava de um lado para o outro. Já havia quebrado alguns objetos e queria descontar toda a raiva em alguém. Mas se alguma coisa aprendeu nos anos de convivência com o crápula do marido, foi ter paciência. Tocou o sino e esbravejou que sua criada entrasse. Necessitava de noticias sobre o plano, que já estava em andamento.

- Por onde andou?  - Esbravejou com a serviçal.

- Estava fazendo o que me ordenastes, Excelência.  – Respondeu a moça se encolhendo.

- E como ando o plano? Fez tudo o que ordenei? – Inquiriu, ainda possessa de raiva pela ousada e humilhação que o filho a fez passar. Não perdoaria aquilo nunca e em breve daria o troco. Muito em breve ele estaria sofrendo.

- Coloquei as ervas no chá no padre. Ele ficará dias com o intestino solto. Duvido que saia do quarto para realizar o casamento. – Disse a jovem criada.

- E o resto? – Continuou com tom impaciente, enquanto se sentava em frente à penteadeira. A jovem começou a trabalhar em seus cabelos. Ela gostava que fossem bem escovados antes de se deitar.

- A missiva foi enviada para propriedade em Londres de Lord Colchester. O camponês teve ordens expressas para não parar para pernoitar em nenhum vilarejo. O pagamento foi entregue como solicitado. Amanhã, se não houver imprevisto, o homem receberá o recado. Também ordenei que outro fosse à cidade. Ele levou sua carta para o pároco local, com dinheiro como solicitado. Ficou esperando para ver se o homem partiria. O pároco está bem longe de Excer agora. Depois foi para os vilarejos mais próximos. Não haverá nenhum padre nas vizinhas.  – A moça dizia tudo muito rápido. Sabia que sal patroa gostava de eficiência. Era por isso que a mantinha como criada pessoal. -  O quarto para Lord Colchester foi reservado na estalagem. Foi solicitado muito discrição sobre o hóspede. – Terminou a jovem.

- Perfeito! Quero ser avisada quando Lord Colchester chegar. Continue dando ervas ao padre. Ele não sairá daquele quarto para realizar o casamento. Preciso de homens confiáveis para raptar Lady Wood. Não podem ser da propriedade. Amanhã, bem cedo, saia e encontre uns três capatazes e os esconda. Na hora certa eles levarão aquela cortesã daqui.  – Ficou rindo para o espelho, enquanto a jovem lhe penteava.

- E se o duque descobrir? – Perguntou com medo para a sua senhora.

- Quando ele sentir falta de sua noiva, ela estará casada com Lord Colchester. Ele achará que ela o abandonou. Deixarei uma carta de despedida, com os motivos para não se casar com ele. Preciso que encontre algum texto escrito por ela. Ainda hoje!! Vá a biblioteca ou fale com sua aia. Quero que meu  filho ache que foi traído. Não será a primeira vez. Eu consegui fazer com que Caroline se atirasse nos braços do meu marido, para afastar a desaforada do meu filho. Posso fazer essa cortesã se passar uma traidora. – Riu novamente para o espelho, enquanto a jovem lhe penteava, a duquesa removia os brincos e as outras jóias.

[...]

Edward andava de um lado para o outro em seus aposentos. Ainda continuava ouvindo a voz e a risada da francesa, que intercalava com palmas e chicotadas. Estava à beira da loucura. Não havia nada que fosse capaz de acalmar o seu coração. Queria arrancar os olhos de Renesmee por tudo o que estava passando. Era tudo culpa dela. Ele tinha plena convicção disso.

O mordomo entrou em seu aposento e lhe trouxe uma missiva. Estava lacrada, não havia remetente ou selo de uma casa nobre. Aquilo era bem estranho. Fez sinal para que o mordomo saísse e rompeu o lacre da missiva. Quando começou a ler, um sorriso se formou e Edward gargalhou de felicidade. Era a primeira vez em dias que tinha uma noticia boa. A solução para todos os problemas.

A duquesa de Telford não só lhe informava onde sua pupila estava, como também dava instruções de como tirá-la do duque antes do casamento.

Ele precisava partir imediatamente para Excer e esperar em uma estalagem. Ali ele receberia nova missiva de um de seus homens e em pouco tempo Renesmee seria sua. Já possuía uma permissão oficial para se casar. Bastava levá-la para o vilarejo distante, já que o pároco local foi despachado para longe, a fim de não casar o duque. Depois que casasse, Edward consumaria o casamento, faria com que pagasse por tudo o que ele havia sofrido nas mãos do duque. Quando sua vingança chegasse ao fim, ele a mataria com as próprias mãos. Com dinheiro da herança, pagaria o duque e se livraria da prisão dos devedores. Perfeito!! Edward começou a gargalhar e não conseguiu parar... A sorte estava ao seu lado.

[...]

- Mas não é possível! – Jacob esbravejou. O padre continuava com problema intestinal e não saia do quarto. O pároco local havia viajado as pressas e não havia ninguém para realizar o casamento.

Nessie tentou acalmá-lo, mas estava soltando fogo pelas ventas. Não ficaria em paz enquanto não casasse e levasse sua esposa consigo para Londres.  Até Nessie parecia sentir medo dele naquele momento. Já havia saído a cavalo cedo, rodado toda a região e não havia um padre para realizar o casamento. Há dois dias procurando alguém que pudesse realizar os votos e nada.  Ao que parecia, todos os padres da região sumiram, misteriosamente. Só poderia ser praga da mãe! Pensou furioso. Mas se ela tivesse o dedo pobre naquilo, faria a pagar. Já estava farto de suas artimanhas.

- Vou para os meus aposentos, Milord!­ – Preciso me assear para o jantar. Já dei todas as ordens para a governanta e em uma hora o jantar será servido. Tente se acalmar, por favor! Temos tempo para nos casar. Uma hora ou outra o padre sairá do quarto. Não pode ficar trancado para sempre. – Nessie disse, passando a mão pelo seu ombro. Jacob assentiu, mas não conseguia nem olhar para ela. Ela fez uma mesura para os amigos e saiu do gabinete do duque.

Ela também estava muito preocupada. Via a tranqüilidade de duquesa e ás vezes a percebia sorrindo. Sabia que estava tramando algo e que a doença do padre não era mero a caso. Era o terceiro dia confinado no quarto e Jacob já havia saído com os amigos por dois dias, sem conseguir encontrar um sacerdote para realizar o casamento. Não poderia ser coincidência.

Chegou ao aposento, fechou a porta, respirou fundo e rezou, mentalmente, para que a situação se resolvesse logo. Jacob estava insuportável e até deselegante na frente dos convidados. Ela percebeu o quanto ele odiava ser contrariado e a presença da mãe piorava tudo.

Foi para trás do biombo, para se aliviar no urinol, e quando saiu escutou um ruído. Sem ao menos perceber, alguém tapou sua boca pano com cheiro forte. Ela ficou tonta, mas tentou lutar o máximo que podia. Pouco a pouco foi perdendo a consciência e apagou.


[...]

Os criados saíram da mansão de Telford em Excer pelos fundos. A duquesa mãe havia reclamado que os tapetes lhe causavam alergia e ordenou que fosse levado do quarto. Ninguém estranhou fato, porque conheciam as excentricidades da duquesa. Nem percebeu que os homens eram desconhecidos. Eles foram levados pela aia da duquesa até seu quarto, sem que se dessem conta do fato. Assim os homens saíram com enorme rolo da casa e o levaram para a carroça. O que ninguém sabia, era que naqueles enormes tapetes estava a futura duquesa de Telford.

Os homens foram embora da propriedade, sem a menor desconfiança dos camponeses que trabalhavam para o duque. Eles se embrenharam pela mata e em uma hora pararam em frente a uma enorme carruagem que esperava perto de uma trilha, que dava para a estrada principal da cidade vizinha. Tinham ordens para entregar a jovem e partirem com o dinheiro da recompensa. Assim, cautelosamente, desenrolaram os tapetes, retiraram à jovem, um deles a pegou nos braços e a levou até a porta da carruagem. O homem, que parecia um nobre, sorriu ao pegar a jovem desacordada nos braços. Seu olhar era doentio, o homem percebeu. Depois entrou na carruagem, fechou a porta e partiu dali, como se apenas estivesse de passagem.

Enquanto tomavam a direção oposta, o homem ficou pensando sobre a expressão do nobre. Ele precisava de dinheiro, tinha um filho doente e o pagamento seria a solução para tudo, mas o olhar daquele nobre para a jovem donzela o preocupou. Naquele exato momento sua consciente começou a acusá-lo e o homem sabia que a coisa estava errada. Não queria comentar nada com o amigo, porque ele o ameaçaria. Os dois sabiam que não era nada bom desafiar um duque. Mas ele tinha uma filha quase da mesma idade e naquele momento pensou que poderia ser sua filha e perigo... Precisava fazer alguma coisa. Precisava remediar o seu erro.
Amorecos de meu coração, peço mil desculpas pela demora do capitulo, mas estou em estado de surto por causa de Para sempre. Já tem uns 4 dias que troco o dia pela noite. Não consigo escrever, fiquei 2 semanas sem ler e estou comendo como uma loba. Acho que até o lançamento estarei pesando uns 150 kgs. Isso não é uma metáfora. Kkk Estou em surto mesmo.

Espero que o cap esteja bom. Estou tentando fazer há dias e não sai nada. Por favor me perdoem mesmo. O que me mata é a minha ansiedade. Kkkk acho que vou tomar remédio para dormir. Amanha vou na farmácia comprar algo que me ajude. Não sei o que será da minha vida até esse livro sair. Kkk

Orem por mim! é só o que peço!!

O cap não teve betagem. Fiz uma revisão rápida. Então se encontrarem erros me avise a palavra ou a frase.

Antes que me perguntem, acho que a Elaine já me perguntou e respondi no post. Esse é um romance de regência. Se chama regência, pois se passa na época do rei George alguma coisa. Para ficar mais claro, é o período da guerra de Napoleão Bonaparte. Então acho que fica mais claro. Tentei deixar explicito no cap. OK?

Não deixem de participar do sorteio!!! Mesmo que não tenha todas redes, coloquem as que vcs tem. OK Mesmo as leitoras de Portugal! Eu quero dar um presente para alguém desse blog. Para quem participa sabe que mando o que sorteio. Então vão lá no post e coloquem a rede social que estão seguindo.

Quem quiser postar resenha no blog WWW.teamareiparasempre.com é só me mandar no email. Já publiquei a da Kris, a da Dani e da Nath. Peço que continuem me ajudando com a divulgação do livro!!!

O próximo cap é o final. Digam qual o castigo de Edward que agradaria. To pensando em coisas bem interessantes...

Bjs no core



11 comentários:

Katherine Black disse...

ADOREIIIIIIIIII
nossa, a duquesa mãe é uma jararaca... um castigo pra ela seria muito bom...
bem, pro Edward, vou deixar com você... confio que você fará perfeito..
pra duquesa mãe, acho que o Jacob deve cortar toda a mesada dela, expulsa-la de casa ou ordenar que ela faça serviços de casa...
o cap ficou muuuuito bom...
sei que você está ansiosa com o lançamento de Para Sempre, mas calma que dará tudo certo.....
e na hora que chegar em Fortaleza eu comprarei o livro...
bjssssss

hilsiane disse...

Nossa eu fiquei com medo do que possa acontece com a nessie e o bb pq o edward é um louco é se ele soube q a nessie tá gravida do jake ele vai ela perde o bb ,ainda bem que o homem se arrepedeu de ter entregado a nessie ao louco do edward,tomara que ele encontre logo o jake e conte a verdade a ele p/ele salva a nessie antes q o edward faça algum mal a ela eo bb.glaucia amei a cena hot deles foi mara tomara q eles caser logo,e q a naja da mãe do jake se é q pode chama aquilo de mãe pague por todo mal que fez a nessie assim como o louco do edward e sua familia que tanto mal fizeram a nessie .fiquei triste em saber o prox cap é o ultimo,eu amo d+ essa fic mara.agora mundado de assunto n fica tão nervosa q o teu livro vai ser um sucesso e vc nervosa desse jeito n vai aproveita o sucesso do teu livro e ainda corre o risco de passa mal é engorda muito ,se acalma q vai dá td certo,eu vou rezar muito por vc de coração.só n vou comenta mais pq tou sem pc ja que ele deu problema é foi p/ a autorizada e n sei quando volta ,por isso to no celular ,n sei se vai dá certo mais to tentado.bj anne

Deia disse...

Aquela jararaca, como é que ela pode fazer isso com a Nessie?? Que raiava daquela cobra peçonhenta, tomara que ela morda a lingua e morra com seu proprio veneno.
Imagina o que o Jake vai fazer quando ele souber da verdade não quero nem ver.
Como pode uma mãe não querer que um filho seja feliz, temo pela Nessie e pelo bebe que ela espera não gosto de pensar no que o Edward podera fazer com ela, tomara que o homem que a entregou para ele consiga fala em tempo com o Jacob, e quero só ver o que vai acontecer a hora que o Jake botar as mão nele.
Sabe eu acho que todos os castigos que a gente imaginar seriam pouco para o Edward tudo que ele já fez com a Nessie não tem perdão, ele tem que terminar louco, huminhado, desacreditado, mas de que jeito isso acontecerá deixo a seu cargo, você sempre surpreende a gente com o que escreve.
Adore ler as cenas Hot que vc faz dos dois.
Glau querida tenta relachar, se vc ficar tão anciosa(ok a gente sabe toda a sua espectativa com relação ao livro) pode não aproveitar o seu sucesso como diz ae no comentario de cima, a gente fica a qui torcendo por vc sempre, pq se tem alguem que merece isso é vc, eu sou viciada em fics e fico doente quando não posso ler o que vc escreve, sou completamente viciada nas tuas estorias.
O que me deixa um pouquinho triste é que ela já ta terminando, diz pra gente que vc não vai parar de escrever, vc tem algu outro plano para uma nova estoria? Entendo que vc esteja super atarefada e agora o livro e tudo mais, e entenderei perfeitamente se vc precisar de um tempo, mas primeiro vc tem que prometer que não vai demorar tanto como quando terminou de escrever A Herdeira, promete????
Beijos, torço por vc.

Daniela ♥ disse...

Glau, primeiro que nada tenho que pedir mil desculpas, eu sei que tenho demorado para comentar os seus capitulos e nem o 15º ainda comentei (vai ser já a seguir eu prometo) e quando eu entrei aqui no seu blog e vi o seu desabafo fiquei super triste por mim mesmo, pois eu sei bem como voçe se tem esforçado para conseguir postar medo de amar e ao mesmo tempo todo o trabalho que tem tido com a divulgação do seu livro, acredito que não seja nada fácil e nós leitores o minimo que podemos fazer é comentar e eu nem isso tenho feito nestes ultimos 2 capitulos.
Espero que me perdooe do fundo do coração, voçe sabe bem quanto eu amo as suas histórias e a sua escrita, mas claro que só dizer não vale de nada, tenho que mostrar, por isso quero lhe pedir MIL desculpas =(
Estou mesmo triste comigo mesma e voçe tem toda a razão por estar triste com os poucos comentários, esta história é apenas para as pessoas que a seguem aqui no blog, ou seja apenas algumas felizardas, e acho que só por isso todos deveriam deixar nem que fosse um "eu li" pois voçe mereçe Glau.

Bem, agora em relação ao capitulo:
Ai Glau voçe um dia destes ainda me mata.......o inicio do capitulo começou logo perfeitamente bem .. ai deus me acuda xD
Como sempre voçe é perfeita na descrição das cenas.....principalmente as mais hot hahahaha
Ai que eu quero matar aquela puta da mae do Jacob (com todo o respeito ás pessoas mais velhas) mas essa cobra deveria ter um final bem trágico....
E tadinha da Nessie =(
Depois de tudo o que aconteceu ainda é raptada??
Só espero que esse homem que a levou e quando a viu ficou a pensar se estava a fazer o certo ele realmente faça o certo....ela não pode sofrer mais =(

Glau como sempre perfeito, voçe sabe bem como eu amo todos os seus capitulos......e este final deixou me mais ansiosa para o próximo.

Mais uma coisa: disse que o proximo capitulo vai ser o último??
OMG já??
AI ESTOU MESMO ANSIOSA POR ELE =D

ADOREI ADOREI ADOREI!!!

Beijos grandes,
Daniela Cristóvão

elaine disse...

Aí aí jake que calor acho que um iperventilando glau amei o capítulo coitada da ness e que sogra éca ninguém merece mas acho que o senhor vai ajuda já mas to curiosa pra ver o desfecho dessa história bjs flor

elaine disse...

Aí aí jake que calor acho que um iperventilando glau amei o capítulo coitada da ness e que sogra éca ninguém merece mas acho que o senhor vai ajuda já mas to curiosa pra ver o desfecho dessa história bjs flor

luciene disse...

Ai Glau porque me torturas assim, eu achei que finalmente tudo is sair bem e ai vem a Megera mãe e acaba com a alegria do casal , eu espero que o Jakelicios não caia nessa de novo né e que a pobre nessie consiga sair dessa ilesa até porque tem o baby que ela tá esperando. Apesar do Tio Ed ter surtado ( e não é pra menos né) espero que ele vá logo pro inferno só com a ida kkk

bjks

Lu

Paty disse...

Glaucia que cap mas quente foi este OMG este Jakelicia tem um fogo, mas esta jararaca da mãe dele tinha que aprontar hein coitada da Nessie ja sofreu tanto espero que o homem que ficou com dor na conciencia vai logo e conte td ao Jake par que ela não sofra nas mãos de Edward que vai querer se vingar de td que o Jake fez com ele atraves de Renesmee podendo assim ela vim a perder o bebe .
To curiosa para o proximo cap mas tambem mto triste pois sera o fim de mas uma belissima fic sua bjs

ϟ Faa Mariia Anntunes disse...

Glaaaaaaaaaaau, amei.. você aceita fazer uma entrevista comigo sobre o livro tal, meu blog é pequeno mas eu gostaria muito mesmo!!

Cantinho da Glaucia disse...

Amore, é só elaborar as perguntas e me enviar. OK? Respondo todas e devolvo para vc.

bjs no core

Bruna disse...

A mãe poderia enlouquecer junto com o Edward? Mas está ótimo. Bjs

Postar um comentário