quinta-feira, 29 de março de 2012

Faz de conta que foi assim13

CAPÍTULO 12 – Nova aquisição
DO LADO DE CÁ
(Chimarruts)
Se a vida às vezes dá uns dias de segundos cinzas

e o tempo tic-taca devagar
Põe o teu melhor vestido, brilha teu sorriso
Vem pra cá, vem pra cá
Se a vida muitas vezes só chuvisca, só garoa
e tudo não parece funcionar
Deixe esse problema à toa, pra ficar na boa
Vem pra cá

Do lado de cá, a vista é bonita

A maré é boa de provar
Do lado de cá, eu vivo tranquila
E o meu corpo dança sem parar
Do lado de cá tem música, amigos e alguém para amar
Do lado de cá
Do lado de cá

A vida é agora, vê se não demora.

Pra recomeçar é só ter vontade de felicidade pra pular

Do lado de cá, a vista é bonita

A maré é boa de provar
Do lado de cá, eu vivo tranquila
E o meu corpo dança sem parar
Do lado de cá tem música, amigos e alguém para amar
Do lado de cá
Do lado de cá
Do lado de cá

...”Temos, todos que vivemos,

Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada”...

(Fernando Pessoa)
Os dias que se seguiram foram angustiantes para Edward. Ficar ao lado de Bella era uma verdadeira tortura. Ver seus olhos cheios de desejos e não poder satisfazê-la era, no mínimo, desesperador.
Bella estava contando os minutos para a semana acabar. Seu corpo tremia com a simples aproximação de Edward. Era como sua pele tivesse uma memória própria e quisesse a todo custo sentir as mãos e carícias dele novamente
Sua sorte é que Edward passou grande parte dos dias trabalhando em seu escritório e ela pode se ocupar com os preparativos para a chegada dos convidados.
O momento mais difícil de suportar era quando se deitavam. A proximidade com Edward fazia Bella sentir um calor percorrer suas veias e todos seus sentidos imploravam pelo corpo de seu marido. Sua beleza, seu cheiro, o gosto de sua boca, a maciez de seus cabelos e aquela voz rouca lhe desejando boa noite faziam com que perdesse a razão, chegando próximo de quase implorar para que ele a amasse.
Parte dela dizia que aquele homem ainda era um verdadeiro estranho para ela, mas a outra parte o queria com tal intensidade que era impossível resistir.
Bella simplesmente virava para o canto torcia para dormir logo.
Podiam até dormir separados, mas acordavam abraçados, com as pernas entrelaçadas. Era bem constrangedor sentir o membro excitado de Edward entre suas pernas, porém a sensação de prazer que aquilo lhe causava era única.
Para seu alívio, na sexta de manhã ela enfim conheceu os amigos dos quais tinha se esquecido, segundo Edward.
Ganhou um abraço apertado de Emmett. Ficou impressionada com o seu tamanho.
– Oi Bellinha!! Que bom te ver fora daquele hospital.
– Oi! – Respondeu timidamente.
Jasper foi mais ponderado e a abraçou meio formalmente.
Ele só estava ali porque gostava muito de seu amigo e sócio, mas sentia-se desconfortável em fazer parte de um plano que enganava aquela doce criatura, ainda que o objetivo daquela farsa fosse fazê-la feliz.
Alice a abraçou eufórica. Estava amando fazer parte daquela fantasia para juntar duas pessoas apaixonadas. Também não gostava de enganar as pessoas, mas sabia que tudo aquilo era para o bem de Bella e se empenharia ao máximo para ajudá-la a ser feliz.
– Oi Bells, que bom te ver bem, amiga. Estava com tanta saudade!!
Bella ficou encantada com a beleza e delicadeza dela.
Edward sabia que os amigos jamais o entregariam, mas temeu que eles cometessem algum deslize e pusesse todo o plano a perder.
Depois dos cumprimentos foram conhecer seus quartos e o resto da casa.
Alice ficou deslumbrada com o quarto do casal. Fez Jasper jurar que construiria um igual para ela, mesmo que não fosse virado pro mar.
Bella gostou deles logo de cara. Achou Alice um amor e sentiu-se bem tendo uma amiga para conversar.
Depois do almoço os homens foram jogar videogame e as duas ficaram na sacada, conversando. Depois de algumas horas, pareciam amigas de infância.
– E aí, Bells, como está sendo conviver com um marido do qual não se lembra?
– É um pouco estranho, mas Edward é tudo que uma mulher pode sonhar, Alice. É gentil, carinhoso e... lindo!
– E?...
– E beija bem – Bella continuou, rindo. – Só sei até aí, por enquanto.
– Vocês ainda não transaram?
– Eu até que quis, mas o meu médico proibiu nesses primeiros dias.
– Que pena!
– Pois é... Alice, a gente conversava muito sobre nossos maridos?
– Já sei, tá querendo saber o que você falava de Ed?
– É terrível não me lembrar de nada. É como se eu fosse virgem novamente, entende?
– Entendo... Mas tem seu lado bom, poderá ter duas primeira vez.
– Aconteceu isso com o beijo.
– Então quer saber o que eu sei do seu marido? Eu sei muita coisa! – Disse rindo maliciosamente. – Nós duas éramos melhores amigas e confidentes.
Na verdade tudo o que Alice sabia tinha sido contado por Lauren, uma colega de curso que ela havia apresentado para Ed e que o namorou por uns meses e por outras namoradas suas, com as quais acabou fazendo amizade.
– E o que é que eu contava? – Bella perguntou aflita.
– Bom, você vivia se gabando que ele era um espetáculo na cama. Que era insaciável e que te fazia ter os orgasmos mais intensos do mundo. Ah, você me contou que o “negócio” dele é gigantesco! – Alice falou rindo.
– Pai do céu, eu falei tudo isso?
– Ham, ham!
Alice tinha repetido exatamente o que as meninas viviam falando quando namoravam Edward.
– Esse lance aí de ser grande eu já notei mesmo.
– Você nem sequer o viu pelado ainda?
– Não.
– Ah não, Bella!! Você está proibida de transar, mas tirar uma lasquinha desse marido gostosão pode!!
– Eu já vi ele enrolado na toalha... Só isso.
– Por que você não toma banho com ele hoje?
– Tomar banho? Como?
– Oras, Bells, tomando, né!!! Aproveita a hora que ele estiver no chuveiro e entra no banheiro nua ou só de calcinha. Tenho certeza que ele vai te convidar pra tomar banho com ele. Ele está há muito tempo sem sexo, amiga. Deve estar subindo pelas paredes.
– Disso eu entendo...
– Você precisa seduzi-lo.
– Eu? Com essa cara de quem dormiu por dois meses?
– Tive uma idéia!! – Alice falou eufórica. – Vamos passar a tarde num salão de beleza. Você está precisando hidratar esse cabelo, fazer as unhas. Vamos acabar com essa cara de doente!
– É, acho que seria interessante.
– Tá bom, vou pedir o carro do Ed emprestado e a gente vai para Monterrey procurar um salão. Hoje você vai deixar seu maridinho louquinho!
– Mas eu ainda não posso...
– Pode sim, amiga. Sexo nunca fez mal a ninguém. Tá passando da hora de terem a grande noite de vocês.
Alice não estava falando de dois dias, mas sim de dez anos.
Edward ficou preocupado em deixar sua esposa sob os cuidados da amiga desmiolada, mas não resistiu ao ver a felicidade e empolgação de Bella.
– Se cuida, amor. Se não se sentir bem me liga que eu te busco na hora.
– Tudo bem Edward, eu ligo se precisar.
Edward beijou seus lábios, sentindo seu corpo vibrar com aquele simples toque.
A tarde no salão foi super divertida. Como Edward havia dito, Alice era um amor de pessoa... E uma palhaça também. Bella riu tanto que sua barriga estava até doendo.
Fizeram cabelo, unhas, depilação, banho de lua, sobrancelhas, esfoliação... Enfim, saíram de lá muito mais bonitas do que entraram.
Edward nunca pensou que sentiria tanta falta de Bella como sentiu. Seus amigos não aguentavam mais ouví-lo falar que estava preocupado com sua demora.
– E aí, Ed, você e Bellinha já transaram? – Emmett perguntou rindo.
– Que intimidade é essa de chamar minha esposa de Bellinha, Emm?
– Tá com ciúmes de mim, cara? Não acredito! Você tá mais apaixonado do que eu pensava.
– Tá bom, desculpa, vai!
– E aí, transou ou não transou?
– Não, o merda do médico proibiu!
– E desde quando a gente obedece médico, Ed? Quando eu operei de fimose eu fiz sexo duas semanas antes do prazo dado pelo Dr. Phillip. Ele ficou bravo comigo, mas não aconteceu nada. O amigão aqui continua funcionando que é uma maravilha!
– Para de dar conselho errado pra ele, Emmett! – Jasper intrometeu. – Quer que ele ponha a vida da Bella em risco?
– Deixa de ser todo certinho, Jasper. O Ed está esperando por isso há dez anos e agora vai ficar seguindo dieta? Ah, me poupe!
– Mas e se ela desmaiar, cara? – Edward perguntou preocupado.
– Você espera ela acordar e dá outra. Simples!!
Edward balançou a cabeça e começou a rir. No fim os três estavam gargalhando com as besteiras de Emm.
Bella e Alice chegaram pouco antes do jantar.
Os homens estavam cada um em seus quartos.
“A medida do amor é amar sem medida.”
Bella entrou no dela, viu a porta do banheiro encostada e ouviu o barulho do chuveiro sendo desligado. Lembrou-se do que Alice tinha lhe dito. Prendeu a respiração e entrou, ciente de que seu rosto devia estar vermelho como um tomate.
Edward estava fora do box, indo em direção ao suporte onde estava a toalha. Quase caiu quando a viu entrando. Imaginou que ela não soubesse que ele estava ali.
– Bella, não entre!
– Por quêêêêê?? – Bella prolongou o “quê”, tamanho o susto que levou ao se deparar com Edward nu, ostentando uma pênis completamente ereto e, como Alice havia dito, gigantesco.
Não! Definitivamente não tinha como ter esquecido aquilo, pensou. A imagem de Edward nu não era algo que uma simples bala no cérebro pudesse apagar. Nem que um meteoro tivesse caído em sua cabeça, ainda assim teria de se lembrar daquela perfeição. Se apenas um único e solitário neurônio se salvasse, alí teria de estar gravado a visão do membro lindo e hipnotizante de seu marido.
– Como pude me esquecer disso?... – Pensou alto, sem sequer piscar os olhos.
Um par de olhos assustados a fitava, sem saber se ria ou gritava.
– Hã... – Bella voltou à realidade. - O que achou do corte do meu cabelo? – Perguntou logo em seguida, seguindo o plano inicial, como se nada tivesse acontecido.
Edward ainda tentava sobreviver ao AVC que o acometia. Suas pernas estavam bambas.
– É lindo!
– É mesmo... – Bella concordou, admirando o membro do marido.
– O cabelo, Bella.
– Hã?... Ah, sim... É claro que é meu cabelo.
– Tchau, Edward!
– Tchau, amor!
Apesar do susto, Edward riu da situação quando Bella saiu. Não costumava ficar envergonhado por estar nu diante de uma mulher, mas com Bella era diferente. Ela às vezes parecia tão ingênua...
Bella sentou-se na cama sentindo as pernas falharem. Perguntou-se onde estava com a cabeça quando resolveu entrar naquele banheiro. Edward devia estar achando que ela tinha desrespeitado sua privacidade. Tinha de voltar lá e pedir desculpas, pensou. Mas pensando bem podia continuar com a idéia de Alice. Tirou a roupa rapidamente, ficando apenas de calcinha. Mesmo que não fossem tomar banho juntos, estava bem gostoso ficar tentando Edward.
Edward resolveu por à prova a coragem de Bella. Se ela queria que agissem como marido e mulher, então ele agiria.
Secou-se e saiu pelado do banheiro.
Quando abriu a porta, bateu de frente com ela, que vinha entrando novamente.
Bella sentiu seu corpo se chocar com aquele muro de músculos perfumados.
Antes que se projetasse para trás, na mesma velocidade com que tinham se encontrado, sentiu as mãos fortes de Edward segurarem sua cintura, mantendo-a colada nele.
– De-de-desculpe! – Pediu, sentindo sua pele soltar faíscas ao tocar a dele.
– Não foi nada! Você se machucou, Bella?
– Nã-não.
Os olhos de Edward desceram para os seios de Bella. Ele não acreditou que aquilo estava realmente acontecendo. Era bom demais para ser verdade. Suspirou buscando forças.
– Essa pressa toda era para quê? – Perguntou irônico, sorrindo torto para ela.
– Te pedir desculpas – Bella respondeu, quase sem voz.
– Por estar sem roupas em meus braços? Acho que isso é imperdoável. – Edward brincou, deixando-a mais envergonhada ainda.
– Vo-você está nu.
– Eu sei... Você também.
O coração de Bella estava tão acelerado que Edward podia senti-lo.
Não resistiu mais... Apertou-a mais ainda em seu corpo e beijou-a avidamente, deixando sua língua invadir aquela boca em busca do sabor no qual viciara.
Bella sentiu os dedos de Edward descerem lentamente por sua espinha, fazendo com que sua pele queimasse com aquele toque. Não demorou até que aquelas mãos chegassem em suas nádegas, acariciando-as.
Edward estava inebriado com a maciez da pele de Bella. Seu corpo era de uma beleza indescritível.
Enquanto uma de suas mãos apertava a bunda perfeita de sua esposa, a outra ia ao encontro de seus seios firmes.
Bella gemeu alto quando seus mamilos foram gentilmente acariciados. Podia sentir também o quanto seu marido estava excitado.
– Por Deus, menina, você vai acabar me matando de prazer. – Edward falou, rendendo-se ao poder que ela tinha sobre ele.
– En-então mo-morreremos os dois... – Bella sussurrou, já se sentindo meio tonta.
– Bella, respira!
Com um suspiro profundo ela recuperou parte do fôlego.
Edward se afastou um pouco, mantendo-a segura pela cintura.
– Você já está quase desmaiando, amor. Acho melhor pararmos com isso, pode ser perigoso.
– Eu não conheço forma melhor de morrer, Edward.
Ele riu e a abraçou novamente, desta vez de uma forma mais terna.
– Se eu pudesse te levava para aquela cama ali e não sairíamos mais do quarto hoje... Mas tenho de me controlar. Sua saúde é mais importante agora.
Ele estava certo. Bella sentia que desmaiaria a qualquer momento. Deu um passo para trás e baixou os olhos, fitando a região da cintura de Edward.
– Falando em saúde...
Edward caiu na risada do comentário da esposa. Olhou para baixo e falou sorrindo.
– É todo seu...
Desde que acordara do coma, Bella tinha se descoberto dona de muitas coisas bonitas... Roupas, sapatos, jóias, móveis... Mas aquela nova aquisição superava todas as outras.
– Vai tomar um banho frio e vamos jantar, Bella. Se eu continuar olhando para seus seios, quem vai desmaiar daqui a pouquinho sou eu.
Bella sorriu e entrou no banheiro. Parecia que estava bêbada, mas sabia que aquela sensação não tinha nada a ver com a cirurgia que fizera. O único culpado pelo que sentia era seu marido.
O jantar foi divertidíssimo. Emmett os fazia rir a cada comentário idiota que soltava.
Edward não se cansava de fazer carinhos em Bella e beijá-la sempre que podia. Estava vivendo a plenitude de seu sonho. Era tanta felicidade que às vezes sentia que não merecia tanto, afinal era um grande mentiroso.
– Está tendo um luau na praia do condomínio aqui ao lado, eu vi lá de cima. A gente podia ir.
– Mas nós não fomos convidados – Jasper falou.
– E desde quando Emmett McCarthy precisa de convite para entrar onde quer que seja?
– É mesmo, amor. Nós somos lindos e divertidos. Quem é que não nos deixaria participar de sua festa? – Alice falou, já empolgadíssima.
– Deixa de conversa e vamos logo. Se nos barrarem a gente volta. – Edward pos um ponto final no assunto.
Entraram sem o menor problema. A festa estava linda.
Ganharam colares de orquídeas e flores para as mulheres colocarem nos cabelos.
– Você está linda! – Edward elogiou Bella, afagando seus cabelos loiros decorados com uma bonita gérbera vermelha.
Recebeu um longo e apaixonado beijo de agradecimento.
Dançaram, riram e comeram à vontade.
Enquanto os homens conversavam animadamente sobre baseball, Bella e Alice sentaram-se na areia, próximo a eles, para descansarem as pernas.
– Achei você e o Edward estranhos durante o jantar. O que é que rolou naquele quarto? Me conta, Bells, pelo amor de Deus!!
– Alice do céu, eu vi ele pelado!
– VOCÊ VIU??
Edward olhou para as duas, assustado com o grito da amiga.
– Shiiiii!!! Fala baixo, quer que ele saiba sobre o que estamos conversando.
Edward se desligou da conversa com os amigos e ficou ouvindo as duas cochicharem.
– Vocês tomaram banho juntos?
– Não, mas eu entrei no banheiro e ele estava nu, com o “negócio” duro.
– Jura?? Ele estava... – Alice fez um movimento sugestivo com as mãos que deixou o rosto de Bella em brasas.
Edward segurou o riso. Estava achando as duas hilárias.
– Hã?... Ah, não sei... Acho que não. Isso não é coisa de adolescente?
– Que nada, Bella, eles nunca perdem essa mania. Mas então ele devia estar pensando em você.
– Em mim?
– Com certeza. Já te falei, o homem deve estar matando cachorro a grito, Bells. Mas e aí?
– Aí que eu quase tive um ataque cardíaco quando vi aquilo! Como já estava saindo do chuveiro, não deu para entrar lá com ele, então eu só perguntei o que tinha achado do meu cabelo.
– E ele?
– Ele disse que estava lindo.
– Só?
– Só. Ele estava estranho, meio pálido. Eu dei tchau e saí do banheiro.
“Pálido? Eu estava era morrendo!”, pensou Edward.
– E depois? – Alice perguntou com um semblante angustiado. - Ah neim, Bella, seja mais detalhista. Já estou a ponto de roer minhas lindas unhas vermelhas.
– Eu criei coragem e resolvi voltar lá. Tirei a roupa e entrei no banheiro só de calcinha, como você ensinou. Mas ele estava saindo do banheiro, pelado, diga-se de passagem, e a gente deu a maior trombada. Ele me segurou para que eu não voasse pra trás com o choque.
– Vocês ficaram abraçados sem roupas??
– Ficamos... Foi tão bom... Ah!, Alice, sentir nossas peles se tocando foi a melhor sensação que já tive nessa minha longa vida de cinco dias.
Edward teve de concordar com Bella. Sentir sua pele macia tocando a dele tinha sido algo que ele jamais imaginou sentir.
– E?... – Alice perdeu a paciência de vez. - Bella, eu já estou pensando em me fantasiar de abajur e passar a noite no seu quarto. Conta com detalhes, pelo amor de Deus, criatura!!!
– E ele me beijou e pegou na minha bunda... e nos meus seios... e eu comecei a ficar tonta.
– Ah não, Bella!!! Isso era hora para desmaiar?
– Pois é... O Edward ficou todo preocupado e se afastou – falou desolada.
– Tudo bem Bells, sei que não fez por querer. Mas tente se controlar da próxima vez para ver se vocês conseguem chegar nos finalmente.
Alguém aumentou o volume da música e elas tiveram que começar a falar mais alto.
– Quem sabe hoje à noite rola alguma coisa?
– É, quem sabe...
– Alice, você tinha razão, o negócio dele é gigantesco.
– Hã? – Alice perguntou, não entendendo o que Bella tinha falado. A música estava ensurdecedora.
– O PÊNIS DO EDWARD É ENORME!
Para azar de Bella desligaram o som antes dela começar a repetir. Seu grito foi ouvido por todos.
Todos os olhares das pessoas que estavam por perto se voltaram para ela, inclusive os de Edward, Emm e Jasper.
A gargalhada de Emmett deixou bem claro que as coisas seriam pior do que ela que supunha. Bella colocou as duas mãos no rosto e ficou esperando o desmaio que infelizmente não veio.
– Não fica contando essas coisas sobre seu marido não, Bellinha!! Aqui tá cheio de solteironas a perigo. Propaganda enganosa é crime, viu?? – É claro que Emm não perderia a oportunidade de piorar a situação.
– Tá escondendo o jogo da gente, Ed? Como a Bella sabe disso? – Jasper perguntou, entrando no clima de gozação.
Edward olhou para Bellla e sorriu torto, deixando-a com o rosto pegando fogo.
Alice ria tanto que não conseguia nem dar apoio moral à amiga.
– Ei, vamos sair daqui senão esses três vão ficar te enchendo o saco a noite toda – Edward chamou, pegando na mão gelada de Bella.
Bella o seguiu de cabeça baixa até a escadaria da casa deles, onde não havia mais ninguém.
– Por que essas coisas só acontecem comigo?
Edward riu.
– Porque esse jeitinho quase infantil que você tem te faz ficar mais linda ainda.
– Você quis dizer idiota?
– Não, quis dizer ingênuo e infantil mesmo. – Falou, acariciando seu rosto.
Bella o encarou com uma expressão intrigada.
– Edward, tem certeza que aquilo já coube na minha boca?
“Eu devia ter bebido!”, Edward pensou.
– Depois você testa isso, Bella.
Antes que ela tivesse um ataque de pânico com sua resposta, ele a beijou com um misto de ternura e desespero.
– Bella, você quer fazer amor comigo hoje? – Perguntou baixinho em seu ouvido.
Edward sabia que não conseguiria resistir nem mais um segundo àquela menina que estava do seu lado. Não com ela fazendo perguntas como aquela...
– Quero, Edward... Será a mais linda e doce lembrança que terei nessa minha nova vida...
“Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chega a apertar o coração: é o amor!”

0 comentários:

Postar um comentário